Álvaro de Mendaña de Neira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Álvaro de Mendaña de Neira
Nascimento 1 de outubro de 1542
Congosto
Morte 18 de outubro de 1595 (53 anos)
Ilha Nendo, Ilhas Santa Cruz
Sepultamento oceano Pacífico
Cidadania Espanha
Cônjuge Isabel Barreto
Ocupação explorador, marinheiro, navegador

Álvaro de Mendaña de Neira ou Neyra (Congosto, Leão, 1 de outubro de 1542Ilhas Santa Cruz, Ilhas Salomão, 18 de outubro de 1595) foi um navegador espanhol que realizou duas expedições ao Oceano Pacífico descobrindo as Ilhas Salomão e as Marquesas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pouco se sabe sobre os anos iniciais de Álvaro. Alguns identificaram-no como galego, possivelmente de Neira, mas, segundo investigação mais recente, teria nascido em Congosto del Bierzo, Leão, na actual Espanha. O pai, Rodríguez, era da família Mendaña, e a mãe, Isabel de Neira, dos Castro, era irmã de Lope García de Castro. Mendaña de Neira embarcou para o Peru com o seu tio, em 1567, quando Garcia de Castro foi nomeado vice-rei do Peru. Em documentos da época é às vezes referido como usando o nome de Álvaro Rodríguez y Neira, sendo que em algumas ocasiões é identificado pelo nome de Mendaña y Castro.

Em 1567, ao lado de Pedro Sarmiento de Gamboa, partiu de Callao, no Peru, numa expedição ao Pacífico Sul em busca da lendária Terra Australis. A expedição resultou na descoberta da Ilha Wake e das Ilhas Salomão.

Pretendendo ficar com o crédito pelas descobertas, lançou ao mar os diários e mapas feitos por Pedro Sarmiento de Gamboa e abandonou-o no México. No entanto, Mendaña de Neira teve de enfrentar a oposição dos inimigos do seu tio, então já falecido. Após um julgamento em Lima, Gamboa recuperou o crédito pelas descobertas e escreveu a Felipe II de Espanha, pedindo-lhe que proibisse Mendaña de Neira de voltar às Ilhas Salomão. Ainda assim, o monarca ignorou o pedido e Mendaña de Neira efectuou uma segunda viagem ao arquipélago em 1595. Esta expedição foi patrocinada pelo então vice-rei do Peru, García Hurtado de Mendoza, Marquês de Cañete, influenciado pela esposa. Os navios contavam com cerca de quatrocentos passageiros, com as suas esposas e escravos, cujo objectivo era o de fundar uma colónia nas Ilhas Salomão que impedisse os piratas ingleses de encontrar algum refúgio no Pacífico que lhes permitisse atacar a costa americana ou as Filipinas. Acompanhavam-no a sua esposa Isabel de Barreto e três cunhados. Nesta viagem, cujo principal piloto era o português Pedro Fernandes de Queirós, Mendaña de Neira descobriu as Ilhas Marquesas, assim designadas em homenagem à esposa do vice-rei, a Marquesa de Cañete.

Mendaña de Neira veio a falecer de malária nesta viagem mas já havia delegado a sua autoridade à sua esposa, também conhecida por "Adelantada", que o acompanhava na expedição. Tomando a liderança, Isabel de Barreto navegou resolutamente até Manila, nas Filipinas, em Fevereiro de 1596. Veio a tornar-se conhecida como a única "Almirante do Mar Oceano" que alguma vez comandou na marinha espanhola.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Miriam Estensen, Terra Australis Incognita, Allen & Unwin 2006

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]