Cal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados de Cal, veja Cal (desambiguação).
Óxido de cálcio
Alerta sobre risco à saúde
Calcium-oxide-3D-vdW.png
Nome IUPAC Óxido de cálcio
Outros nomes Cal
Identificadores
Número CAS 1305-78-8
PubChem 14778
Número RTECS EW3100000
Código ATC P53AX18
Propriedades
Fórmula molecular CaO
Massa molar 56.077 g/mol
Aparência sólido branco
Densidade 3.35 g/cm3
Ponto de fusão

2572 °C (2845 K)

Ponto de ebulição

2850 °C (3123 K)

Solubilidade em água reage na água
Solubilidade em [[ácidos, glicerol, sugar solution]] solúvel
Solubilidade em [[metanol, dietil éter, n-octanol]] insolúvel
Acidez (pKa) 12.5
Riscos associados
MSDS ICSC 0409
Índice UE Não listado
NFPA 704
NFPA 704.svg
0
3
1
 
Ponto de fulgor Não inflamável
Compostos relacionados
Outros aniões/ânions Sulfeto de cálcio
Hidróxido de cálcio
Fluoreto de cálcio
Nitreto de cálcio
Outros catiões/cátions Óxido de potássio
Óxido de berílio
Óxido de magnésio
Óxido de estrôncio
Óxido de bário
Óxido de escândio (III)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A cal, também chamada cal viva, cal virgem ou óxido de cálcio, é a substância de fórmula química CaO. Em condições ambientes, é um sólido branco e alcalino. É obtida pela decomposição térmica de calcário.[1]

A cal é utilizada na construção civil para elaboração de argamassas e preparação dos processos de pintura. Também tem emprego nas indústrias farmacêutica, cerâmica e metalúrgica. Na agricultura, o óxido de cálcio é usado para produzir hidróxido de cálcio, que tem por finalidade o controle da acidez do solo.[1]

Obtenção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Calcinação

A cal é produzida a partir do carbonato de cálcio, em fornos industriais, num processo conhecido como calcinação, que dá origem a cal e gás carbônico[1]:

CaCO3 (s) → CaO (s) + CO2 (g)

No Brasil, a maioria da cal é produzida por calcinação de calcários/dolomitos metamórficos. Há, ainda, cales provenientes de calcários sedimentares e de concheiros naturais. [carece de fontes?]

Utilização[editar | editar código-fonte]

O principal uso da cal virgem é a produção de cal hidratada (hidróxido de cálcio). Para isto, dissolve-se a cal em água, reação que ocorre em condições ambientes:

CaO (s) + H2O (l) → Ca(OH)2 (aq)

A utilização da cal hidratada é difundida, principalmente em argamassas para alvenaria. Assim como o cimento, tem características aglomerantes. Enquanto este, no endurecimento, reage com água (reação de hidratação), o endurecimento da cal ocorre pela absorção do gás carbônico presente no ar. Essa reação transforma a cal hidratada de volta em carbonato de cálcio.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade. Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A cal é utilizada nas indústrias:

  • siderúrgicas, como carga de fabricação de aço nos fornos, aglomerante, regulador de pH em tratamento de águas servidas, lubrificante para trefilagem de vergalhões de aço, dessulfurante das gusas altos em enxofre e refratários básicos de fornos de aço;
  • de celulose e papel, para regenerar a soda cáustica e para branquear as polpas de papel, junto com outros reagentes;
  • de tintas, como pigmento e incorporante de tintas à base de cal e como pigmento para suspensões em água, destinadas às "caiações";
  • de alumínio, como regeneradora da soda (total de 100 kg/t de alumina);
  • de refratários, cerâmicas, carbonato de cálcio precipitado, graxas, tijolos sílico-cal, petróleo, couro, etanol, biogás, produtos farmacêuticos e alimentícios;
  • metalúrgicas de cobre.

Na indústria alimentícia:

  • remoção dos compostos fosfáticos e orgânicos e no clareamento do açúcar;
  • manutenção superficial de doce em compotas;
  • engorda de suínos: 1 quilo a cada 200 quilos de ração.

Outros setores:

  • tratamento de água na correção do pH, no amolecimento, na esterilização, na coagulação do alume e dos sais metálicos, na remoção da sílica;
  • estabilização de solos como aglomerante e cimentante (na proporção de 5 a 8% em volume da mistura solo-cal);
  • obtenção de argamassas de assentamento e revestimento como plastificante, retentor de água e de incorporação de agregados (com ou sem aditivos, em geral nas proporções de 13 a 17% dos volumes);
  • misturas asfálticas como neutralizador de acidez e reforçador de propriedades físicas (em geral, 1% das misturas);
  • fabricação de blocos construtivos como agente aglomerante e cimentante (em geral, 5 a 7% do volume do bloco).
  • usos diversos precipitação do SOx dos gases resultantes da queima de combustíveis ricos em enxofre; corretivo de acidez de pastagens de solos agrícolas; sinalização de campos esportivos; proteção às árvores; desinfetantes de fossas; proteção a estábulos e galinheiros; e retenção de água, CO2 e SOx.

Referências

  1. a b c Feltre, Ricardo (2000). Química (Ensino médio) (São Paulo: Moderna). p. 528. ISBN 85-16-02604-3.