Batalha de Niså

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Niså
Invasão da Dinamarca por Haroldo Hardrada
Harald Hardraades saga-Dei saag danskeskipa-W. Wetlesen.jpg
Navios noruegueses avistando os navios dinamarqueses no horizonte, como imaginado por Wilhelm Wetlesen (1899)
Data 9 de agosto de 1062
Local Nissan, Halland, Dinamarca (atual Suécia)
Desfecho Vitória norueguesa
Beligerantes
Reino da Noruega Reino da Dinamarca
Comandantes
Haroldo Hardrada
Haakon Ivarsson
Sueno II da Dinamarca
Finn Arnesson (prisioneiro de guerra)
Forças
150 navios 300 navios (sagas)
menos do que Haroldo (Saxão)
Baixas
Desconhecido 70 navios abandonados
O restante recuou
Portal A Wikipédia possui o
Portal Guerra

Batalha de Niså (Slaget ved Niså) foi uma batalha naval travada em 9 de agosto de 1062 entre as forças do rei norueguês Haroldo Hardrada e rei Sueno II da Dinamarca. Haroldo reivindicava o trono dinamarquês desde 1047, e lançou ataques na Dinamarca desde então. Com sua invasão em 1062, queria decisivamente derrotar os danos, e, assim, finalmente ser capaz de conquistar o país. A batalha foi ganha claramente pelos noruegueses, mas como muitos danos conseguiram escapar, incluindo Sueno, revelou-se indecisa na tentativa de Haroldo em conquistar a Dinamarca.[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Quando Haroldo tornou-se o único rei da Noruega em 1047, também reivindicou o trono dinamarquês, apesar de que o seu antecessor e co-regente Magno, o Bom (rei da Noruega e Dinamarca) designou Sueno Estridsen como seu sucessor na Dinamarca. Desde 1048, lançou ataques na Dinamarca quase que anualmente, na tentativa de forçar Sueno a sair do país. Embora os ataques foram bem sucedidos, nunca conseguiu ocupar a Dinamarca. Com a invasão, em 1062, procurou obter uma vitória decisiva sobre a Suécia.[2][3][4]

A batalha[editar | editar código-fonte]

De acordo com o escritor de sagas islandês Snorri Sturluson, a batalha tinha sido pré-atribuída com horário e lugar, mas Sueno não apareceu como combinado. Assim, Haroldo enviou para casa seus navios e soldados não profissionais, o "exército camponês" (bóndaherrin), o que reduziu suas forças pela metade. Quando os navios estavam fora de vista, Sueno finalmente apareceu e engajou as frotas do norueguês. Com o seu próprio navio assim chamado drekanum no meio, Haroldo fixou seus navios em conjunto, a fim de evitar falhas na linha. Colocou o conde Haakon Ivarsson e suas forças de Trøndelag nos flancos. O rei dinamarquês usou a mesma tática, mas de modo diferente Haroldo tinha o seu próprio conde Finn Arnesson colocado bem próximo de si mesmo, em vez de nos flancos. A batalha começar ao anoitecer, e durou toda a noite.[5][6]

Os dois lados ficaram equilibrados por um longo tempo na batalha, até Haakon desacoplar seus navios dos flancos e começar a atacar os navios dinamarqueses enfraquecidos nos flancos. Sueno não tinha nenhuma força de reserva análoga, e sua frota foi derrotada pela madrugada, com 70 navios "vazios" e o restante em retirada. Enquanto Finn Arnesson lutou até ser foi capturado, o rei dinamarquês pulou na água e foi resgatado por seu antigo aliado Haakon (embora sem saber para Haroldo). Haakon foi universalmente reconhecido após a batalha, inclusive por Haroldo, como o herói da batalha, mas quando sua traição em resgatar Sueno foi descoberta ele caiu em desgraça (embora alegou que Sueno estivera disfarçado, e que não tinha reconhecido que era ele).[7]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Embora Haroldo ganhou a batalha, a vitória não foi decisiva uma vez que muitos navios e homens dinamarqueses conseguiram escapar, incluindo o rei. O tecido econômico e social da Dinamarca tinham sido destruído pelas incursões anuais, mas a longa guerra também cobrou seu preço na Noruega. Após a batalha de Niså, o líder norueguês teve problemas com coleta de impostos nos Planaltos, e provavelmente também em outras regiões. Em 1064, Haroldo finalmente ofereceu paz incondicional a Sueno, sem reparação ou perda de terra, e os dois reis concordaram com a reconciliação.[8]

Referências

  1. Arntzen, Jon Gunnar. «Hvide-slekten – Danmarks mektigste stormannsslekt på 1100- og 1200-tallet». Store norske leksikon (em norueguês). Consultado em 18 de setembro de 2016 
  2. DeVries (1999) p. 61
  3. Krag, Claus. «Harald 3 Hardråde, Konge». Norsk biografisk leksikon (em norueguês). Consultado em 18 de setembro de 2016 
  4. «Svend 2. Estridsen». Den Store Danske (em dinamarquês). Consultado em 18 de setembro de 2016 
  5. DeVries (1999) pp. 61–64
  6. Krag, Claus. «Finn Arnesson -Høvding, Jarl, Lendmann». Norsk biografisk leksikon (em norueguês). Consultado em 18 de setembro de 2016 
  7. DeVries (1999) pp. 64–65
  8. DeVries (1999) pp. 65–66

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DeVries, Kelly (1999). The Norwegian Invasion of England in 1066. Martlesham, Suffolk: Boydell & Brewer Ltd. ISBN 9780851157634