130 Electra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Electra
130Elektra (Lightcurve Inversion).png
Um modelo tridimensional de Electra 130 com base na sua curva de luz.
Número 130
Data da descoberta 17 de fevereiro de 1873
Descoberto por C.H.F. Peters
Categoria Cinturão principal
Homenagem a Electra
Precedido por 129 Antigone
Sucedido por 131 Vala
Elementos orbitais
Semieixo maior 3,123 UA
Perélio 2,468 UA
Afélio 3,782 UA
Excentricidade 0,210
Período orbital 2017,954 d (5,52 a)
Velocidade orbital 16,66 km/s
Anomalia média 58,11 °
Inclinação 22,838°
Longitude do nó ascendente 145,4 °
Argumento do periastro 235,7 °
Satélites S/2003 (130) 1
S/2014 (130) 1
S/2014 (130) 2
Características físicas
Dimensões 215×155 ± 12[1][2] km
Magnitude absoluta 7,12[2]

130 Electra é um grande asteroide localizado no exterior do cinturão principal. Ele possui uma magnitude absoluta de 7,12[2] e um diâmetro estimado de 215×155 ± 12 quilômetros.[2][1] Electra é o único asteroide conhecido a ter três satélites naturais.

Descoberta e nomeação[editar | editar código-fonte]

Esse asteroide foi descoberto no dia 17 de fevereiro de 1873 pelo astrônomo dinamarquês Christian Heinrich Friedrich Peters, e posteriormente nomeado de Electra, uma personagem vingadora da mitologia grega.[3]

Características físicas e orbitais[editar | editar código-fonte]

O seu espectro é do tipo G, por conseguinte, é provável que exista uma composição semelhante a de Ceres. Assinaturas espectrais de compostos orgânicos foram detectados na superfície da Electra.

No final de 1990, um grupo de astrônomos em todo o mundo reuniram dados da curva de luz que acabou por ser utilizados para obter os estados e modelos de forma de 10 novos asteroides, incluindo (130) Electra. A curva de luz de 130 Electra forma uma sinusoide dupla enquanto que o modelo de forma é alongada e o eixo de rotação derivado é perpendicular ao plano da elíptica.

Observações óticas tem encontrado um satélite desse asteroide. Uma vez que a órbita é conhecida, a massa de Electra pode ser medida de forma confiável. O valor de 6.6×1018 kg indica uma densidade de 1.3 ± 0.3 g/cm3. Observações óticas também determinaram que a forma de Electra é bastante irregular, bem como dando indicações de diferenças de albedo de 5-15% sobre a sua superfície.

Satélites[editar | editar código-fonte]

Em 2003, uma pequena lua de Electra foi detectada usando o telescópio Keck II. O diâmetro do satélite é de 4 km e orbita a uma distância de cerca de 1170 km. O satélite recebeu a designação provisória de S/2003 (130) 1. Devido a apenas algumas observações, até à data, a sua órbita é ainda relativamente pouco conhecida.[4] Em 17 de dezembro de 2014 foi anunciada a descoberta de mais dois satélites provavelmente ainda menores. Estes satélites foram nomeados provisoriamente de S/2014 (130) 1 e S/2014 (130) 2.[3]

Referências

  1. a b «PDS node spin vector database» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  2. a b c d «Supplemental IRAS Minor Planet Survey» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  3. a b «Data on (130) Elektra from Johnston's archive» (em inglês). Consultado em 16 de junho de 2014 
  4. «130 Elektra and S/2003 (130) 1], orbit data website maintained by F. Marchis» (em inglês). Consultado em 16 de junho de 2014. Arquivado do original em 24 de julho de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

128 Nêmesis | 129 Antigone | 130 Electra | 131 Vala | 132 Etra