Augustin Robespierre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Augustin Robespierre
Nascimento 21 de janeiro de 1763
Arras
Morte 28 de julho de 1794 (31 anos)
Paris
Sepultamento Cimetière des Errancis
Cidadania França
Progenitores
  • François de Robespierre
Irmão(s) Maximilien de Robespierre, Charlotte de Robespierre
Ocupação político, advogado
Causa da morte guilhotina

Augustin Bon Joseph de Robespierre, também conhecido como Augustin Robespierre (Arras, 21 de janeiro de 1763 - Paris, 28 de julho de 1794)[1] era o irmão mais novo do líder revolucionário francês Maximilien Robespierre. Suas opiniões políticas eram semelhantes às de seu irmão. Durante a Batalha de Toulon (1793), ele se tornou um defensor de Napoleão, apelidado de "Robespierre a cavalo". Quando seu irmão foi preso no 9 do Termidor, Robespierre se ofereceu para ser preso também, e foi executado na guilhotina como Maximilien e 20 outros contra-revolucionários.[2][3]

Charlotte Robespierre
Proclamação escrita por Augustin e assinada por ele, Maximilien Robespierre e Saint-Just chamando Couthon para vir à prefeitura no final da noite de 9 Termidor

A Convenção[editar | editar código-fonte]

Robespierre se candidatou à eleição para a nova Assembleia Legislativa de Arras em agosto de 1791, mas suas opiniões eram radicais demais para a cidade, que elegeu outro jovem advogado, Sixte François Deusy.[4] No entanto, em 16 de setembro de 1792, Robespierre foi eleito para a Convenção Nacional, 19º em 24 deputados, com 392 votos em 700 expressos,[5] pelos eleitores de Paris,[6] e ele juntou-se a seu irmão no Clube Jacobino.[7] Na Convenção, ele se destacou pela veemência de seus ataques à família real e aos aristocratas. Durante o julgamento de Luís XVI, ele votou a favor da aplicação da pena de morte em 24 horas.[6]

Quando ele veio pela primeira vez a Paris para sentar-se, estava acompanhado por sua irmã Charlotte, e os dois se alojaram com Maximilien na casa de Maurice Duplay na rua Saint Honoré. Assim como seu irmão Maximiliano, também Agostinho se recusou a se casar com sua filha Éléonore.[8] Logo, porém, Charlotte convenceu Maximilien a ir com eles para um novo alojamento na vizinha rua Saint-Florentin por causa de seu maior prestígio e suas tensões com Madame Duplay. No entanto, este arranjo também não durou muito.

No final de julho de 1793, Robespierre foi enviado em uma missão aos Alpes-Maritimes para reprimir a revolta federalista,[5] junto com outro deputado da convenção, Jean François Ricord, e Charlotte o acompanhou. Muito do sudeste da França (Midi) estava em rebelião contra a República, e eles mal conseguiram sobreviver após um ataque de contra-revolucionários em Manosque em 12 de agosto. Em setembro, eles chegaram a Nice, onde se sentiram seguros o suficiente para ir ao teatro, mas na terceira vez que o fizeram, foram atingidos com maçãs podres. Enquanto isso Robespierre descobriu um panfleto intitulado Le souper de Beaucaire (A ceia em Beaucaire), escrita por Napoleão, e ficou impressionado com o contexto revolucionário. Napoleão foi promovido à posição de artilheiro sênior em Toulon. Em 17 de dezembro, Augustin ficou em Ollioules. Em 19 de dezembro de 1793, Augustin não participou da ação militar, liderada por Dugommier e Napoleão, que retomou Toulon dos britânicos.[7] Ele parece ter saído algumas horas antes ou no dia seguinte, mas não estava presente quando Fréron vingou-se da população. Quando voltou a Paris, Augustin decidiu não ir morar com Charlotte; eles não estavam mais se falando.[9] No início de janeiro, Augustin Robespierre ficou chocado com a mudança de atmosfera no clube jacobino.[10][11] Nesta altura, os revolucionários temiam uns aos outros. Augustin foi morar com Ricord e sua esposa.[12] Maximilien voltou para a casa do Duplay em fevereiro de 1794,[4] doente.

Augustin Robespierre subiu as escadas da guilhotina em 28 de julho de 1794

Morte[editar | editar código-fonte]

Robespierre estava no salão da Convenção no dia 9 do Termidor II (27 de julho de 1794), quando os deputados votaram pelas prisões de Maximilien, Louis Antoine de Saint-Just e Georges Couthon após uma discussão acalorada. Robespierre então se levantou de seu lugar nos bancos e disse: "Sou tão culpado quanto ele; compartilho suas virtudes, quero compartilhar seu destino. Peço também para ser acusado". Ele foi acompanhado por Philippe-François-Joseph Le Bas.[13] Os cinco foram mantidos sob guarda nas salas da Comissão de Segurança Geral, onde permaneceram até que fosse encontrado um lugar para eles. Ouvindo as prisões, a Comuna de Paris deu ordens a todas as prisões da cidade, proibindo-as de receber qualquer preso, enviadas pela Convenção. Robespierre foi recusado na Prisão Saint-Lazare e levado para a prisão de La Force enquanto Maximilien foi levado para o Luxemburgo.[14][7] Por causa das ordens da Comuna, eles foram libertados e dirigiram-se ao Hôtel de Ville. Acompanhado por dois oficiais municipais, Robespierre foi o primeiro a chegar.[15][16] Lá eles passaram o resto da noite tentando em vão coordenar uma insurreição. Na madrugada do 10 Termidor, as forças da Convenção sob Paul Barras irromperam e conseguiram levar a maioria com vida, exceto Le Bas, que se matou, e Jean-Baptiste Coffinhal, que conseguiu escapar, mas se entregou depois de uma semana.

Para evitar a captura, Robespierre tirou os sapatos e saltou de uma saliência. Aterrou nos degraus resultando numa fractura pélvica e várias contusões graves na cabeça, num alarmante estado de "fraqueza e ansiedade".[17] Barras ordenou que Robespierre fosse levado de volta para as salas do Comitê de Segurança Geral. Após algumas horas, os prisioneiros foram levados para a prisão de Conciergerie; quatro deles estavam deitados em macas. Após identificação no Tribunal Revolucionário de acordo com a Lei de 22 Prairial, os vinte e dois condenados foram enviados para o cadafalso na Praça da Revolução no início da noite. Couthon foi o segundo dos prisioneiros a ser executado, com Robespierre como o terceiro, Hanriot como o nono e Maximilien como o décimo.[18]

Referências

  1. «Augustin, Bon, Joseph de Robespierre - Base de données des députés français depuis 1789 - Assemblée nationale». www2.assemblee-nationale.fr. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  2. Nationale, Assemblée. «Augustin, Bon, Joseph de Robespierre - Base de données des députés français depuis 1789 - Assemblée nationale». www2.assemblee-nationale.fr (em francês). Consultado em 27 de janeiro de 2018 
  3. Larousse, Éditions. «Encyclopédie Larousse en ligne - Augustin Robespierre». www.larousse.fr (em francês). Consultado em 27 de janeiro de 2018 
  4. a b Matrat, Jean (1975). Robespierre, or the Tyranny of the Majority. Traduzido por Kendall, Alan. [S.l.]: Charles Scribner's Sons. ISBN 9780684140551 
  5. a b «Augustin, Bon, Joseph de Robespierre (Biography)» (em francês). National Assembly. Consultado em 17 de abril de 2017 
  6. a b Robert, Jean Baptiste Magloire (1814). Vie politique de tous les députés à la Convention nationale (em francês). [S.l.]: Chez L. Saintmichel 
  7. a b c Scurr, Ruth (2007). Fatal Purity: Robespierre and the French Revolution. [S.l.]: Henry Holt & Sons. ISBN 9781466805781 
  8. Mémoires de Charlotte Robespierre sur ses deux frères, pp. 90–91
  9. Hamel, Ernest. Thermidor: d'après les sources originales et les documents authentiques. [S.l.: s.n.] p. 133. OCLC 1096803462 
  10. Leuwers, Hervé (24 de janeiro de 2018). Camille et Lucile Desmoulins: Un rêve de république. [S.l.]: Fayard. ISBN 9782213689463 – via Google Books 
  11. Jacob, Louis (1 de janeiro de 1960). Hébert: Le Père Duchesne, chef des Sans-Culottes. [S.l.]: Gallimard (réédition numérique FeniXX). ISBN 9782072808562 – via Google Books 
  12. Andress, David (22 de janeiro de 2015). Marisa Linton (2015) Terror and Politics, p. 480. In: The Oxford Handbook of the French Revolution. [S.l.]: OUP Oxford. ISBN 9780191009914 – via Google Books 
  13. Thompson, J. M. (2017) [1935]. Robespierre. [S.l.]: Borodino Books. ISBN 9781787205185 
  14. Baczko, Bronislaw (1994). Ending the Terror: The French Revolution After Robespierre. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 11. ISBN 978-0-521-44105-6 
  15. Hamel, Ernest (1897). Thermidor : d'après les sources originales et les documents authentiques (em francês). [S.l.: s.n.] 
  16. Jones, Colin (2014). «The Overthrow of Maximilien Robespierre and the "Indifference" of the People». The American Historical Review. 119 (3): 689–713. doi:10.1093/ahr/119.3.689 
  17. Lenotre, G. (1924). Robespierre's Rise and Fall. Traduzido por Stawell, Rodolph (Mrs.). [S.l.]: Hutchinson & Co. 
  18. Sanson, Henri; Sanson, Charles Henri; Sanson, Henri; Olbreuze, d' (1876). Memoirs of the Sansons, from private notes and documents, 1688–1847. [S.l.]: Chatto and Windus 

Leitura Adicional[editar | editar código-fonte]

  • Alexandre Cousin, Philippe Lebas et Augustin Robespierre, deux météores dans la Révolution française (2010).
  • Marisa Linton, Choosing Terror: Virtue, Friendship and Authenticity in the French Revolution (Oxford University Press, 2013).
  • Sergio Luzzatto, Bonbon Robespierre: la terreur à visage humain (2010).
  • Martial Sicard, Robespierre jeune dans les Basses-Alpes, Forcalquier, A. Crest (1900).
  • Mary Young, Augustin, the Younger Robespierre (2011, ISBN 9786054512089).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Augustin Robespierre