Armas, Germes e Aço - Os Destinos das Sociedades Humanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Guns, Germs, and Steel: The Fates of Human Societies
Armas, Germes e Aço: Os Destinos das Sociedades Humanas (português europeu)
Armas, Germes e Aço: Os Destinos das Sociedades (português brasileiro) (BR)
Autor (es) Jared Diamond
Idioma inglês
País  Estados Unidos
Assunto História, Geografia, Ecologia, Evolucionismo social, Etnologia
Género Não-ficção
Editora W. W. Norton
Lançamento 1997
Páginas 480
ISBN 0-393-03891-2
Edição portuguesa
Editora Relógio D'Água
Lançamento 2002
Páginas 491
ISBN 972-708-695-0
Edição brasileira
Editora Record
Lançamento 2001
Páginas 472
ISBN 85-01-05600-6

Guns, Germs, and Steel: The Fates of Human Societies (no Brasil: Armas, Germes e Aço: Os Destinos Das Sociedades Humanas, 2001) é um livro de Jared Diamond, professor de Geografia na UCLA. Em 1998, a obra recebeu o Prêmio Pulitzer e o Prêmio Aventis de melhor livro científico. Um filme documentário baseado no livro foi produzido pela National Geographic Society e transmitido em julho de 2005.

Segundo o autor, um título alternativo teria sido A short history about everyone for the last 13,000 years1. Mas o livro não é simplesmente um relato do passado; ele tenta explicar por que a civilização da Eurásia, como um todo, sobreviveu e conquistou outras civilizações, ao mesmo tempo que refuta a crença de que a hegemonia eurasiana seria devida a alguma forma de superioridade intelectual ou moral. A argumentação de Diamond parte da pergunta de um papua, Yali, sobre por que o ocidente produz muita "carga", conceito qual Diamond interpreta como produção de bens materiais. Porém esta interpretação de Diamond para a expressão papua "carga" está errada, como podemos ver no livro 'A invenção da cultura', de Roy Wagner, escrito 30 anos antes. Diamond cai, justamente, em um erro alertado por Wagner de, ao associar "carga" com cultura material, ver os nativos como "parentes empobrecidos implorando por um óbolo transistorizado"[1]. Diamond argumenta que as diferenças de poder e tecnologia entre as sociedades humanas não refletem diferenças culturais ou raciais, mas sim são causadas por diferenças ambientais amplificadas por diversas retroalimentações positivas. Ele também sustenta a tese de que sociedades com excedentes alimentares e altos ou médios graus de interação com elementos externos são mais aptas a encorajar indivíduos extraordinários a perceber e usar seu potencial e também a adotar novas invenções. O autor é acusado de ser determinista geográfico. Todavia, em nenhum momento do livro Jared Diamond diz que a geografia influencia a personalidade e molda o caráter dos seres humanos.

Referências

  1. Wagner, Roy (2010). A invenção da cutura [S.l.: s.n.] 
  1. Jared Diamond: Guns, Germs, and Steel: The Fates of Human Societies. W.W. Norton & Company, March 1997. ISBN 0-393-03891-2

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em português
Em inglês
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.