A Última Ceia (Salvador Dalí)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
La Última Cena
Autor Salvador Dalí
Data 1955
Técnica Óleo sobre tela
Dimensões 167  × 268 
Localização Galeria Nacional de Arte
Estados Unidos Washington

A Última Ceia é uma obra realizada por Salvador Dalí de 1955. A pintura é óleo sobre tela e mede 167 cm de altura e 268 de largura. Atualmente, o quadro está disponível na Galeria Nacional de Arte de Washington DC [1]. Essa obra causou polêmica quando apresentada ao público, pois a imagem de Dalí como artista irreverente e provocador não combinava com o tema religioso.

Alguns críticos a denunciaram como banal, enquanto outros acreditam que Dalí conseguiu dar mais vida à imagem tradicional da devoção. Vestidos de branco e reunidos numa sala envidraçada, Jesus e seus doze apóstolos estão em torno de uma grande mesa que disponibiliza o simbólico pão e vinho. Além de Cristo ter uma composição luminosa mais e radiante que os outros personagens, o artista se inspirou em sua esposa, Gala Dalí, para fazer a anatomia da religiosa. Já os apóstolos possuem construção sólida, responsável pelo contraste entre o humano e o sagrado.[2]

Sobre a cena, paira misteriosamente a colossal imagem de um homem com os braços abertos, como se abençoasse o grupo ali reunido, o observador apenas enxerga o peitoral da figura que é referente ao próprio autor. A pintura, de cunho religioso, representa a fase espiritual da vida de Dalí. [2]

Diferente da também famosa pintura de Leonardo da Vinci, os doze apóstolos do artista espanhol têm as cabeças baixas com um semblante e posição penitente e Cristo tem as mão elevadas.[2]

Sobre a obra[editar | editar código-fonte]

Salvador Dalí trabalha de forma simbólica o número doze em A Última Ceia. Além dos doze apóstolos, há doze pentágonos compondo o dodecaedro responsáveis pelo fundo da pintura. Mais adiante, a cena também teria acontecido às doze horas e doze minutos. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre pintura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b DE PAULA, SANTOS, LEITE, EISENBACH, SOSSAI, ROSSETTO, PADUIM, Carlos Alberto, Marcelo Cabarrão, Maysa Nara, Sonia Maria, Tania Regina, Viviane (2007). Arte - Ensino médio. Curitiba: Icone Audiovisual Ltda. 74 páginas 
  2. a b c de Paula, Leandro Raphael Nascimento. «A Última Ceia» (PDF). Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação VI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Norte – Belém – PA. Consultado em 24 de setembro de 2017