Alexandru Vlahuță

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Alexandru Vlahuta)
Alexandru Vlahuță
Nascimento 5' 05UTC 'setembro' 05UTC '1858
Alexandru Vlahuță
Morte 19' 19UTC 'novembro' 19UTC '1919 (61 anos)
Bucareste
Cidadania Romênia
Ocupação escritor, poeta

Alexandru Vlahuţă (Alexandru Vlahuță, 5 de setembro de 1858Bucareste, 19 de novembro de 1919) foi um escritor romeno.[1]

Criação literária[editar | editar código-fonte]

Em 1880 estreou-se como poeta na revista "Convorbiri literare". Durante sua carreira de professor, ele fez seu nome como escritor com "Nuvele" (1886), "poezii" (1887), "Din Goana vietii" (1892) e "Icoane sterse" (1893), e ele publicou muitos trabalhos (Esboços, histórias, novelas) nas páginas de "Sămănătorul".[2]

A partir de 1887 ele entrou em conflito com a Academia Română, já que tanto sua obra em prosa "Nuvele" quanto a coleção de poemas "Poezii" - apesar do forte apoio de Coşbuc - não lhe renderam o prêmio "Eliade Rădulescu". Como resultado, ele se recusou a trabalhar como membro correspondente da academia em 1893. Devido a esta rejeição, outro romance, nomeadamente "În vâltoare" (1896), não foi premiado. Apenas três obras foram homenageadas: “Clipe de linişte” com o prêmio “Năsturel Herescu”, “România pitorească” e “Poezii 1880–1915” com o “Grande Prêmio da Academia Romena”. Sua obra mais famosa foi "România pitorească" (1901), da qual os historiadores e críticos literários posteriores Dumitru Micudisse que era um atlas geográfico anotado, marcado por um grande amor pelo lar. Em 1910, ele dedicou uma monografia lírica (1910) a seu amigo pintor Grigorescu. Ele queria escrever uma monografia sobre Ion Luca Caragiale, bem como uma continuação de seu romance “Dan”, mas não conseguiu.[2]

Vlahuţă não apenas tentou renovar o estilo de escrita ou descobrir jovens talentos, ele também se viu como um artista, a quem responsabilizou pelo cultivo de idéias. Um ditado frequentemente citado por ele é: Un om care nu munceşte nu ştie să prețuiască munca altuia. (Uma pessoa que não trabalha não sabe valorizar o trabalho de outra pessoa).[3]

Trabalhos (seleção)[editar | editar código-fonte]

Prosa[editar | editar código-fonte]

  • 1886 Nuvele, 261 S.
  • 1890 După Eminescu, 194 S.
  • 1892 Din goana vieții
  • 1894 Dan, 336 S.
  • 1895 Un an de luptă, 248 S.
  • 1895 Icoane șterse (Nuvele și amintiri)
  • 1896 În vâltoare – Nuvele și impresii, 221 S.
  • 1899 Clipe de liniște
  • 1901 România pitorească, 330 S.
  • 1908 Din trecutul nostru, 126 S.
  • 1908 Din durerile lumii
  • 1909 File Rupte, 260 S.
  • 1910 Pictorul N. I. Grigorescu

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • 1887 Poezii
  • 1894 Poezii vechi și nouă, 143 S.
  • 1896 Iubire (1888–1895), 233 S.
  • 1904 Poezii (1880–1904)
  • 1909 Poezii (1880–1908), 288 S.
  • 1911 La gura sobei, 282 S.
  • 1914 Dreptate, 251 S.
  • 1915 Poezii (1880–1915)

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Valeriu Râpeanu: „Alexandru Vlahuță și epoca sa“, Editura Tineretului, București 1956
  • Virgiliu Ene: „Alexandru Vlahuță“, Editura Albatros, București 1976

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Muzeul Vrancei» (em romeno). Consultado em 6 de setembro de 2021 
  2. a b Casa memoriala Alexandru Vlahuta (Memento vom 1. outubro 2012 im Internet Archive)
  3. «Primul ziar crestin din Romania - Ziarul Lumina». web.archive.org. 14 de fevereiro de 2009. Consultado em 6 de setembro de 2021 
Wikisource
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Alexandru Vlahuţă
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Alexandru Vlahuță
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Alexandru Vlahuţă
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.