Tumultos de Watts

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Edifícios em chamas durante os tumultos.

Os Tumultos de Watts (em inglês: Watts Riots)[1] foram destúrbios civis no distrito de Watts em Los Angeles, Califórnia, que duraram de 11 até 15 de Agosto de 1965. As revoltas de cinco dias resultaram em 34 mortes, 1,032 feridos, 3,438 prisões, e mais de $40 milhões em danos materiais. Foi o tumulto mais severo na história da cidade até os distúrbios de Los Angeles em 1992.

Incitamento[editar | editar código-fonte]

Na noite de quarta-feira, 11 de Agosto de 1965, Marquette Frye, um homem afro-americano de 21 anos, foi parado por um oficial de moto da California Highway Patrol chamado Lee Minikus sob suspeita de estar dirigindo embriagado. Minikus estava convencido de que Frye estava sob o efeito e passou um rádio para seu carro ser apreendido. O irmão de Marquette, Ronald, um passageiro no carro, caminhou até sua casa nas proximidades, trazendo sua mãe de volta com ele.[2] Policiais de apoio chegaram e tentaram prender Frye usando força física para dominá-lo. A medida que a situação se intensificava, multidões crescentes de moradores locais observando o intercâmbio começaram a gritar e a arremessar objetos nos policiais.[3] A mãe e o irmão de Frye lutaram com os oficiais e foram eventualmente presos junto com Marquette.[4] Após a prisão dos Frye, a multidão continuou a crescer. A polícia foi para a cena para tentar parar a multidão algumas vezes aquela noite, mas foram atacados por pedras e concreto.[5] Vinte e nove pessoas foram presas.[6]

O tumulto[editar | editar código-fonte]

Polícia prendendo um homem durante os tumultos.

Após uma noite de agitação crescente, polícia líderes negros da comunidade local realizaram uma reunião da comunidade na terça-feira, 12 de Agosto, para discutir um plano e para instar calma; a reunião falhou. Mais tarde naquele dia, o chefe da polícia de Los Angeles William H. Parker pediu a ajuda da Guarda Nacional do Exército da Califórnia.[6] A revolta se intensificou e na sexta-feira, 13 de Agosto, aproximadamente 2,300 homens da Guarda Nacional se juntaram a polícia tentando manter a ordem nas ruas. Aquele número cresceu para 13,900 na meia-noite de sábado, 14 de Agosto. O Sargento Ben Dunn disse que "As ruas de Watts lembravam uma total zona de guerra em algum país distante, não tinham nenhuma semelhança com os Estados Unidos da Ámerica." A lei marcial foi declarada e toque de recolher foi aplicado pela Guarda Nacional que colocaram um cordão de isolamento em uma vasta região de South Central Los Angeles.[7] Em adição a guarda, 934 oficiais da Polícia de Los Angeles e 718 oficiais do Departamento de Xerife do Condado de Los Angeles foram implantados durante a revolta.[6]

Edifícios de Empresas e Privados Edifícios Públicos Total
Danificado/queimado: 258 Danificado/queimado: 14 Total: 272
Saqueado: 192 Total: 192
Ambos danificado/queimado & saqueado: 288 Total: 288
Destruído: 267 Destruído: 1 Total: 268
Total: 977

Referências

  1. Watts Rebellion (Los Angeles, 1965) King Encyclopedia. Stanford University. Página visitada em November 23, 2011.
  2. Dawsey, Darrell. "To CHP Officer Who Sparked Riots, It Was Just Another Arrest", August 19, 1990. Página visitada em November 23, 2011.
  3. Abu-Lughod, Janet L. Race, Space, and Riots in Chicago, New York, and Los Angeles. New York: Oxford University Press, 2007.
  4. Walker, Yvette. Encyclopedia of African American History, 1896 to the Present: From the Age of Segregation to the Twenty-first Century. [S.l.]: Oxford University Press, 2008.
  5. Barnhill, John H.. In: Danver, Steven L.. Revolts, Protests, Demonstrations, and Rebellions in American History, Volume 3. [S.l.]: ABC-CLIO, 2011.
  6. a b c Violence in the City: An End or a Beginning?. Página visitada em 3 January 2012.
  7. A Report Concerning the California National Guard's Part in Supressing the Los Angeles Riot, August 1965.