A Farça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Farça
Sede Lisboa  Portugal
Fundação 1909
Proprietário Tomás de Alvim
Idioma Português europeu
Término de publicação 1910

A Farça foi um quinzenário de cariz humorístico, publicado entre dezembro de 1909 e abril de 1910, dirigido por Veiga Simões e Luís Filipe (Gonzaga Pinto Rodrigues) ainda que o seu proprietário seja Tomás de Alvim. O título A Farça sugere a falsidade e mentira em que, de acordo com os seus redatores, vive a sociedade portuguesa, tratando-se, pois, de um género de imprensa crítica, que procura fazer chegar as suas mensagens através de desenhos humorísticos. É importante salientar que A Farça é uma das primeiras publicações periódicas portuguesas a utilizar pinturas modernistas na sua ilustração, destacando-se os nomes de Luís Filipe (1887-1949), Cristiano Cruz, Clementina Carneiro de Moura e Correia Dias a quem se juntam Cristiano de Carvalho, Cerveira Pinto, M. Pacheco. Quanto à colaboração literária, na lista constam os nomes de: Ramada Curto, Veiga Simões, Ana de Castro Osório, António Arroio, Augusto Gil, Brito Camacho, Hipólito Raposo, António Sardinha e Afonso Lopes Vieira.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. João Alpuim Botelho. «Ficha histórica: A Farça» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.