Dédalo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dédalo e Ícaro.

Dédalo (em grego: Δαίδαλος, transl. Daídalos; em latim: Daedalos; em etrusco: Taitale) é uma personagem da mitologia grega, natural de Atenas e descendente de Erecteu[1] .

Notável arquitecto e inventor, cuja obra mais famosa é o labirinto que construiu para o rei Minos, de Creta, aprisionar o Minotauro[2] , monstro filho de sua mulher[3] .

Mito, segundo Diodoro Sículo[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Dédalo nasceu em Atenas, sendo filho de Metion, filho de Eupalamus, filho de Erecteu.[4] Ele tinha um sobrinho chamado Perdiz, filho de sua irmã,[5] e um filho chamado Ícaro.[6]

Carreira de inventor[editar | editar código-fonte]

Em seus primeiros anos a vida do arquitecto Dédalo foi um ato de descobrimento dos materiais, formas, volume e do próprio espaço[1] [4] [7]

O assassinato de Perdiz[editar | editar código-fonte]

Certa vez, Dédalo estava ensinando tudo o que sabia para seu sobrinho Talos[Nota 1] [5] Talos então inventa a roda do oleiro e o serrote de ferro.[8] Dédalo, com inveja, assassina-o[9] , é descoberto e condenado,[10] e foge para Creta.[11]

Em Creta[editar | editar código-fonte]

Em Creta, Dédalo se torna amigo do rei Minos,[Nota 2] mas ajuda Pasífae a se disfarçar de vaca para ser possuída pelo touro de Posidão[11] . Desta relação nasce o Minotauro.[3]

Dédalo, em seguida, constroi o labirinto de Creta, para conter o minotauro.[2]

Fuga de Creta[editar | editar código-fonte]

Dédalo tinha um filho, Ícaro.[6] Quando Minos descobriu que Dédalo tinha feito a vaca para Pasífae, este fugiu de Creta, com a ajuda de Pasífae.[12] Ícaro fugiu com Dédalo, mas morreu em um acidente naval na ilha que passou a se chamar Icária.[6] Dédalo se refugia na Sicília, na corte do rei Cócalo.[6]

Diodoro apresenta a versão alternativa de que Dédalo fugiu de Creta voando: com seu engenho inigualável, constrói para si e para o filho dois pares de asas de penas, ligadas com cera, para fugirem.[13] Ícaro, deslumbrado com a beleza do firmamento, sobe demasiado e o Sol derrete a cera de suas asas, precipitando-o nas águas do mar Egeu, enquanto Dédalo consegue chegar à Sicília.[14] Diodoro Sículo comenta que ele não acredita muito nesta versão, mas não poderia deixar de mencionar este mito.[14]

Dédalo na Sicília[editar | editar código-fonte]

Dédalo passou um bom tempo trabalhando para o rei Cócalo, construindo várias maravilhas.[15]

Minos, porém, quando soube que Dédalo tinha se refugiado na Sicília, e sendo o senhor dos mares, resolveu fazer uma campanha contra a ilha.[16] Desembarcando com uma grande força na ilha, no local chamado a partir de então de Minoa, Minos demandou de Cócalo que entregasse Dédalo para ele ser punido.[16] Cócalo, porém, trouxe Minos como convidado ao seu palácio, e assassinou Minos durante o banho, fervendo-o em água quente.[17] Cócalo devolveu o corpo de Minos aos cretenses, dizendo que ele tinha se afogado no banho;[17] os cretenses o enterraram na Sicília,[18] no lugar onde mais tarde foi fundada a cidade de Acragas (atual Agrigento), e lá ficaram até que Terone, tirano de Acragas, devolveu seus ossos para os cretenses.[19]


Notas e referências

Notas

  1. Os autores antigos divergem sobre o nome do sobrinho de Dédalo. Algumas versões o chamam de Talos/Calos, e outras de Perdix. Ver, por exemplo, Higino, Fabulae, CCXLIV, Homens que mataram seus parentes, em que o nome do sobrinho é Perdix
  2. Segundo Diodoro Sículo, houve dois reis de nome Minos; este seria o segundo Minos, filho de Licasto, filho do primeiro Minos, filho de Zeus

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

A morte de Minos na Sicília (it.)