Balbeque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Baalbek)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde outubro de 2011). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pix.gif Balbeque *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

BaalbekBacchusTemple.jpg
Templo de Baco
País Líbano
Critérios (i) (iv)
Referência 294
Coordenadas 34° 0' 25" N 36° 12' 14" E
Histórico de inscrição
Inscrição 1984  (8ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Balbeque

Balbeque[1] ou Baalbeque[2] (em aramaico: Balabakk; em árabe: بعلبك‎‎; transl.: Baʿalbek), também conhecida pelos romanos como Heliópolis (em latim: Heliopolis), é uma cidade histórica do Líbano.

História[editar | editar código-fonte]

Antiga cidade da Fenícia, no vale do Beca, tornou se colônia romana sob o imperador Augusto (r. 27 a.C.–14 d.C.). A acrópole da cidade conserva importantes vestígios romanos. As gigantescas ruínas de Balbeque se encontram em meio à planície de Beca, entre as cordilheiras do Líbano e do Anti-Líbano. Foi chamada Heliópolis, "cidade do sol", pelos gregos e romanos.

Sua origem recua até perder-se nas lendas antigas de Baal, que era considerado " o controlador do destino humano". Durante os primeiros séculos da era cristã, Balbeque foi muito próspera e famosa. Seus edifícios, como os conhecemos agora, tiveram sua construção iniciada pelo Imperador romano Antonino Pio (r. 138–161), e continuada por Septímio Severo e outros imperadores até Caracala (r. 211–217).

Os romanos construíram Balbeque para honrar a Júpiter, a Baal e a Baco, e para impressionar as nações do Oriente com o poder e a grandeza de Roma. Na condição de centro de adoração do Sol, ela tornou-se conhecida como a morada de um oráculo (centro de adivinhações). A cidade foi visitada pelos principais governantes da época e por pessoas importantes que vinham de todas as partes.

A base do templo possui pedras entre 900 e 1 400 toneladas alinhadas, perfeitamente encaixadas e apoiadas entre 5 e 10 metros de altura sobre outras pedras menores. Seu formato e tamanho das pedras também é comparado com o Templo de Jerusalém onde, em seu centro, existe o Domo da Rocha do Islamismo, no exato local onde estaria construído o Santo dos Santos (centro do templo israelita), sobre uma rocha segundo a qual os deuses visitavam a terra e ficavam sobre ela, chamada Pedra Sagrada.

Referências

  1. Grande enciclopédia portuguesa e brasileira. 16. Lisboa: Editorial Enciclopédia. 1960s. p. 389 
  2. Schneider 1962, p. 16.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Schneider, Wolf. De Babilônia a Brasília: a cidade como destino do homem, de Ur a Utopia. São Paulo: Boa Leitura 
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.