Semuel ibn Nagrela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Semuel ibn Nagrela (em hebraico שמואל הלוי בן יוסף הנגיד‎ Sh'muel ha-Levi ben Yosef han-Nagid, em árabe أبو إسحاق إسماعيل بن النغريلة Abu Ishaq Isma'il bin Naghrillah; Mérida, Espanha, 9931055), mais conhecido como ha-Naguid, poeta e filósofo hispano-judeu.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Chamado pelos seus contemporâneos Ha-Naguid, o Príncipe, nasceu em Mérida e educado na cidade de Córdova para mais tarde e como consequência das lutas no Califado emigrar a Málaga, onde ensina árabe. Em 1020 agia de secretário (kátib) dos reis Ziridas de Granada. Em 1027 foi investido com o título de Naguid ou príncipe das alfamas judaicas do reino e no mesmo ano foi designado vizir do rei Habus ben Maksan de Granada. Em 1038 age como general dos exércitos do rei Badis ben Habus, lutando durante vinte anos com os taifas vizinhos: Sevilha, Málaga, Almeria e Carmona.

Protegeu a ciência judaica e as escolas talmúdicas e empreendeu uma tarefa erudita e literária, especialmente interessada pelo talmude e a gramática; susteve polêmicas sobre os erros do islamismo.

Obra[editar | editar código-fonte]

Foi um grande poeta elegíaco, lamentando a ausência de parentes e amigos e a instabilidade das coisas humanas, bem como os horrores da guerra. Quase todas as suas composições destacam-se pela sua elevação moral e filosófica.

A sua obra literária é recolhida, na sua maior parte, em Divan, e inclui composições poéticas em hebraico com marcada influência de temas e formas árabes.

Entre as suas obras poéticas destacam-se Ben Tehillim (Novos Salmos); Ben Michlé (Novos Provérbios) e Ben Qohélet (Novo Eclesiastes), todas elas, como os seus títulos indicam, de inspiração bíblica.

Escreveu em prosa Introdução ao Talmude, O livro da riqueza.

Cultivou também a poesia profana, de temática variada que compreende desde composições militares e políticas até poemas amorosos e elegias.

Bibliografia do autor[editar | editar código-fonte]

  • (em espanhol) Poemas I: desde el campo de batalla: Granada 1038-1056. Ed. do texto hebraico, introd, trad. e notas, Ángel Sáenz-Badillos, Judit Targarona Borrás Córdoba: El Almendro, 1988

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (em espanhol) José Amador de los Ríos, Historia de los judíos en España, Madrid: 1865-1872, tres vols.
  • (em espanhol) José María Millás Vallicrosa, La poesía sagrada hebraicoespañola. Madrid, 1940.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]