Tipos de decks de Magic: The Gathering

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os tipos de decks de Magic: The Gathering podem ser obtidos combinando-se as cores tem-se os chamados decks Dourados. Entre outras podem ser observadas em decks de Fractius, por exemplo, onde terrenos duplos(são terrenos que podem ser usados para gerar mais de um tipo de terreno entre floresta, planicie, montanha, pantano e ilha) são bem empregados no lugar de terrenos comuns.

Todas as cores possuem pontos fracos e fortes, numa tentativa de manter o jogo equilibrado para todos os jogadores, não importando qual a cor das cartas nos seus decks.

No verso das cartas existe um pentágono formado por cinco bolinhas coloridas, representando as cinco cores de magic. A distribuição das cores na “roda das cores” segue a lógica que cada cor é complementar às cores vizinhas e inimiga das cores que estão do lado oposto. Assim o branco é aliado do azul e do verde, mas é inimigo do preto e do vermelho. O azul é aliado do branco e do preto, mas é inimigo do verde e do vermelho. O preto é aliado do azul e do vermelho, mas é inimigo do verde e do branco. O vermelho é aliado do preto e do verde, mas é inimigo do branco e do azul. O verde é aliado do vermelho e do branco, mas é inimigo do preto e do azul.

O que não o impede de formular um deck com estratégia utilizando cartas de cores fora da lógica - muito utilizado para combinações após Fortaleza e Tempestade e intensificado no bloco de Ravnica.

Montagem de decks: o mínimo de cartas é de 40 (em formatos Limitados) ou de 60 (em formados Construídos). O limite de cópias de cada carta num deck é de quatro (apenas para Constructed; em Limited não há limitação para o número de cópias, porém, tendo em vista seu formato, decks com mais de quatro cópias da mesma carta em limitado tornaram-se possíveis apenas em Coldsnap) e não existe limite de cópias para terrenos básicos. Um deck pode conter todos os tipos de cartas que o jogador escolher a não ser que algum card ou regra especifique o contrário.

Um deck precisa ser equilibrado em termos de mana, contendo terrenos suficientes para pagar o custo das mágicas usadas no deck. Uma proporção muito comum é ter 1/3 do deck composto por terrenos mas é difícil acertar na quantidade de terrenos, que varia de acordo com a estratégia e custo das cartas usadas.

Um deck pode ser incolor (quando não se usa mana colorida para pagar pelos custos dos cards) ou ter até todas as cores juntas. A mistura delas torna mais difícil montar e pôr em prática uma estratégia, mas também torna a estratégia mais resistente contra o adversário.

Devido ao grande número de cartas especializadas em desmontar baralhos que se apoiam numa só cor ou combinaçao de cartas, é uma boa idéia formar baralhos multicolores com várias opções para ganhar o jogo. No entanto, baralhos de maior complexidade exigem um maior domínio do jogo. Por isso, é um bom negócio montar um deck de duas cores, pois o deck não se apóia em uma só cor, e ainda por cima não tem muitas cores.

Embora essa temática tenha sido usada ate hoje, o avanço em regras e mudança no ambiente do jogo nos leva a dizer que isso não é mais uma regra fixa.

Dica: Todo deck que queira ganhar o jogo deve possuir uma "mecânica", isto é, um método de se atingir o objetivo, mesmo que seja não possuir nenhuma específica, combinando uma grande variedade de opções estratégicas. Basicamente um deck composto de vários "pequenos combos" (combinações de cartas que se ajudam mutuamente) já será de enorme valia quando você não tiver a sorte de vir com as melhores cartas do seu deck. Se a grande estratégica dele não puder ser aplicada por falta de recursos (escassez de mana ou descarte de cards), uma boa combinação de duas ou três cartas já pode lhe dar o fôlego necessário para suportar por mais alguns turnos e tentar reagir. Existem também combos grandes, que dificultam demais que você perca o jogo. Exemplo: Cho-Manno + Pária: previne todo o dano que seria causado a você e a sua mina de magia.