Senchus fer n-Alban

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Senchus fer n-Alban (A História dos homens da Escócia) é um texto medieval em irlandês antigo, que acredita-se ter sido compilado no século X. Pode ter sido derivado de documentos anteriores do século VII, que se presumem foram escritos em latim.[1] Ele fornece a genealogia dos reis de Dál Riata e um censo dos reinos que compreenderam Dál Riata.

O Senchus existe em um número de manuscritos, dos quais o mais importante pertenceu a Dubhaltach Mac Fhirbhisigh e depois a Edward Lhuyd. O manuscrito H.2.7 mantido pelo Trinity College, Dublin, foi compilado no século XIV por Lúcás Ó Dalláin, provavelmente trabalhando com Seán Ó Mór Dubhagáin (morto em 1372), o principal poeta e historiador da Uí Maine. Este manuscrito já foi pensado ter feito parte do Livro de Uí Maine, mas isso não é mais considerado plausível. Outros exemplos são encontrados no Livro de Ballymote (1384x1406), no Livro de Lecan (anterior a 1418), e nas compilações genealógicas do século XVII de 17 Mac Fhirbhisigh.[2]

O Senchus é um documento relativamente curto, cerca de 70 ou 80 linhas dependendo da variante utilizada. Nele está anexado a Genelaig Albanensium que contém genealogias de Máel Coluim mac Cináeda e Causantín mac Cuilén, reis de Alba, e de Ainbcellach mac Ferchair e outros reis de Dál Riata.

A maioria das versões do Senchus segue o mito final das origens de Dál Riata começando com Eochaid Muinremar e os filhos de Erc, Fergus Mór entre eles.[3] A própria versão de Mac Fhirbhisigh do Senchus começa com os reis mitológicos, traçando Dál Riata para o Síl Conairi e Cairpre Riata (Rígfhota), filho de Conaire Mór e/ou Conaire Cóem, que pode ser o Reuda da Historia ecclesiastica gentis Anglorum de Beda.[4] A Genelaig Albanensium, e as genealogias similares no manuscrito Rawlinson B 502, fazem de Cairpre Riata um ancestral da décima ou décima quinta geração de Fergus Mór mac Eirc.[5]

O valor histórico do Senchus repousa em grande parte em suas últimas seções, que incluem reis históricos de Dál Riata - o mito pode terminar e a história começar no reinado de Conall mac Comgaill no meio do século VI.[6] O último rei que pode ser identificado nas genealogias contidas no próprio Senchus é Conall Crandomna, que morreu por volta de 660.[7]

O Senchus lista as divisões de Dál Riata—o Cenél nGabráin, o Cenél Loairn, e o Cenél nÓengusa— e as suas obrigações por serviço militar, aparentemente no momento em que o Cenél Comgaill permanecia parte do Cenél nGabráin.[8] Estas divisões não precisam ser de grande antiguidade,[9] e as listas fornecidas não estão sem problemas.[10] O Senchus não lista as tribos ou as obrigações militares para as terras da Irlanda, se houvesse, poderia ter feito parte de Dál Riata. Uma característica curiosa do Senchus é a presença de Airgíalla nas terras do Cenél Loairn. Não é claro se estes representam os colonos da Irlanda, ou simplesmente pessoas a quem o rótulo de "novos clientes" foi aplicado.[11]

Notas

  1. Bannerman, Studies in the History of Dalriada (Edimburgo, 1974), p. 39.
  2. Bannerman, Studies, pp. 27–34.
  3. Bannerman, Studies, 47.
  4. Bannerman, Studies, p. 44 & pp. 122–124; Bede, Historia ecclesiastica gentis Anglorum, I, c. 1.
  5. Bannerman, Studies, p. 65: décima geração se Cairpre estiver colocado corretamente, décima quinta geração se Conaire Mor estiver colocado corretamente.
  6. Sharpe, "The thriving of Dalriada", p.51.
  7. Bannerman, Studies, pp. 103–104.
  8. Bannerman, Studies, p. 110.
  9. Sharpe, "The thriving of Dalriada", p. 59, presume que tal (re)segmentação de linhagens não ocorreu.
  10. Bannerman, Studies, pp. 108ff.
  11. Bannerman, Studies, pp. 115–118.

Referências

  • Anderson, Alan Orr, Early Sources of Scottish History A.D. 500 to 1286, volume one. Reimpresso com correções, Stamford: Paul Watkins, 1990. ISBN 1-871615-03-8
  • Bannerman, John, Studies in the History of Dalriada. Edimburgo: Scottish Academic Press, 1974. ISBN 0701120401
  • Sharpe, Richard, "The thriving of Dalriada" em Simon Taylor (ed.), Kings, clerics and chronicles in Scotland 500–1297. Dublin: Four Courts, 2000. ISBN 1-85182-516-9

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]