Sociedade pós-industrial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Sociedade pós-industrial, no contexto da evolução sociocultural, é o nome proposto para uma economia que passou por uma série de mudanças específicas, após o processo de industrialização. O conceito foi introduzido pelo sociólogo e professor emérito da Universidade de Harvard Daniel Bell na sua obra The Coming of Post Industrial Society: A Venture in Social Forecasting de 1973.

Tais sociedades são frequentemente marcadas por:

  • Um rápido crescimento do setor de serviços, em oposição ao manufaturado
  • Um rápido aumento da tecnologia de informação, frequentemente levando ao termo era da informação.
  • Conhecimento e criatividade tornam-se as matérias cruciais de tais economias.

O surgimento dos métodos de racionalização do trabalho com base nos princípios da Administração Cientifica (Taylor, 1911) caracterizado pelo paradigma taylorista/fordista de organização do trabalho, tendo em como base técnica da produção os processos mecanizados característica da era industrial, verificando-se o esgotamento destes paradigmas devido ao desenvolvimento dos princípios de organização da produção da microelectrónica. A sociedade pós-industrial formada por três esferas distintas social, politica e cultural (Bell,1973), onde o axial principal é a tecnologia tem como principal actividade o processamento de informação com base nas Telecomunicações e computação e tem como princípios o valor - conhecimento em contraponto com o valor - trabalho da era industrial. A centralidade do conhecimento teórico assim como as inovações tecnológicas e expansão do sector dos serviços do trabalho torna o trabalho intelectual mais frequente e importante que a simples execução de tarefas. Estas mudanças profundas na organização trabalho origina mudanças estruturais profundas na cultura, politica e economia de uma sociedade (Tofler, 1973). )

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Trabalho Cultura e Competências na Contemporaneidade: Do conhecer ao Saber-se" Marisa Nogueira Ramos
  • Revolução "A Era Pós-Industrial, a Sociedade do Conhecimento e a Edução para o Pensar" Elian Alabi Lucci