An Ideal for Living

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
An Ideal for Living
EP de Joy Division
Lançamento 3 de junho de 1978
Gravação 14 de dezembro de 1977
Gênero(s) Punk rock
Duração 12:47
Gravadora(s) Enigma Records
Cronologia de EP de Joy Division
The First Peel Session
(1986)
Cronologia álbuns de Joy Division
The Warsaw Demo
(1977)
Unknown Pleasures
(1979)
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All Music Guide 3 de 5 estrelas. link

An Ideal for Living é o EP de estréia da banda britânica de pós-punk Joy Division, lançado em 1978[1][2], no Reino Unido, logo após terem trocado o nome da banda de Warsaw (Varsóvia em Português) para Joy Division. Todas as faixas foram registradas no Pennine Sound Studios, na cidade de Oldham, em 14 de Dezembro de 1977, e lançadas de maneira independente pelo selo Enigma Records, de propriedade da própria banda. As faixas deste EP seriam relançadas na compilação Substance, editada em 1988.

Capa e Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A capa do EP trazia uma imagem em preto e branco de um membro loiro da Juventude Hitlerista tocando um tambor, desenhada pelo guitarrista Bernard Sumner (creditado como "Bernard Albrecht" na capa). Tal capa, aliada à natureza do nome da banda alimentou alguma controvérsia sobre uma possível simpatia nazista de seus membros[3]. Joy Division é um termo retirado do livro de teor sado-masoquista The House of Dolls de Karol Cetinsky, e era usado para se referir ao setor de um campo de concentração nazista onde as mulheres deportadas eram forçadas a se prostituírem[4]. No início da faixa "Warsaw", Ian Curtis grita "31G-350125" que é nada menos do que o número de prisioneiro de Rudolf Hess, militar fanático do Terceiro Reich, na prisão de Spandau, em Berlim.

Embora Peter Hook e Bernard Sumner tenham admitido mais tarde que possuiam uma fixação pelo tema na época, Stephen Morris insistiu que a obsessão do grupo com a iconografia Nazi vinha do desejo de manter vivas as memórias e os sacrifícios de seus familiares durante a Segunda Guerra Mundial, e que as acusações de simpatia neo-nazista apenas provocavam a banda a "continuar fazendo isso, porque este é o tipo de pessoa que nós somos". A capa reflete antes de tudo a ligação da banda com a estética punk naquele momento, que iria mais tarde se desenvolver em um estilo pós punk[5].

Recepção e Crítica[editar | editar código-fonte]

Na época de seu lançamento o semanário inglês especializado em rock alternativo, Melody Maker, revisou favorávelmente o EP. Seu crítico, Chris Brazier, disse que o disco possia "a familiar natureza tosca de uma produção caseira, mas que era cheio de ideias, e que eles seriam uma banda interessante dentro de uns 7 meses"[6].

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as faixas por Joy Division

  1. "Warsaw" – 2:26
  2. "No Love Lost" – 3:42
  3. "Leaders of Men" – 2:34
  4. "Failures" – 3:44

Referências

  1. «An Ideal for Living». Joy Division Central. Consultado em 18 de dezembro de 2011 
  2. «An Ideal for Living release». Discogs.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2013 
  3. Curtis, Deborah (1995). Touching from a Distance: Ian Curtis and Joy Division. London: Faber. ISBN 0-571-17445-0.
  4. Reynolds, Simon (2005). Rip It Up and Start Again: Postpunk 1978–1984. Penguin. ISBN 0-14-303672-6.
  5. Reynolds, Simon (2005). Rip It Up and Start Again: Postpunk 1978–1984. Penguin. ISBN 0-14-303672-6.
  6. Brazier, Chris (24 Junho 1978). "[An Ideal for Living review]". Melody Maker.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]