Almodis de la Marche

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Almodis de la Marche
Condessa de Toulouse
Reinado 104529 de junho de 1053
Condessa de Barcelona
Reinado 10531071
Cônjuge Hugo V de Lusignan
Pôncio III de Toulouse
Raimundo Berengário I de Barcelona
Casa Casa de La Marche
Pai Bernardo I de La Marche
Mãe Amélia de Montignac
Nascimento c. 1020
Marche, Poitou, França
Morte 16 de outubro de 1071 (51 anos)
Barcelona, Espanha
Enterro Catedral de Barcelona

Almodis de la Marche (c. 102016 de outubro de 1071) foi Senhora de Lusignan, Condessa de Toulouse e Condessa de Barcelona através dos sucessivos casamentos a que foi sujeita, sendo que assumiu um papel de maior destaque com o terceiro e último casamento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Almodis era filha do occitano Bernardo I de La Marche, Conde de La Marche (cujos pais eram descendentes de Carlos Magno) e de sua esposa, Amélia de Rasés. Quando fez dezoito anos casou com Hugo V de Lusignan. Porém foi um matrimónio de curta duração, pois Hugo divorciou-se por motivos de consanguinidade, e fez com que a ex-esposa contraísse matrimónio com o Conde Pons de Toulouse em 1045.

Este matrimónio durou cerca de dez anos, até que o conde de Barcelona Raimundo Berengário I a raptou, em Narbona, com a ajuda de uma frota de navios enviada por seu aliado, o emir muçulmano de Tortosa, e, apesar de os cônjuges de ambos ainda estarem vivos, Raimundo casou-se com ela em 1052, repudiando a sua segunda esposa, a condessa Branca. O casal apareceu com filhos gémeos no ano seguinte. Branca apelou ao Papa e conseguiu o apoio da avó de Raimundo Berengário, a condessa Ermesinda, obtendo de Vítor II a excomunhão para Raimundo e Almodis, facto que provocou uma guerra que não se resolveu até ao final de 1057. A excomunhão de ambos manteve-se até 1065, altura em que foi levantada e o casamento legalizado.

Raimundo Berengário I e a sua esposa, Almodis de la Marche, contando 2.000 onças de ouro destinadas ao Conde Raimundo de Cerdanha e a sua esposa, a Condessa Adelaide de Carcassonne, em troca do retorno dos seus direitos sobre Carcassonne, em 1067.[1]

Almodis manteve contacto com os ex-maridos e os filhos dos primeiros casamentos. Em 1066/1067 ela foi a Toulouse para assistir o casamento de sua filha. Poucos anos antes, em 1060, Hugo V de Lusignan tinha-se revoltado contra o seu senhor, o duque Guilherme VIII da Aquitânia, e teve o apoio do também filho de Almodis, Guilherme IV de Toulouse. Os seus filhos apoiavam-se uns aos outros em campanhas militares. Hugo VI de Lusignan, Raimundo IV de Toulouse e Berengário Raimundo - todos foram Cruzados.

Em Barcelona, Almodis presidia, tal como Ermesinda de Carcassonne, a julgamentos e os juízes prestavam-lhe juramentos de fidelidade. Desenvolveu uma prática ativa como pacifista e uma política diplomática, governando juntamente com o seu marido um estado feudal.

Nas Cortes de 1064, Raimundo e Almodis passaram a intitular-se Príncipes da Catalunha, Principado esse que à época só abarcava os condados de Barcelona, Ausona e Girona[2] , mas que irá abarcar ainda os Condados de Besalú, Ripoll, Cerdanha, Conflent, eBerga até 1162, sendo que o título só se tornará reconhecido a partir da união da Catalunha com o Reino de Aragão.

Em 1069, Almodis e Raimundo compraram os direitos ao Condado de Carcassonne de Guilherme Raimundo I da Cerdanha, casado com Adelaide de Carcassonne, filha do conde Pedro II. Havia a possibilidade de Guilherme Raimundo herdar esse condado por jure uxoris, e , com esta venda, os herdeiros passavam a ser Raimundo Berengário e Almodis, que acabaram por o conseguir.

Sepulcros de Raimundo Berengário I e Almodis de la Marche. Catedral de Barcelona.

O seu terceiro marido, Raimundo tinha um filho de um casamento anterior, Pedro Raimundo, que era o seu herdeiro. Pedro aparentemente se ressentia da influência de Almodis e acreditava que ela manobrava de modo a que os seus dois filhos fossem os sucessores de Raimundo Berengário. Pedro acabou por matar a madrasta em outubro de 1071 e, por esse crime, foi deserdado e exilado, deixando o país. Quando o seu pai morreu, em 1076, Barcelona foi dividida entre os gémeos Berengário Raimundo e Raimundo Berengário, os filhos de Almodis.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

Almodis casou-se primeiramente com Hugo V de Lusignan por volta de 1038. Tiveram dois filhos e uma filha:

Almodis e Hugo divorciaram-se por consanguinidade, casando seguidamente com Pôncio de Toulouse, em 1045. Tiveram vários filhos, incluindo:

Casou-se em 1052 com Raimundo Berengário I de Barcelona, de quem teve:

Títulos e sucessores[editar | editar código-fonte]

Almodis de la Marche
Nascimento: 1020 Morte: 16 de outubro de 1071, Barcelona
Precedido por
Aldearda de Thouars
Armoiries Lusignan.svg
Senhora consorte de Lusignan

1038-1040
Sucedido por
Hildegarda de Thouars
Precedido por
Majore
Blason de Toulouse.png
Condessa consorte de Toulouse

1045-1052
Sucedido por
Sancha de Aragão
Precedido por
Berengário Raimundo I
como reinante
Branca de Narbona
como consorte
Flag of Catalonia.svg
Condessa consorte e reinante de Barcelona
(Barcelona, Girona e Manresa)

1052 - 1064
(com Raimundo Berengário I)
Sucedido por
União dos Condados de Barcelona, Osona e Girona:
Ascensão ao título de Princesa
Precedido por
Guilherme I
sob regência de Gisela de Lluçá
Flag of Catalonia.svg
Condessa de Osona

1054 - 1064
(com Raimundo Berengário I)
Sucedido por
União dos Condados de Barcelona, Osona e Girona:
Ascensão ao título de Princesa


Precedido por
União dos Condados de Barcelona, Osona e Girona:
Ascensão ao título de Princesa
Flag of Catalonia.svg
Princesa consorte e reinante da Catalunha
(Barcelona, Girona , Osona e Manresa)

1064 - 1071
(com Raimundo Berengário I)
Sucedido por
Raimundo Berengário II
e Berengário Raimundo II
Precedido por
Vago
Titular anterior:Rangarda de La Marche
Blason Carcassonne 11.svg
Condessa consorte de Carcassonne
(Carcassonne, Razés , Béziers e Agde)

1069 - 1071
Sucedido por
Mafalda da Apúlia-Calábria

Fontes[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Charles Julian Bishko (1968-9), "Fernando I and the Origins of the Leonese-Castilian Alliance with Cluny," Studies in Medieval Spanish Frontier History (Variorum Reprints), 40.
  2. Fidel Fita i Colomer: Boletín de la Real Academia de la Historia, tomo 40 (1902): Principado de Cataluña - Razón de este nombre: Já nas Cortes do ano de 1064, que são as primeiras da coleção académica, aparece no Uso 65 com o nome de Principado a demarcação do território a que se aplicava a velha Catalunha ou os três condados de Barcelona, Ausona e Girona, que eram regidos pelo soberano D. Raimundo Berengário e a sua mulher D. Almodis


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Almodis de la Marche