Þrymskviða

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Þrymskviða
Thor vestido de "noiva"
O poema de Thrym. A canção de Thrym
Parte de:
Edda poética
Portal da Mitologia nórdica

Þrymskviða ou Thrymskvida (O Poema de Thrym ou A canção de Thrym) é um dos poemas mais conhecidos do Edda em verso, onde é contado como o gigante Thrymr rouba o martelo de Thor, para depois pedir a deusa Freia em troca. [1][2][3] O mito nórdico se mantém popular na Escandinávia e continuou sendo transmitido por poesia e música até o século XIX. [4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O gigante Þrymr rouba o martelo de Thor, o Mjölnir, e exige Freya como pagamento, desejando a deusa como sua esposa. Ao invés dela, os Æsir vestem Thor como noiva e Loki como dama-de-honra, e os dois se dirigem a Jotunheim para o "casamento". A identidade de Thor acaba se tornando evidente com o passar da cerimônia, como no momento em que come sozinho um boi inteiro; Loki é forçado a prover desculpas para as atitudes incomuns da "noiva", que são aceitas pelos gigantes. O Mjölnir acaba nas mãos de Thor como parte da cerimônia, permitindo ao deus matar todos os gigantes e retornar para casa. [5]

Referências

  1. «Thrymskviða» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 4 de maio de 2014 
  2. «O Poema de Thrym». Nórdico Antigo. Consultado em 4 de maio de 2014 
  3. Yuri Fabri Venancio. «O POEMA DE ÞRYMR – extraída do manuscrito islandês Codex Regius da EddaPoética». Consultado em 20 de novembro de 2020. O conteúdo do poema mostra como os deuses nórdicos Þórr e Loki, vestidos respectivamente de noiva e de criada, conseguiram resgatar o martelo do primeiro, que foi roubado por Þrymr, o senhor dos gigantes. 
  4. «Hammarhämtningen» (em sueco). Heimskringla. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  5. «O Poema de Thrym». Nórdico Antigo. Consultado em 4 de maio de 2014 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Þrymskviða