Avelãs de Caminho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Portugal Portugal Avelãs de Caminho 
  Freguesia  
Símbolos
Brasão de armas de Avelãs de Caminho
Brasão de armas
Localização
Localização no município de Anadia
Localização no município de Anadia
Avelãs de Caminho está localizado em: Portugal Continental
Avelãs de Caminho
Localização de Avelãs de Caminho em Portugal
Coordenadas 40° 28' 45" N 8° 27' 12" O
Município Ficheiro:AND.png Anadia
Administração
Tipo Junta de freguesia
Presidente Lúcia Maria Rodrigues de Jesus (Movimento Pela Nossa Terra)
Características geográficas
Área total 6,45 km²
População total (2021) 1 295 hab.
Densidade 200,8 hab./km²
Código postal 3780
Outras informações
Orago Santo António

Avelãs de Caminho é uma freguesia portuguesa do município de Anadia, integrada na Região de Aveiro. Estende-se por uma área de 6,45 km² e possui 1 295 residentes [1], com uma densidade populacional de 200,8 hab/km².

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A primeira referência escrita a Avelãs de Caminho pode ler-se num documento datado de 11 de Março de 934 [2], onde se faz a divisão do património de Guterre Mendes, filho de Hermenegildo Guterres, conde de Coimbra. A referência aparece sob a forma “avellanas”. Mas, donde lhe vem esse nome?

Segundo relata o Padre António Nogueira Gonçalves[3] no seu Inventário Artístico de Portugal [4], depreende-se que avelanas “deveria ter sido o nome da região baixa daquela ribeira que, vinda de nascente das alturas do Boialvo, vai afluir ao Cértoma pela margem direita «ubi se avelanas infundit in certoma», relata-nos um documento de 1064 (Inventário dos bens pertencentes ao Mosteiro da Vacariça), dela tomando nome as duas actuais sedes de freguesia [Avelãs de Caminho e Avelãs de Cima] e o pequeno curso fluvial”.

Presume-se, naquele relato, que a região fosse densamente povoada de aveleiras, o que ocasionaria que aquele curso fluvial (Ribeiro da Serra da Cabria) adquirisse o nome “avelanas”.

Contudo, não há evidências de que assim tenha sido. Fernando Almeida [5] nos seus estudos de toponímia, refere-se assim ao topónimo avelã:

"O significado dos nomes dos sítios que geralmente se faz deve ser repensado, compreendendo que na maior parte dos casos esses nomes são de grande antiguidade e as palavras que lhes deram origem já se não usam nos nossos dias. Por isso a semelhança entre os nomes dos sítios e palavras atuais da nossa língua é quase sempre enganadora. O exemplo que vou dar, ainda que simples, ou por isso mesmo, ajuda a perceber a situação. É bom de ver que o topónimo "Avelã" não tem qualquer relação com árvores ou arbustos fruteiros. De facto o topónimo “Avelã” ou as suas variantes – “Avelão”, “Avelãs”, “Abelã” – deve ter nascido da existência de um poço, que em fenício se diz “Ab” ou “Av” junto do qual se parava em viajem para descansar ou pernoitar – em fenício “ln”. Assim, de “Av lan” ou “Ab lan” se formou o topónimo Avelã e suas variantes, com o significado genérico de “paragem do poço” ou “dormida do poço”. Deve portanto tratar-se de local por onde passavam antigos caminhos com alguma importância."

Esta tese encaixa perfeitamente naquilo que se sabe sobre a história antiga da povoação, visto que existiu, na Idade Média, um Paço [6] utilizado para pernoita da Comitiva Real nas suas viagens entre o norte e o sul do território.

Na carta de couto para Barrô, dada a 14 de Fevereiro 1132 por D. Afonso Henriques ao Bispo de Coimbra D. Bernardo, Avelãs de Caminho aparece pela primeira com a designação avelanas deiusanas (Avelãs de Jusão [ou de Baixo]), distinguindo-se assim da povoação homónima, Avelãs de Cima.

No trecho que se apresenta de seguida podem ler-se as confrontações daquele couto:

“(…) et inde quomodo diuiditur agualata cum sangalios et inde quomodo diuiditur agualata cum auelanas deiusanas et inde quomodo diuiditur agualata cum auellanas desusanas et inde quomodo diuiditur ista agalata cum agulata de susana (…)”.

Leitura

"(...) e ainda como confronta Aguada [de Baixo] com Sangalhos, e ainda como confronta Aguada [de Baixo] com Avelãs de Jusão e ainda como confronta Aguada com Avelãs de Cima e ainda como confronta esta Aguada [de Baixo] com Aguada de Cima (...)"

Mais tarde, a designação "de Baixo" evoluiu para "do Caminho", pelo facto de se ter verificado uma alteração no traçado da principal via que atravessava o país de norte a sul: a antiga via militar romana que ligava Braga a Lisboa. Inicialmente, aquela via atravessava Sangalhos, mas no século XII passou a cruzar Avelãs de Caminho, tendo sido entretanto rebaptizada de Estrada Real.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Avelãs de Caminho [7]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
513 554 582 610 667 706 750 805 916 988 946 1 132 1 135 1 236 1 252
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 015-24 Anos 25-64 Anos < 65 Anos 0-14 Anos 015-24 Anos 25-64 Anos < 65 Anos
2001 204 144 635 253 16,5% 11,7% 51,4% 20,5%
2011 180 120 665 287 14,4% 9,6% 53,1% 22,9%

Património[editar | editar código-fonte]

  • Igreja de Santo António (matriz)
  • Capelas do Senhor dos Aflitos e da Senhora da Saúde
  • Casa seiscentista
  • Moinhos da Quebrada, da Rua de Trás, dos Nogueiras e do Moinho Novo

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.