Abadia de Ottobeuren

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Interior da igreja.

A Abadia de Ottobeuren é uma importante abadia beneditina localizada em Ottobeuren, Alemanha.

Foi fundada em 764 pelo Beato Toto e dedicada a Santo Alexandre mártir. No século XI a disciplina monástica estava em declínio, até que o abade Adalhalm introduziu a Reforma de Hirsau, ao mesmo tempo em que se restauravam os edifícios, completados pelo seu sucessor o abade Rupert I.

Em 1153 e novamente em 1217 a abadia foi consumida pelo fogo. No século XIV estava tão decadente que só restavam oito monges. Sob o abade Leonard Wiedemann, no século XVI, começou sua recuperação, estabelecendo uma gráfica e uma casa de estudos para monges.

Havia sido elevada à condição de abadia imperial em 1299, mas perdera a posição em 1624 em um processo judicial. Recuperou-a em 1710, quando iniciou seu período de maior florescimento, que durou até sua secularização em 1802. Entre 1711 e 1725 foi erguida a abadia atual, por cuja imponência recebeu o apelido de "O Escorial da Suábia". Em 1737 iniciou-se a construção da igreja, completa em 1766.

Em 1834 o rei Luís I da Baviera refundou a abadia como um priorado beneditino, submetido a Augsburgo. Em 1918 recebeu a posição de abadia independente. Pela abadia passaram personalidades como Nicolas Ellenbog, humanista, Jacob Molitor, Albert Krey, hagiógrafo, Augustine Bayrhamer e Maurus Feyerabend, historiadores, o abade Honoratus Goehl, musicólogo e fundador de duas escolas, e por fim Ulric Schiegg, matemático e astrônomo.

Além de ser uma grande atração pela sua riqueza arquitetônica e artística, a abadia mantém um dos mais intensos programas musicais da Baviera. Possui um órgão precioso construído pelo célebre construtor Karl Joseph Riepp.

Ver também[editar | editar código-fonte]

==

Referências

==