A Brasileira de Prazins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Brasileira de Prazins
Autor(es) Camilo Castelo Branco
Idioma Português
País  Portugal
Assunto Guerras liberais, patriotismo
Género Romance
Localização espacial Prazins, Guimarães
Editora Ernesto Chardron
Lançamento 1882

A Brasileira de Prazins é o título de um romance de Camilo Castelo Branco concluído em 1882 e iniciado três anos antes.

É considerado o último grande romance do autor, já profundamente influenciado pelo realismo, mas sem o intuito satírico que existe em Eusébio Macário. Teve uma única edição em vida do autor, publicado por Ernesto Chardron.

Resumo da obra[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O livro começa com o autor a descrever num prólogo como lhe veio parar às mãos uma carta desesperada escrita por uma jovem, a Marta de Prazins a José Dias, o homem que ama e que está a morrer. O autor recorre então a um conhecido que lhe relata a história.

O romance em si conta duas histórias. Após introduzir as personagens que vão ser centrais na segunda parte do livro, este passa a centrar-se na história de um falso D. Miguel que se esconde na casa de um padre minhoto, em Calvos. Deste modo Camilo procura dar ao leitor um retrato das condições sociais, políticas e económicas do Minho no período pós-Lutas Liberais.

A segunda parte do livro conta a história de Marta e do seu amor por José Dias, e como ela acaba conhecida como a brasileira de Prazins.

Personagens[editar | editar código-fonte]

2ª Parte (capítulos I a III e XIII a XX)[editar | editar código-fonte]

  • Marta de Prazins - rapariga de Prazins
  • José Dias- paixão de Marta. Filho de um lavrador rico, é um estudante que abandonara os estudos no seminário devido à sua fragilidade física
  • Mãe de José - não consente o casamento entre Marta e José
  • Simeão - pequeno lavrador ganancioso, pai de Marta
  • Zeferino - pedreiro muito trabalhador que rejeita Marta
  • Tio Feliciano - tio de Marta, magro, maduro e avarento, voltou rico do Brasil
  • Falso D. Miguel - representado por Veríssimo Borges

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Juntamente com O Retrato de Ricardina foi a base para a série televisiva portuguesa Ricardina e Marta produzida pela RTP.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.