Aleixo Corte-Real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde fevereiro de 2015). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.


Aleixo Corte-Real
Nascimento 1886
Morte 1943 (57 anos)
Cidadania Timor-Leste
Prêmios Comendador da Ordem Militar da Torre e Espada

D. Aleixo Corte-Real ComTE (nascido Nai-Sesu; Ainaro, 1886Timor, Maio de 1943), mais conhecido simplesmente como Dom Aleixo, foi um nobre régulo timorense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ainda jovem, em 1911-1912, combateu junto com os Portugueses uma coluna de sublevados, vinda de Manufahi, comandada pelo liurai Dom Boaventura.

Tendo-se, posteriormente, convertido ao Catolicismo, vindo a baptizar-se em 1931, adoptando, então, o nome pelo qual ficou conhecido.

Em 1934 viria a Portugal, juntamente com mais oito timorenses, participar na Exposição Colonial do Porto.

Dom Aleixo foi liurai de Soro.

Em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, os japoneses invadiram a ilha de Timor onde estavam estacionadas algumas companhias australianas que ofereceram resistência, contando com o apoio de alguma população timorense. As Colunas Negras, milícias timorenses armadas pelos japoneses, semearam o terror entre a população civil até ao final da ocupação que durou três anos. Dom Aleixo Corte-Real, que se opôs desde o seu início à invasão japonesa, lutou contra as tropas japonesas e colunas negras, sendo capturado em 1943. Pouco depois foi fuzilado, com toda a sua família.

Durante o período posterior à Segunda Guerra Mundial foi uma figura central na promoção colonial do regime português do Estado Novo, sendo argumentado que Dom Aleixo foi morto por se ter mantido fiel a Portugal, recusando-se a entregar a bandeira portuguesa que escondera.

A 30 de Outubro de 1946 foi feito Comendador da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito a título póstumo.[1] Na sede do distrito em Ainaro foi levantado a este herói timorense um monumento que ainda se encontra em bom estado de conservação. Em sua honra foi também dado o nome de Dom Aleixo a um dos seis subdistritos do distrito de Díli.

Foi impressa uma série de notas de 20$00, 50$00, 100$00, 500$00 e 1.000$00 escudos de Timor Português com a sua imagem.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Humberto Leitão, O Régulo Timorense D. Aleixo Corte-Real. Edição do Corpo de Estudos da História da Marinha, 1979

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Aleixo Corte Real". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de abril de 2015