Andorinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaHirundinidae
Hirundo rustica em Bygholm Vejle, na Região da Jutlândia do Norte, na Dinamarca A tua mae

Hirundo rustica em Bygholm Vejle, na Região da Jutlândia do Norte, na Dinamarca

A tua mae

Classificação científica
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Passeri
Família: Hirundinidae
Vigors, 1825
Géneros
Vários, ver texto

As andorinhas (do latim hirŭndo -dĭnis; hirondina[1] ) são um grupo de aves passeriformes da família Hirundinidae. A família destaca-se dos restantes pássaros pelas adaptações desenvolvidas para a alimentação aérea. As andorinhas caçam insectos no ar e para tal desenvolveram um corpo fusiforme e asas relativamente longas e pontiagudas. Medem cerca de 13 cm (comprimento) e podem viver cerca de oito anos ou mais.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As fêmeas fazem uma postura de 4 ou 5 ovos, que depois são incubados durante cerca de 25 dias. Passado o tempo da incubação, nascem os jovens, cuja alimentação é feita por ambos os progenitores.

Quando há temperatura baixa, as andorinhas juntam-se em bando e vão à procura de locais da Europa mais quentes, indo também para o norte de África. Depois, quando a temperatura volta a subir, por volta da primavera, regressam novamente. Constroem as suas casas perto do calor, em pequenos ninhos normalmente colados ao tecto.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Andorinha" se originou do termo latino hirundinae[2] .

Espécies por ordem taxonómica[editar | editar código-fonte]

Subfamília Pseudochelidoninae
Subfamília Hirundininae

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Andorinha
Ícone de esboço Este artigo sobre aves passeriformes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. http://www.treccani.it/vocabolario/rondine/
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.117