A Yorkshire Tragedy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Yorkshire Tragedy (Uma Tragédia de Yorkshire, em tradução literal) é uma peça da era jacobita, uma tragédia doméstica impressa em 1608 e ambientada no condado de Yorkshire, Inglaterra. Originalmente, a peça foi atribuída a William Shakespeare, mas o consenso crítico moderno rejeita essa atribuição e favorece o nome de Thomas Middleton para essa colocação.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

A Yorkshire Tragedy foi incorporada em Stationer's Register em Londres em 2 de Maio de 1608; a entrada assina a peça a "Wylliam Shakespeare". A peça foi publicada logo após, em um documento emitido pelo livreiro Thomas Pavier, que também tinha publicado Sir John Oldcastle, outra peça da lista de textos apócrifos de Shakespeare.

Forma e gênero[editar | editar código-fonte]

A peça é incomum em se consistir de somente dez cenas. O texto impresso original identifica-a como "ALL'S ONE. OR, One of the foure Plaies in one, called a York-Shire Tragedy....". Isto implica claramente que a peça existente era uma entre outros trabalhos relacionados que foram encenados no estágio juntas. Acredita-se que A Yorkshire… fazia parte de uma antologia que reunia outras três peças, estas provavelmente escritas por John Fletcher e Nathan Field.

A natureza e a autoria das três peças perdidas que acompanharam A Yorkshire… podem ser somente uma matéria da conjectura.

A Yorkshire… foi uma tragédia doméstica; quando não, um dos gêneros premilinares do teatro inglês do renascimento. Arden of Faversham, uma outra peça da lista de textos apócrifos shakespearianos é um exemplo famoso; A Woman Killed with Kindness (Uma Mulher Assassinada com Bondade, literalmente), de Thomas Heywood, é outro exemplo proeminente.

Fontes[editar | editar código-fonte]

A Yorkshire… é uma dramatização de um dos mais notórios casos de violência doméstica na história inglesa, na qual Walter Calverley, um cliente biográfico que residia em Calverley Hall (um Listed building medieval britânico em Yorkshire) assassinou duas de suas crianças e apunhalou sua esposa. Calverley foi executado em 5 de Agosto de 1605. O crime foi um escândalo popular da época. O cronista John Stow relatou o caso em Annals,[1][2] de sua autoria. Os assassinatos foram dramatizados como em A Yorkshire… em uma peça intitulada The Miseries of Enforced Marriage (1607), por George Wilkins (As Misérias de uma União Reforçada, literalmente). Os eruditos discordaram do relacionamento entre essa peça e a A Yorkshire…; há os que vêem esse relacionamento como um texto sendo fonte para o outro, ou mesmo ambos trabalhos de mesma autoria, quando o dramaturgo considerava mais satisfatório trabalhar os dois enredos separadamente.[3]

Autoria[editar | editar código-fonte]

Quando certos críticos, adiantadamente, permitiram a possibilidade da autoria ser de Shakespeare, a maioria, nos dois séculos passados, duvidaram dessa atribuição. O consenso crítico moderno favorece o nome de Thomas Middleton, mencionando evidências internas no texto da peça.[4] Argumentos que favoreciam a possibilidade da autoria ser de Thomas Heywood ou de George Wilkins foram estudados, mas convenceram poucos comentadores.[5]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

O jogo abre com uma conversação entre três empregados de um cavalheiro anónimo de Yorkshire, que esteja retornando a sua casa de campo após uma permanência passageira longa em Londres. Sam, que retornou com seu mestre, explica a Ralph e a Oliver que seu mestre abandonou seu fiancé local para casar uma outra mulher nova: " he' s casou-se, bateu-se sua esposa, e teve-se duas ou três crianças por her." Sam igualmente detalha seu master' apreço de s para a embriaguez, e jogos o modo para o que segue.

A segunda cena introduz os caráteres principais. A esposa tem um soliloquy da abertura, " Que acontecerá connosco?, " esse completa o retrato do protagonist' devoção de s a beber e jogar e comportamento desenfreado; quando o marido entra, justifica sua preocupação com seus palavras cruéis e comportamento mau geral. O Husband' a reputação de s começ assim o mau que três vizinhos, cavalheiros locais (se não anónimo), o procuram para fora reprove o e incitar sua reforma. Um dos cavalheiros é tão persistente que o marido perde sua têmpera e extrai sua espada; a luta dois, e o marido são deixados ferido no assoalho - mas retem sua atitude não-arrependido.

As tentativas da esposa para encontrar alguma maneira de alcangar e raciocinar com seu marido; pensamento de seu Husband' dias da universidade de s, solicita a ajuda do mestre de sua faculdade. O mestre controla tocar no Husband' a consciência de s e trabalha um efeito, embora não é tão positiva como pretendido. Uma vez que sozinho, o marido mergulha no despondency sobre seu declínio moral, expressado em seu " do soliloquy; Oh homem confuso de mil…." (Aqueles comentadores que permitem uma possibilidade de uma contribuição shakespeariano para o jogo tendem a centrar sua atenção nesta quarta cena e neste soliloquy.) Em um ajuste da paixão, o marido é movido para matar suas crianças para conservá-las da pobreza que vê em seu futuro. Agarra seu filho novo, extrai seu punhal, e facadas a criança.

Selvagem com raiva, o marido luta com uma empregada doméstica do serviço por uma outra criança; precipita o bebê ao assoalho. Sua esposa é horrorizada, mas incapaz de controlar seu marido; fere-a e deixa-a para mortos. O um bold(realce) servingman bastante para confrontá-lo é superado. O marido fuje, planeando assassinar o terceiro e mais novo de suas crianças, que está vivendo com sua enfermeira molhada próxima. É levado a cabo pelo mestre e pelos empregados; apprehend o, e trazem-no ao cavaleiro que sere como justiça local da paz.

Na cena final, o marido é trazido na custódia após seu repouso ancestral. Sua esposa está recuperando de suas feridas, e os corpos das crianças assassinadas são apresentados para o enterro. O marido é finalmente arrependido e contrite sobre suas ações… demasiado tarde para toda a restauração. O marido parte com os oficiais que acompanham o, para encontrar o julgamento de justiça; o mestre é deixado para expressar seu sofrimento na tragédia da família.

Notas

  1. Tucker Brooke, p. xxxiv.
  2. Logan e Smith, p. 232.
  3. Logan e Smith, pp. 233-4, 272-3.
  4. Lake, pp. 163-74.
  5. Logan and Smith, pp. 231-2.

Leitura adicional e referências[editar | editar código-fonte]

  • Chambers, E. K. The Elizabethan Stage. 4 Volumes, Oxford, Clarendon Press, 1923.
  • Lake, David J. The Canon of Thomas Middleton's Plays. Cambridge, Cambridge University Press, 1975.
  • Logan, Terence P., and Denzell S. Smith, eds. The Popular School: A Survey and Bibliography of Recent Studies in English Renaissance Drama. Lincoln, NE, University of Nebraska Press, 1965.
  • Maxwell, Baldwin. Studies in the Shakespeare Apocrypha. New York, King's Crown Press, 1956.
  • Tucker Brooke, C. F. The Shakespeare Apocrypha. Oxford, Clarendon Press, 1908.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]