Bahiga Hafez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bahiga Hafez
Nascimento 4 de agosto de 1908
Alexandria
Morte 1983 (75 anos)
Cidadania Egito
Ocupação atriz, compositora, roteirista

Bahiga Hafez (em árabe: بهيجة حافظ, 1901-1983)[1] foi uma roteirista egípcia, compositora, diretora, editora, produtora e atriz.[2][3][4][5][6][7][8]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Bahiga Hafez nasceu e cresceu em Alexandria em uma família aristocrática com vínculos com a monarquia.[6][8][9] Hafez começou a estudar música no Cairo e depois passou a estudar composição musical em Paris, estudando piano no conservatório.[6][8] Hafez fala francês, árabe e outras línguas.[7][8][9]  Hafez era uma herdeira Pacha.[7][10][11][12][13]

Depois de retornar ao Egito, ela morava no Cairo, onde ela frequentava salões literários.[6] Também em seu retorno ao Egito, Hafez lançou um álbum intitulado Bahiga que tocava na transmissão de rádio da época. [8]

Em 1930, estrelou o filme Zeinab (1930). Isso levou sua família a deserdá-la, já que trabalhar no cinema era muito vergonhoso na época, especialmente para alguém de seu status social.[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Hafez é frequentemente citada como sendo uma das mulheres pioneiras no cinema egípcio.[12]

Ela começou sua carreira no cinema como atriz, estrelando o filme silencioso Zeinab (1930), dirigido por Mohamed Karim,[2][7] que também compôs a pontuação para.[5][9] Karim procurou um rosto particularmente feminino para o papel principal, e depois de conhecer Hafez em uma festa, ofereceu-lhe o papel.[8] O filme em si era bastante popular.[8] Seu envolvimento neste projeto despertou seu interesse em trabalhar no cinema.

Hafez fundou a empresa Fanar Films em 1932.[6][14][15] Com Fanar Films, Hafez co-dirigiu o filme al-Dahaya (1932), chamado "The Victims" em inglês, no qual também desempenhou um papel importante. Ela também foi compositora, compositora e editora do filme.[11] Revelou o filme 3 anos depois com o som.[6]

O primeiro filme dirigido por solo de Hafez foi Laila bint al-sahara (Laila the Desert Girl), 1937 (título alternativo: Laila bint al-Badawiyya[6]), mas não foi lançado até 1944 com um novo título, Layla al-Badawiyya (Layla os beduínos). Hafez trabalhou como diretor, produtor (com Fanar Films), co-roteirista, compositor e atriz principal.[5] O filme foi estreado no Festival de Cinema de Veneza em 1938, mas foi proibido de passar no Egito devido às suas representações negativas de persas, especialmente a realeza persa; deveria ser lançado no mesmo ano no Egito como o casamento do xá da Pérsia e da princesa Fawzia do Egito.[6][9][12][15][15][16] Contudo, o filme não teve muito sucesso.[11]

Depois de não trabalhar no filme por algum tempo, Hafez foi convidada pelo diretor Salah Abou Seif para participar como uma das princesas em seu filme el Qâhirah talâtîn (1966). Isso marcou o retorno de Hafez ao cinema, mas também a sua última aparição.[11]

Muito do seu trabalho como cineasta se perdeu e apenas as menções de seu trabalho permanecem.[4] Uma cópia de seu filme al-Dahaya foi encontrada em 1995.[6]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Título em inglês Créditos
1930 Zeinab Atriz, compositora
1932 al-Dahaya The Victims[11] Atriz, co-directora, designer, editora, produtora
1934 el Ittihâm The Accusation[11] Atriz, produtora
1935 al-Dahaya The Victims Atriz, directora, produtora
1937 Laila bint al-sahara Laila the Desert Girl Atriz, compositora, directora, produtora
1944 Layla al-Badawiyya Layla the Bedouin Atriz, compositora, directora, produtora
1947 Zahra Atriz,[9] produtora
1966 el Qâhirah talâtîn Cairo 30[11] Atriz

Referências

  1. «The Plight of Women in Egyptian Cinema 1940s 1960s» (PDF) 
  2. a b «Studio Misr, etc - Al-Ahram Weekly». weekly.ahram.org.eg. Consultado em 15 de março de 2016 
  3. «Women's Films and Social Change». www.highbrowmagazine.com. Consultado em 15 de março de 2016 
  4. a b Knott, Matthew Hammett. «Heroines of Cinema: 9 Things We Could Learn From Taking a Global Perspective on Women Directors». Indiewire. Consultado em 15 de março de 2016 
  5. a b c Leaman, Oliver (16 de dezembro de 2003). Companion Encyclopedia of Middle Eastern and North African Film (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781134662517 
  6. a b c d e f g h i Hillauer, Rebecca (1 de janeiro de 2005). Encyclopedia of Arab Women Filmmakers (em inglês). [S.l.]: American Univ in Cairo Press. ISBN 9789774249433 
  7. a b c d e Hottell, Ruth A.; Pallister, Janis L. (16 de setembro de 2011). Noteworthy Francophone Women Directors: A Sequel (em inglês). [S.l.]: Lexington Books. ISBN 9781611474442 
  8. a b c d e f g «SIS Bahiga Hafez». www.sis.gov.eg. Consultado em 15 de março de 2016 
  9. a b c d e Armes, Roy (1 de janeiro de 2008). Dictionary of African Filmmakers (em inglês). [S.l.]: Indiana University Press. ISBN 0253351162 
  10. Medmem.eu, Institut National de l'Audiovisuel –. «In front of the Mirror: the filmmaker Bahiga Hafez». medmem.eu. Consultado em 15 de março de 2016 
  11. a b c d e f g «Bahiga Hafez, AlexCinema». www.bibalex.org. Consultado em 15 de março de 2016 
  12. a b c Nelmes, Jill; Selbo, Jule (29 de setembro de 2015). Women Screenwriters: An International Guide (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 9781137312372 
  13. Smither, Roger B. N. (1 de janeiro de 2002). This Film is Dangerous: A Celebration of Nitrate Film (em inglês). [S.l.]: Federation Internationale des Archives du Film (FIAF). ISBN 9782960029604 
  14. Women and Film. [S.l.]: Women & Film. 1973. p. 90 
  15. a b c Aghacy, Samira (1 de março de 2015). Writing Beirut: Mappings of the City in the Modern Arabic Novel (em inglês). [S.l.]: Edinburgh University Press. ISBN 9781474403467 
  16. Nelmes, Jill; Selbo, Jule (29 de setembro de 2015). Women Screenwriters: An International Guide (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 9781137312372