Saltar para o conteúdo

Artabano da Pérsia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Para outros significados, veja Artabano.

Artabano ou Artabanes da Hircânia (em grego: Ἁρτάβανος; romaniz.: Artábanos; em latim: Artabanus), mais conhecido como Artabano da Pérsia, foi um político, militar e nobre persa que serviu os xás aquemênidas Dario I e Xerxes I. Foi ministro de guerra do xá Xerxes I durante as Guerras Médicas e a batalha de Maratona.

Nome[editar | editar código-fonte]

Artabano (Artabanus; Ἁρτάβανος, Artábanos) ou Artabanes (Artabanus; Ἀρταβάνης, Artabanēs[1]) são as formas latina e grega do persa antigo Artabanu (*Arta-bānu), "a glória de Arta". Foi registrado em parta e persa média como Ardavã (em persa médio: 𐭓𐭕𐭐𐭍, Ardawān),[2], em acadiano como Atarbanus (Atarbanuš), em elamita como Irtabanus (Irtabanuš), em aramaico como Artebenu (‘rtbnw), em lídio como Artabana (Artabãna),[3] em armênio como Artavã (Արտաւան, Artawān) e em persa novo como Ardavã (em persa: اردوان, Ardavan).[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerras médicas
Xerxes I, xá da Pérsia e faraó do Egito, teria sido, segundo historiadores, assassinado por Artabano.

Artabano nasceu na Hircânia que pertencia ao império Aquemênida. Ele foi um dos nobres que serviu o xá Dario como militar e político até sua morte. De acordo com Aristóteles, Artabano foi responsável pela morte do príncipe herdeiro Dario que era filho de Dario I. Xerxes, que não era o filho mais velho de Dario, assumiu o trono de seu pai e conquistou o título de faraó do Egito. Eles lutaram juntos contra os gregos nas Guerras Médicas, lutaram contra Leônidas de Esparta em Termópilas. Xerxes obteve a vitória, porém foi derrotado pelos gregos mais tarde. Acredita-se que Artabano teria assassinado Xerxes em 466 ou 465 a.C. Após o assassinato de Xerxes, Artabano foi durante um pequeno período regente do jovem xá Artaxerxes I, que só assumiu o trono persa em 464 a.C.[5]

Referências

  1. Gandhi 2004, p. 44.
  2. Schippmann 1986, p. 647–650.
  3. Dandamayev 1986, p. 646–647.
  4. Ačaṙyan 1942–1962, p. 316.
  5. Huart, Clement (2013). Ancient Persia and Iranian Civilization. Abingdon, RU: Routledge. p. 64. ISBN 0-415-15590-8 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ačaṙyan, Hračʻya (1942–1962). «Արտաւան». Hayocʻ anjnanunneri baṙaran [Dictionary of Personal Names of Armenians]. Erevã: Imprensa da Universidade de Erevã 
  • Gandhi, Maneka; Husain, Ozair (2004). The Complete Book of Muslim and Parsi Names. Déli: Penguin Books 
  • Schippmann, K. (1986). «Artabanus (arsacid kings)». Enciclopédia Irânica, Vol. II, Fasc. 6. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia. pp. 646–647 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.