Terone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tumba de Terone

Terone, Teron ou ainda Têron (535 a.C.472 a.C.) foi tirano [Nota 1] de Acragas na Sicília de 488 a.C. até sua morte em 472 a.C.. Sogro de Gelão I, colaborou com este para a derrota dos cartagineses em Hímeras (480 a.C.). É celebrado por Píndaro em duas odes olímpicas. Ele reinou por dezesseis anos, e foi sucedido por seu filho Thrasydaeus.[1]

Invasão cartaginesa[editar | editar código-fonte]

Quando Amílcar I de Cartago desembarcou na Sicília com planos de conquistar a ilha,[Nota 2] [2] , a primeira cidade atacada foi Hímeras, defendida por Terone.[3] Terone enviou um pedido de socorro a Gelão I, tirano de Siracusa.[3]

A vitória de Gelão I foi tão completa, contra um inimigo bem mais numeroso, que serviu até como inspiração para os gregos que, ao mesmo tempo, estavam lutando contra a invasão da Grécia por Xerxes; mas enquanto que no caso das Guerras Médicas tanto o rei quanto a maior parte do exército persa conseguiu voltar para casa, a totalidade dos cartagineses, incluindo seu general, foram mortos.[4]


Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Terone devolveu os ossos de Minos para Creta.[5] Minos havia sido enterrado por seus companheiros,[6] após ter sido assassinado por Cócalo, rei da Sicília,[7] pois Cócalo não quis entregar Dédalo para Minos.[8]

Notas e referências

Notas

  1. O termo tirano, que hoje tem uma conotação pejorativa, na Grécia Antiga apenas significava a forma de tomada de poder, normalmente uma troca de uma oligarquia por um governo despótico individual. Diodoro Sículo chama Terone de tirano e déspota, mas o cobre de elogios
  2. Diodoro Sículo sugere que havia uma aliança entre Cartago e a Pérsia, e que a parte de Cartago na guerra era conquistar a Sicília

Referências

  1. Diodoro Sículo, Livro XI, 53.1
  2. Diodoro Sículo, Livro XI, 20.1
  3. a b Diodoro Sículo, Livro XI, 20.5
  4. Diodoro Sículo, Livro XI, 23.2
  5. Diodoro Sículo, Livro IV, 79.4
  6. Diodoro Sículo, Livro IV, 79.3
  7. Diodoro Sículo, Livro IV, 79.2
  8. Diodoro Sículo, Livro IV, 79.1

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Sir Paul Harvey (compilação). Dicionário Oxford de Literatura Clássica Grega e Latina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987. 85-85061-72-3.
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

A morte de Minos na Sicília (it.)