Autocunnilingus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Autocunnilingus é a prática do cunnilingus por uma mulher em si mesmo, sugando ou usando a língua na própria genitália como uma forma de masturbação.[1] É a versão feminina da Autofelação.

Documentação[editar | editar código-fonte]

Um grau incomumente alto de flexibilidade, como o de um contorcionista, seria necessário para realizar o ato.[2][3][4][5] Ao contrário do equivalente masculino, a Autofelação, que requer uma curva frontal menos extrema e é conhecido por ser alcançável por uma pequena fração da população masculina, o autocunnilingus não foi documentado com segurança.[6] No entanto, foi relatado como uma fantasia autodestrutiva[7] e ocorrências foram relatadas em primatas não humanos.

Na Ficção[editar | editar código-fonte]

Em "Besorgung", um de seus epigramas venezianos, Goethe imaginou Bettina se tornando suficientemente flexível para realizar autocunnilingus e se masturbar sem precisar de um parceiro(a).[8][9] Camille Paglia compara a imagem resultante às "gravuras de figuras contorcidas solipsisticamente" de William Blake.[10]

Referências

  1. "autocunnilingus", The Complete Dictionary of Sexology, expanded ed., ed. Robert T. Francoeur et al., New York: Continuum, 1995, ISBN 9780826406729, p. 49.
  2. "Schlangenfrau gesucht" - "Sought: snake-woman", Mario Günther-Bruns, Sexgott: 1.000 Tabubrüche, Diana 60223, Munich: Heyne, 2013, ISBN 9783453602236, n. p. (em alemão)
  3. Eva Christina, The Book of Kink: Sex Beyond the Missionary, New York: Perigee, 2011, ISBN 978-0-399-53694-6, OCLC 706018293, n. p.
  4. Jesse Bering, "So Close, and Yet So Far Away: The Contorted History of Autofellatio", in Why Is the Penis Shaped Like That?: And Other Reflections on Being Human, New York: Scientific American / Farrar, Straus, Giroux, 2012, ISBN 9780374532925, pp. 11–16, p. 16.
  5. Drawing, Art of Love: Nearly 100 Sex Positions and Wealth of Illustrated Material from Foreplay to Anatomy, e-book, Mobilereference.com, 2007, ISBN 9781605011172, n.p.
  6. William Guy and Michael H. P. Finn, "A Review of Autofellatio: A Psychological Study of Two New Cases", Psychoanalytic Review 41 (1954) 354–58.
  7. Fear of Being Fat: The Treatment of Anorexia Nervosa and Bulimia, ed. C. Philip Wilson with Charles C. Hogan and Ira L. Mintz, Classical psychoanalysis and its applications, New York: Aronson, 1983, ISBN 9780876684801, p. 145.
  8. Ludger Lütkehaus, "'O Wollust, o Hölle': Onanie, Phantasie und Literatur", Die Zeit, 15 November 1991, p. 10 (em alemão)
  9. W. Daniel Wilson, Goethe Männer Knaben: Ansichten zur "Homosexualität", Berlin: Insel, 2012, ISBN 9783458175421, p. 500 (pdf p. 8) (em alemão)
  10. Camille Paglia, Sexual Personae: Art and Decadence from Nefertiti to Emily Dickinson, 1990, repr. New York: Vintage, 1991, ISBN 9780679735793, p. 253.

Ver também[editar | editar código-fonte]