142 Polana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Polana
Número 142
Data da descoberta 28 de janeiro de 1875
Descoberto por Johann Palisa
Categoria Cinturão principal
Homenagem a Pula
Precedido por 141 Lumen
Sucedido por 143 Adria
Elementos orbitais
Semieixo maior 2,419 UA
Periélio 2,087 UA
Afélio 2,747 UA
Excentricidade 0,1365
Período orbital 1372,9 d (3,76 a)
Anomalia média 36,19 °
Inclinação 2,237°
Longitude do nó ascendente 291,3 °
Argumento do periastro 291,9 °
Características físicas
Dimensões 55,3 ± 1,6[1] km
Magnitude absoluta 10,27[2]

142 Polana é um asteroide muito escuro situado no cinturão de asteroides. Ele é um importante membro da chamado família Polana, que é um subgrupo da família Nysa.[3] 142 Polana possui uma magnitude absoluta de 10,27,[2] um diâmetro estimado de 55,3 ± 1,6 km e um baixo albedo de 0,045.[1]

Descoberta e nomeação[editar | editar código-fonte]

142 Polana foi descoberto no dia 28 de janeiro de 1875 pelo astrônomo Johann Palisa. Esse asteroide foi nomeado em homenagem a cidade de Pola (atual Pula, Croácia), cidade na qual estava localizado a sede do Observatório Naval Austríaco onde o astrônomo fez a descoberta.[2]

Características orbitais[editar | editar código-fonte]

A órbita de 142 Polana tem uma excentricidade de 0,1365 e possui um semieixo maior de 2,417 UA. O seu periélio leva o mesmo a uma distância de 2,087 UA em relação ao Sol e seu afélio a 2,747 UA.[2]

Ressonância com Marte[editar | editar código-fonte]

Polana está em uma ressonância orbital de 1:2 com o planeta Marte, o que significa que Polana orbita o Sol uma vez a cada duas órbitas concluídas por Marte. Esta ressonância ajuda a proteger o asteroide da erosão orbital: as excentricidades das órbitas dos asteroides ressonantes são claramente maiores do que as dos asteroides não ressonantes. Existem cerca de 1500 asteroides neste ressonância, e a ressonância entre Polana e Marte vai se reforçar ao longo dos próximos milhões de anos devido a transição de Polana para um forte período de libração com Marte.[4]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Lazzarin, M.; Barbieri, C.; Barucci, M. A. (dezembro de 1995). «Visible Spectroscopy of Dark, Primitive Asteroids». Astronomical Journal. 110: 3058. Bibcode:1995AJ....110.3058L. doi:10.1086/117747 
  2. a b c d «JPL Small-Body Database Browser: 142 Polana» (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  3. Cellino, A.; et al. (agosto de 2001). «The Puzzling Case of the Nysa-Polana Family» 2 ed. Icarus. 152: 225–237. Bibcode:2001Icar..152..225C. doi:10.1006/icar.2001.6634 
  4. «A New Dynamical Population of Asteroids» (PDF) (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

140 Siwa | 141 Lumen | 142 Polana | 143 Adria | 144 Vibilia