The Adventure of the Copper Beeches

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
The Adventure of the Copper Beeches
As Faias Cor de Cobre (BR)
The Copper Beeches Museum.jpg
The Copper Beeches no The Sherlock Holmes Museum
Autor (es) Arthur Conan Doyle
Idioma inglês
País Reino Unido
Género romance policial
Série The Adventures of Sherlock Holmes
Linha de tempo da história Século XIX
Espaço onde decorre a história Londres
Editora Strand Magazine
Lançamento Junho de 1892
Edição portuguesa
Edição brasileira
Editora Melhoramentos
Lançamento 1998
ISBN 8506030919
Cronologia
Último
Último
The Adventure of the Beryl Coronet
Silver Blaze
Próximo
Próximo

The Adventure of the Copper Beeches(As Faias Cor de Cobre) é uma novela policial de Sir Arthur Conan Doyle protagonizada por Sherlock Holmes e Dr. Watson, foi publicada pela primeira vez, na Strand Magazine em Junho de 1882 com 9 ilustrações de Sidney Paget

Enredo[editar | editar código-fonte]

A Srta. Violet Hunter, foi contratada para um emprego aparentemente bom na casa do Sr. Rucastle, mas que se tornou muito suspeito, por um salário de £120, Violet teria apenas de cortar seus longos cabelos e servir de babá a uma criança, porém aos poucos o serviço ficou estranho, Violet parecia estar encenando um papel. Foi para pedir um conselho que Violet procurou Holmes, ela só não imaginava que...[1]

Ilustrações[editar | editar código-fonte]

Frases marcantes[editar | editar código-fonte]

"— Para o homem que segue a arte por amor à própria arte, é freqüentemente das suas manifestações menos importantes e mais simples que deriva o maior prazer — observou Sherlock Holmes, pondo de lado a página de anúncios do Daily Telegraph. — É agradável para mim observar, Watson, que você compreendeu, tanto quanto possível, essa verdade naquelas pequenas narrativas dos nossos casos, que tão bondosamente vem colecionando e ampliando com um pouco de fantasia. Você tem salientado não somente as causes célebres e julgamentos sensacionais em que tomei parte, como também aqueles incidentes em si mesmo triviais, mas que têm permitido o exercício das faculdades de dedução e de síntese lógica de que tenho feito o meu especial trabalho."(...)[Sherlock Holmes para Dr. Watson]

"— Não, não é egoísmo, nem presunção — disse ele, respondendo mais aos meus pensamentos do que às minhas palavras, como era seu costume. — Se exijo inteira justiça à minha arte, é por tratar-se, precisamente, de coisa impessoal... uma coisa à parte de mim. O crime é comum. A lógica é rara, e portanto você deve salientar mais a lógica do que o crime. Você põe ao nível de uma simples sucessão de historietas o que deveria ter sido uma série de conferências."(...)[Sherlock Holmes para Dr. Watson]

"— Confesso que não gostaria que uma irmã minha aceitasse um emprego desses."(...)[Sherlock Holmes para Violet Hunter]

""Dados! Dados! Preciso de dados! Não posso fazer tijolos sem barro!"(...)[Sherlock Holmes para Violet Hunter]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sherlock Holmes:A Coroa de Berilos e Outras Aventuras, Editora Melhoramentos, 1998, ISBN 8506030919
Ícone de esboço Este artigo sobre Sherlock Holmes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.