Aulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aulos)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela localidade francesa, veja Aulos (Ariège).
Um tocador de aulo

Aulo[1] [2] [3] (em grego clássico: αυλός; transl.: aulos; plural: αυλόι, auloi) ou tíbia (em latim: tibia) era um instrumento musical de sopro da antiga Grécia.

Diferentes instrumentos eram chamados de aulo, incluindo um que era constituído de um tubo simples (monaulo), tocado como as flautas doces, outro também de tubo simples, mas tocado horizontalmente como a flauta transversal moderna, chamado de plagiaulo (plagiaulos), outro com dois tubos separados, o diaulo (diaulos), e por fim o tipo mais corrente, de tubo simples mas com palheta, que poderia ser dupla ou simples. Entretanto, achados arqueológicos, assim como a iconografia remanescente da época e outras evidências indicam que se tratava de palheta dupla, tal como a do moderno oboé, com embocadura maior, tal como a do duduk armênio. [4]

Embora tocado por alguns aristocratas, geralmente era um instrumento usado apenas por músicos profissionais, muitos deles escravos. Era um dos mais típicos instrumentos da Grécia antiga, estando presente em uma variedade de momentos: em sacrifícios, representações teatrais, jogos e cultos, sendo especialmente associado a Dioniso.

A origem do aulo, segundo a mitologia grega, está ligada ao sátiro Marsias, que o teria inventado ou teria encontrado um exemplar rejeitado por Atena, pois, ao tocá-lo, as bochechas da deusa inchavam, arruinando sua beleza. Seja como for, o sátiro adquire tal domínio sobre o instrumento que desafia Apolo para uma competição de música, no qual o vencedor poderia fazer do oponente o que quisesse. Como seria de se esperar, Apolo, o deus da música e da poesia, venceu; então, amarrou o sátiro a uma árvore e o esfolou vivo, para punir sua desmedida arrogância (húbris). O sangue de Marsias e as lágrimas das Musas teriam formado o rio Marsias, na Frígia.

Mesmo brutal, o mito expressa bem as conseqüências de aproximação indevida ao divino e reflete a tensão experimentada pelos gregos entre a lira e o aulo, símbolos, respectivamente, das oposições liberdade/tirania, profissionalismo/amadorismo, moderação/excesso. Isso levou, no século XIX, a uma interpretação equivocada dos temperamentos apolíneo (aquele que contempla a beleza e a harmonia) e dionisíaco (irracional, anárquico, confuso), vistos então como irreconciliáveis. Contudo, no templo de Apolo em Delfos existia um santuário para Dioniso, e este era, às vezes, representado tocando uma lira ou cítara, instrumentos tipicamente associados a Apolo.

Referências

  1. «Aulo». Aulete. Consultado em 9 de outubro de 2014 
  2. «Aulo». Dicio. Consultado em 9 de outubro de 2014 
  3. «Aulo». Priberam. Consultado em 9 de outubro de 2014 
  4. West, Martin L. (janeiro de 1992). Ancient Greek Music. [S.l.]: Clarendon Press. p. 84. ISBN 0-19-814975-1. The single reed or clarinet mouthpiece was known to other ancient peoples, and I should not venture to assert that it was not known to the Greeks. But the evidence of both art and literature indicates that it was the double reed that was standard in the Classical period. Under the Hornbostel-Sachs system, therefore, the aulos should be classified as an oboe. It must be admitted that 'oboe-girl' is less evocative than the 'flute-girl' to which classicists have been accustomed, and that when it is a question of translating Greek poetry 'oboe' is likely to sound odd. For the latter case I favor 'pipe' or 'shawm'." Tradução: "A palheta simples ou de clarinete era conhecida por outros povos antigos, e eu não me arriscaria a afirmar que não era conhecida pelos gregos. Mas as evidências, tanto na arte como na literatura, indicam que a palheta dupla era o padrão no período clássico. No sistema Hornbostel-Sachs, portanto, os aulos devem ser classificados como um oboe. Deve admitir-se que "uma oboista" é menos evocativo do que "uma flautista", a que os classicistas estavam acostumados, e que, quando se trata de traduzir a poesia grega, "oboé" provavelmente parecerá estranho. Nesse último caso, prefiro "flauta" ou "charamela". 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]