Arda da Arménia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Arda da Arménia foi a segunda esposa do cruzado Balduíno de Bolonha e a primeira consorte do Condado de Edessa e do Reino de Jerusalém, uma vez que a primeira esposa de Balduíno faleceu antes da sua subida ao condado e ao trono. O seu nome não se encontra em fontes da época das cruzadas, mas desde o século XVII tem tradicionalmente vindo a ser chamada de Arda. Era filha de um pequeno nobre arménio chamado Teodoro (ou Thoros, ou Thathoul), senhor de Marach (actual Kahramanmaraş).

Casou-se com Balduíno em 1097, depois da morte da primeira esposa deste, Godehilde, que o acompanhara na Primeira Cruzada. Pelo seu casamento, Teodoro prometeu 60.000 bezantes (moedas de ouro) como dote. Este foi um casamento político, uma vez que Balduíno era o primeiro conde de Edessa, um estado cruzado em território arménio, na Mesopotâmia.

Quando o seu esposo sucedeu ao irmão como rei de Jerusalém em 1100, Arda não o acompanhou imediatamente; viajou por mar e chegou provavelmente no ano seguinte. Em 1108 Balduíno abandonou Arda, devido à infidelidade desta ou, segundo o historiador beneditino Guiberto de Nogent, ao seu estupro por piratas a caminho da Cidade Santa.

No entanto, parece mais provável que esta esposa simplesmente não tinha utilidade política em Jerusalém que, ao contrário de Edessa, não tinha população arménia. Para além disso, Teodoro de Marach teria pago apenas uma pequena parte do dote, e Arda não teve filhos. Foucher de Chartres, o cronista das cruzadas que acompanhou Balduíno, nem menciona o assunto, o que provavelmente significa que o rei não tinha motivos legítimos para anular o matrimónio. Em vez disso, terá simplesmente forçado Arda a entrar para um mosteiro dedicado a Santa Ana em Jerusalém. Mais tarde Arda conseguiu a sua libertação e foi para Constantinopla, para onde o seu pai fugira quando as suas terras foram tomadas por Edessa.

Em 1112 Balduíno pretendeu casar-se com Adelaide del Vasto, viúva de Rogério I da Sicília e regente do seu filho Rogério II da Sicília. Apesar de também acabar por não gerar descendência, esta trouxe um dote considerável para o tesouro do reino e a preciosa ajuda dos sicilianos. Este casamento foi realizado, apesar de o rei entrar em condição de bigamia, uma vez que ainda estava legalmente casado com Arda.

De facto, o patriarca Arnulfo de Chocques foi deposto por ter sancionado a união, mas o papa Pascoal II repô-lo no patriarcado em 1116, com a condição que o casamento fosse anulado. Balduíno concordou e tentou trazer a legítima esposa de volta ao seu reino, mas Arda nunca voltou e o rei morreu em 1118.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Women in the Crusader States: The Queens of Jerusalem, Medieval Women, Bernard Hamilton, ed. Derek Baker, Ecclesiastical History Society, 1978
  • The Crusader Kingdom of Jerusalem: A Dynastic History, 1099-1125, Alan V. Murray, Prosopographica and Genealogica, 2000.
Precedida por:
---
Armoiries de Jérusalem.svg
Rainha consorte de Jerusalém

1100 - 1108
Sucedida por:
Adelaide del Vasto
(1113-1117)