Acetato de polivinila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Acetato de polivinila (desambiguação).
Acetato de Polivinilo
Alerta sobre risco à saúde
PVA.svg
Nome IUPAC butan-2-yl acetate
Outros nomes PVAc, PVA
Identificadores
Número CAS 9003-20-7
PubChem 7758
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular (C4H6O2)n
Massa molar 86.09 g/mol
Riscos associados
MSDS MSDS
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Poli(acetato de vinilo) ou PVAc (Acetato de Polivinilo em português de Portugal)[1] é um polímero sintético. Ele é preparado pela polimerização do acetato de vinila. A parcial ou completa hidrólise deste polímero é usada para preparar o álcool de polivinila. Ele foi descoberto na Alemanha pelo Dr. Fritz Klatte em 1912.

O PVA é vendido como uma emulsão em água, como um adesivo para materiais porosos, como a madeira. De fato é muito usado para colar derivados da madeira. A "cola branca" ou cola escolar e a "cola amarela" pode ser usada para colar madeira, como isolante, como aditivo para cal,[2]ou como recobrimento protector alimentar para o tratamento externo durante a maturação dos queijos.[3] Experimentalmente tenta-se a incorporação de PVA em argamassas.[4]

O PVA tem temperatura de transição vítrea (Tg) entre 18–45 °C.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. «Acetato de polivinilo - Arquivo da FEUP». biblioteca.fe.up.pt. Consultado em 2016-07-16. 
  2. «Fixador de cal» (PDF). Consultado em 2016-07-24. 
  3. «Derplast E-PRO; Tecnilac». tecnilac.pt. Consultado em 2016-07-16. 
  4. Carvalho, Pedro J. (2012). «Betões e Argamassas Modificados com Incorporação de PVA» (PDF). Universidade do Minho; Escola de Engenharia. Consultado em 2016-07-16.