Abscesso cutâneo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Abscess
Classificação e recursos externos
CID-10 L02
CID-9 682.9, 324.1
MeSH D000038
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 
Abscesso causado pelo Staphylococcus aureus, bactéria comum na pele humana, responsável por cerca de 66% dos casos. Nesse caso, rompeu-se naturalmente liberando o pus.

O abscesso cutâneo (do latim abscessus) é uma acumulação de pus causados por infecção bacteriana, fúngica, parasitária ou por objetos externos (como farpa, agulha ou um tiro). [1] É uma defesa do organismo para prevenir que a infecção se espalhe pelo organismo, porém essa barreira também impede a entrada de novas células de defesa.

Características[editar | editar código-fonte]

A inflamação normalmente é causada por infecção bacteriana, geralmente o Staphilococcus aureus em aproximadamente 66% dos casos, sendo a única a bactéria no local em 33% dos casos. Essa bactéria é um coco gram positivo, encontrado colonizando a flora natural, principalmente da pele, geralmente se torna infeccioso quando rompe a barreira cutânea, o que pode ser feita por um ferimento, ou a imunidade do indivíduo está muito baixa como na AIDS.[2]

O abscesso cutâneo é resultado de uma defesa do organismo a morte das células de um local para impedir que a infecção se espalhe e para concentrar leucócitos nessa área. Caso a infecção se espalhe pode causar febre e infecções mais graves em outros órgãos, inclusive no cérebro. Mas raramente é fatal. Abscessos podem aparecer em qualquer parte do corpo, por exemplo na gengiva, pulmão, cérebro, intestino e músculos, mas a pele é o local mais frequentemente afetado, sendo o segundo local mais comum os dentes.[3]

Se diferencia do empiema por esta só ocorrer em cavidades naturais como na pleura ou no apêndice.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

O sintoma mais perceptível é a inflamação vermelha ou roxa no local, quente, com ou sem dor, que caso seja muito grave pode envolver perda da sensibilidade e funcionalidade do local atingido. Pode ocorrer também na forma sub-cutânea, mais difícil de ser identificada.

Apesar de incomum pode envolver febre. Caso seja rompido pode infectar novas áreas, aumentar a lesão e causar gangrena no local.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Abscesso limpo e drenado, localizado na perna de uma mulher adulta.

Dificilmente é curada sem nenhum tratamento, por isso precisa de atenção médica, geralmente envolvendo uma cirurgia de rotina breve, objetiva e altamente eficaz sem anestesia.

Originalmente era tratada com penicilina, reagindo com sucesso em 95% porém conforme a principal bactéria causadora desse abcesso desenvolveu resistências a sensibilidade a eficiência caiu para menos de 25%.

Em estudo brasileiro feito em 2001 com 107 casos, o Straphilococcus aureus foi sensível a vancomicina (100%), amicacina (100%), teicoplanina (100%), cefoxitina(100%), cefalotina (98,53%), lincomicina (98,53%), gentamicina (98,2%), oxacilina (96,4%), norfloxacina (95,77%) e sulfazotrim (95,77%), tetraciclina (90,14%), kanamicina (81,69%), eritromicina (88,41%) e cloranfenicol (94,36%).[2]

O tratamento primário é a incisão e drenagem feita geralmente depois que a infecção concentrada se tornar pus macio. O tratamento com antibióticos não é necessário caso o paciente tenha um sistema imunológico saudável.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

(Em inglês)

Referências

  1. Manual Merck Online
  2. a b Martin Zavadinack Netto e colaboradores. (2001) Staphylococcus aureus: incidência e resistência antimicrobiana em abscessos cutâneos de origem comunitária. Acta Scientiarum Maringá, v. 23, n. 3, p. 709-712, 2001. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/article/view/2922/1866
  3. http://www.minhavida.com.br/saude/temas/abscesso
  4. HARVEY W. MEISLIN, M.D. e col.(1977) Cutaneous Abscesses Anaerobic and Aerobic Bacteriology and Outpatient Management. Annals of Internal Medicine, August 1, 1977 vol. 87 no. 2 145-149 Disponível em: http://www.annals.org/content/87/2/145.abstract#cited-by