Arctic Warfare

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
G22 sem silenciador

Desenvolvido pela empresa Britânica Accuracy International, o Arctic Warfare (também conhecido como Magnum ou L96A1) é um dos fuzis de precisão mais utilizados no mundo, especialmente pelos países do grupo G8.

História[editar | editar código-fonte]

Criado com o objetivo de dar à infantaria britânica um fuzil potente, preciso e com grande alcance, e que suportasse os cartuchos calibre .338 Lapua Magnum. Fez um enorme sucesso, e hoje apresenta várias versões, dentre elas, as principais:

  • AE/Law Enforcement - .308 Win [7.62 x 51 NATO]
  • Arctic Warfare (AW .300) - .300 Win
  • Arctic Warfare (AW .308) - .308 Win [7.62 x 51 NATO]
  • Arctic Warfare
  • Arctic Warfare Police (AWP) - .308 Win [7.62 x 51 NATO]
  • Arctic Warfare Magnum (AWM) - .300 Win
  • Arctic Warfare Super Magnum (AWM .338 / AWSM) - .338 Lapua [8.60x70mm]
  • Arctic Warfare .50 - .50BMG [12.7x99mm]
  • AS-50 - .50BMG [12.7x99mm] (Semi-Automatic Sniper Rifle) -

Seus cartuchos são extremamente letais, mesmo a mais de dois quilômetros de distância. Testes revelaram que um tiro a queima-roupa de AWM pode pefurar cinco blocos de concreto grosso. Não é recomendado o uso em locais com alta concentração de civis, pois o tiro pode atravessar o corpo do alvo e atingir outras pessoas, sendo mais utilizado em confrontos abertos.

O Poderio[editar | editar código-fonte]

Para melhor precisão de tiro, os fabricantes optaram por um ferrolho giratório manual na coronha, que dispara todos os tiros do carregador um a um. Seu alcance efetivo é de cerca de 0,8~1 milha (.338 Lapua Magnum), e seu alcance máximo é de de 1,2 milha. Vem ainda com um reparo(bipé), para facilitar o manuseio. Sua mira telescópica permite uma grande precisão nos disparos, que podem até atravessar e inutilizar veículos com blindagem mais leve.

Os detalhes sobre os calibres são simples e objetivos.

.338 é equivalente a um calibre 8,60x70mm nos cheios das raias ou 8,59x70mm se consideradas as partes mais altas dos sulcos helicoidais, desenvolvidos para ter maior sucesso nas perfurações e impactações quando deflagrado (capotamento), características de projéteis menores como o 5,56x45mm. O calibre .338 apresenta um projétil longo e veloz com transmissão de energia cinética superior a calibres como o 7,62mmx54 do Dragunov SVD. Essa transmissão de energia acarreta um impacto inferior aos projéteis de fuzis como os de calibre .408 e calibre .50 BMG, estes, armamentos com peso acima do operacional direcionado para a infantaria, prejudicando a mobilidade do individuo, invibializando estas armas de fogo. Se analisada a inviabilidade das mesmas, o L96A1 uma arma de fogo muito recomendada para atiradores militares graças ao equilíbrio entre desempenho, maneabilidade e peso.

.308 é o calibre "perfeito" 7,62mmx51 (7,62 NATO), o cálculo de sua velocidade com suas medidas geram a melhor (PPI) Propriedade Perfurativa e Impactante entre todos os calibres da familia 7,62 a serem empregados de maneira anti-pessoal. Este detalhe se comparado ao equilibrio entre perfuração/impácto e carga de projeção proporcionalizada ao peso do projétil, gerando velocidade suficiente para impactar e perfurar com precisão sem sofrer tantos efeitos de supostos obstáculos ou perder desempenho como a deflagração e deformação do projétil. Ao contrário do calibre 5,56mmx45 (5,56 NATO) que tem carga de projeção "desproporcional" ao peso e medidas do projétil, tornando-o em um projétil rápido com alto poder de perfuração e fácil deflagração, este, ganhando grande poder de impácto e destruição quando deflagrado ou quando sua trajetória for afetada com o capotamento de projétil, "fenômeno" que pode acontecer com qualquer projétil de armas de fogo. Comum no FAL belga e em armamentos H&K assim como muitos fuzis Sniper em todo o mundo o .308 ou 7,62mmx51 é cotado como um dos calibres a serem (trocados) extintos pela OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) por calibres menores, assim como outros calibres da linha 7,62 e suas variações. Esta possibilidade é contestadas por órgãos militares principalmente as policiais, que defendem o emprego destes calibres devido ao seu alto poder de parada (stoping-power) e características letais.

O Design[editar | editar código-fonte]

O L96A1 não é rústico como um AK47, seus desenhos são mais suaves e apresenta uma empunhadura, cujas formas lembram uma arma bem futurista. Construída em uma base de alumínio, (à exceção do cano e do receptor (aço), o Magnum .338 é um fuzil bem pesado (vazio, até 6 kg), pode também receber uma "camuflagem" para melhorar a discrição do atirador. Seu grande problema, entretanto, é o estampido do disparo que é um tanto alto, comparado com o cal. .308, o que pode tornar fácil a localização do atirador durante uma série de disparos, além de poder causar lesões auditivas à pessoas próximas, caso estas não utilizem nenhuma proteção auricular. É possível equipar um supressor de ruídos (Silenciador)no quebra chamas do cano, suprimindo o estampido do disparo, mas não o ruído do projétil que se desloca a uma velocidade muito superior a velocidade do som. Quando o projétil sai pelo cano gera um outro ruído da quebra da barreira do som este não suprimido pelo equipamento de supressão.

Quanto ao supressor, sua utilização é viável em armas de fogo cujo projétil tenha velocidade sub-sônica,(abaixo da velocidade do som) fazendo valer sua utilização de forma efetiva.

É uma arma ideal para ser usada em médias e longas distancias.

Fontes: Accuracy International [1] Tac Pro Shooting Center [2]