Augusto Gil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Augusto Gil
Nome completo Augusto César Ferreira Gil
Data de nascimento 31 de julho de 1873
Local de nascimento Lordelo do Ouro, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Data de morte 26 de fevereiro de 1929 (55 anos)
Local de morte Guarda, Portugal
Ocupação Advogado e poeta
Magnum opus Alba plena

Augusto César Ferreira Gil (Lordelo do Ouro, 31 de julho de 1873 - Guarda, 26 de fevereiro de 1929) advogado e poeta português, viveu praticamente toda a sua vida na Cidade da Guarda onde colaborou e dirigiu alguns jornais locais.

Augusto Gil passou a maior parte da sua vida na mais alta cidade de Portugal, Guarda, a "sagrada Beira", de cuja paisagem encontramos reflexos em muitos dos seus poemas e de onde os pais eram oriundos. Aqui fez os primeiros estudos, frequentou, depois, o Colégio de S. Fiel em Louriçal do Campo, após o que regressou à Guarda, mais tarde formou-se em Direito na Universidade de Coimbra.

Começou a exercer advocacia em Lisboa, tornando-se mais tarde director-geral das Belas-Artes. Na sua poesia notam-se influências do Parnasianismo e do Simbolismo. Influenciado por Guerra Junqueiro, João de Deus e pelo lirismo de António Nobre, a sua poesia insere-se numa perspectiva neo-romântica nacionalista.

O seu nome consta na lista de poetas colaboradores do quinzenário A Farça [1] (1909-1910) e na revista As Quadras do Povo [2] (1909).

Algumas das suas obras[editar | editar código-fonte]

Poesias
  • Musa Cérula (1894) (eBook)
  • Versos (1898)
  • Luar de Janeiro (1909) (eBook)
  • O Canto da Cigarra (1910)
  • Sombra de Fumo (1915)
  • O Craveiro da Janela (1920)
  • Avena Rústica (1927)
  • Rosas desta Manhã (1930).
  • A balada de neve (1909)
Crónicas
  • Gente de Palmo e Meio (1913).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. João Alpuim Botelho. «Ficha histórica: A Farça» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 17 de fevereiro de 2016. 
  2. Helena Roldão (03 de outubro de 2012). «Ficha histórica: As Quadras do Povo (1909).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 31 de março de 2015. 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.