Ana Leopoldovna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ana Leopoldovna
Retrato por Louis Caravaque, c. 1740
Regente da Rússia
Período 28 de outubro de 1740
a 6 de dezembro de 1741
Monarca Ivã VI
 
Marido Antônio Ulrico de Brunsvique-Volfembutel
Descendência Ivã VI da Rússia
Catarina de Brunsvique-Volfembutel
Isabel de Brunsvique-Volfembutel
Pedro de Brunsvique-Volfembutel
Aleixo de Brunsvique-Volfembutel
Casa Mecklemburgo-Schwerin (nascimento)
Brunsvique-Bevern (casamento)
Nome completo
Isabel Catarina Cristina (Nome de batismo)
Ana Leopoldovna (Nome cristão-ortodoxo)
Nascimento 18 de dezembro de 1718
  Rostock, Mecklemburgo-Schwerin, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 19 de março de 1746 (27 anos)
  Kholmogory, Província de Archangelgorod, Império Russo
Enterro Monastério Alexandre Nevsky, São Petersburgo, Rússia
Pai Carlos Leopoldo, Duque de Mecklemburgo-Schwerin
Mãe Catarina Ivanovna da Rússia
Religião Ortodoxa Russa
(anteriormente Luteranismo)

Ana Leopoldovna (А́ннаЛеопо́льдовна) (18 de dezembro de 171819 de março de 1746), também conhecida como Anna Karlovna (А́ннаКа́рловна), regente da Rússia por alguns meses (1740 - 1741) durante a infância do seu filho bebé Ivan, era a filha de Catarina (irmã da Imperatriz Ana) e do duque Carlos Leopoldo de Mecklemburgo-Schwerin.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 1739 casou-se com Antônio Ulrico de Brunsvique-Volfembutel (1714 - 1776), filho de Fernando Alberto II, Duque de Brunsvique-Volfembutel. A 5 de Outubro de 1740 a imperatriz Ana adoptou como seu filho o recém-nascido Ivan e proclamou-o herdeiro ao trono russo. Alguns dias após esta proclamação a imperatriz faleceu (28 de Outubro 1740), deixando instrucções a respeito da sucessão, e designando o seu favorito Ernesto João de Biron, Duque da Curlândia, como regente. Biron, no entanto, tinha-se tornado numa pessoa detestada pelo povo russo, e Ana Leopoldovna teve pouca dificuldade a destrona-lo (8 de Novembro de 1740). Assumiu então a regência, e tomou o título de Grande Duquesa, mas sabendo pouco do carácter da gente com quem ela teria de lidar, e ainda menos das convenções e da política de governação russa, acabando por levar rapidamente a querelas com os seus partidários principais.

A dezembro de 1741, a filha de Pedro, o Grande, que pelos seus hábitos russos era a favorita dos soldados, incitou os guardas a revoltarem-se e, após superar uma fraca oposição, ascendeu ao trono como Imperatriz Isabel.

O regime vitorioso, aprisionou primeiramente a família na fortaleza de Dünamünde perto de Riga, acabando posteriormente por os exilar para Kholmogory, a norte do rio Duína Ocidental. Ana eventualmente morreu a 18 de Março de 1746 durante o parto. O seu filho Ivan VI foi assassinado em Shlisselburg a 16 de Julho de 1764, enquanto o seu marido Antonio Ulrich faleceu em Kholmogory a 19 de Março de 1776. Os seus restantes quatro filhos foram libertados da prisão em 1780 e foram viver para a Jutlândia.

Referências

  1. Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público. Traduzido do original em Inglês.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ana Leopoldovna