Índigo (escritora)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2010)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Ana Cristina Ayer de Oliveira
Pseudônimo(s) Índigo
Nascimento 29 de agosto de 1971 (46 anos)
Campinas
Nacionalidade Brasil Brasileira
Ocupação Escritora

Índigo (29 de agosto de 1971, Campinas, São Paulo) é o pseudônimo Ana Cristina Ayer de Oliveira escritora brasileira de literatura infanto-juvenil.

Formação[editar | editar código-fonte]

Durante boa parte de sua vida estudou na escola Dom Barreto, um colégio católico em sua cidade-natal. Segundo várias entrevistas que deu, sua experiência por lá não foi muito boa. Julgava tudo ali muito "medieval". Formou-se em jornalismo pela Universidade do Estado de Minnesota, nos Estados Unidos, conhecida também como Mankato. Entretanto, nunca exerceu a profissão por falta de interesse com aquilo que ela mesma chama de "informações reais, objetivas e factuais".

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a publicar seus contos na Internet em 1998 e, desde então, ganhou o pseudônimo supracitado. Alguns anos depois, em 2001, deixou a agência de publicidade onde estava trabalhando para se dedicar à carreira literária.

Como ainda não tinha feito nada profissional, resolveu começar oferecendo seus serviços como escritora particular, distribuindo pela cidade de São Paulo 500 cartazes que diziam "Contrate uma Escritora/Originalidade Garantida".

A jogada funcionou e Índigo começou a receber vários convites de trabalho, como para fazer vinhetas para a MTV, roteiros de animação para o Cinemágico da Disney e curtas-metragens. Em pouco tempo, já estava sendo entrevistada pelo apresentador Jô Soares.

Escritora[editar | editar código-fonte]

Em 2005, começou a escrever contos no caderno de temática infantil da Folha de S.Paulo, a Folhinha, afirmando, assim, sua preferência para com as crianças.

Já em 2006, o Ministério da Educação concedeu a ela o prêmio Literatura para Todos pelo seu livro Cobras em Compota. Grande parcela das escolas públicas do país recebeu os 300 mil exemplares desta sua obra à época.

Atualmente, tem 24 livros publicados, além de participações em coletâneas, traduções e adaptações de clássicos para histórias em quadrinho. Também mantém um blog, no endereço http://livrosdaindigo.com.br.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Obras Literárias

  • Saga Animal, Editora Hedra, 2001; Editado também na Itália, com o título de Voglio un Cucciolo! (tradução de Patrizia Di Malta), Ed. Giunti Junior, 2008.
  • Festa da Mexerica, Editora Hedra, 2003;
  • Caixinha de Madeira, Editora Altana, 2003;
  • Belo Horizonte e a Invasão de Zurungh-Xilih, Editora Alaúde, 2005;
  • O Segredo do Vô Juvêncio, Editora Escala Educacional, 2006;
  • Como Casar com André Martins, Editora Girafinha, 2006;
  • Cobras em Compota, vencedor do concurso Literatura para Todos. Editado pelo MEC, 2006;
  • O Livro das Cartas Encantadas, Editora Brinque Book, 2007;
  • Um Dálmata Descontrolado, Editora Hedra, 2007;
  • Coleção Costurando Histórias (cinco livros), Editora Girafinha, 2008.
  • Moscas Metálicas, Editora Escala Educacional, 2008;
  • O Colapso dos Bibelôs, Editora Moderna, 2008;
  • Amizade Improvável, com Ivana Arruda Leite e Maria José Silveira, Editora Ática, 2008;
  • Vendem-se Unicórnios, Editora Ática, 2009;
  • Gagá: Memórias de Uma Mente Pirilampa, Editora Scipione, 2010;
  • A Maldição da Moleira, Editora Moderna, 2012;
  • Perdendo Perninhas, Editora Scipione, 2012;
  • O Aniversário do Dinossauro, Editora Dedo de Prosa, 2012.
  • Casal Verde, Editora Caramelo, 2013.
  • Um Pinguim Tupiniquim, Editora Manati, 2013.

Participações em Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • 25 Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura Brasileira, organizado por Luiz Ruffato, Editora Record, 2004;
  • Os Cem Menores Contos do Século, org. por Marcelino Freire, Editora Ateliê Editorial, 2004;
  • Uma Antologia Bêbada - Fábulas da Mercearia, org. por Joca Reiners Terron, Editora Ciência do Acidente, 2004.
  • Histórias Femininas, org. por Adilson Miguel e Bruna Beber. Editora Scipione, 2011.
  • Meu filho pato - E mais contos sobre aquilo de que ninguém quer falar. Org. Ilan Brenman. Editora Companhia das Letrinhas, 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]