Bateria do Morro da Viúva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bateria do Morro da Viúva
"Entrada do Forte do Morro da Viúva" (Augusto Malta, 1906)
Brazilian States.PNG
Construção Pedro II do Brasil (1863)
Estilo Abaluartado
Conservação Demolida (c. 1923)
Aberto ao público Não

A Bateria do Morro da Viúva localizava-se no alto do Morro da Viúva, divisa entre a enseada do Flamengo e a de Botafogo, na cidade e estado do Rio de Janeiro, no Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Erguida em 1863 no contexto da Questão Christie (1862-1865), com a finalidade de defender a baía de Botafogo e a enseada do Flamengo, até à altura do Passeio Público, cooperando com a Fortaleza de São João, o Forte da Laje e a Fortaleza de Villegagnon.[1]

O mesmo autor observa que, devido às suas pequenas dimensões, pouca altitude, e vulnerabilidade a tiros curvos, essa fortificação, à época (1885), revestia-se de pequena importância.[2]

BARRETTO (1958) reporta ter sido esta bateria desarmada em 1885.[3]

Uma fotografia de Augusto Malta registra o portão de armas deste forte em 25 de outubro de 1906,[4] cuja inscrição epigráfica, sobre o portão, rezava:

"Petrus II - Braziliae Constitutionali Imperatore Perpetuo Defensore - Hoc Perfectum Monumentum Patrie Independentiae Quadragesimo Quarto. MDCCCLXVI".

Concluído em 1866, sofreu várias reformas até 1872, tendo sido arrasado por volta de 1923, quando da abertura da atual Av. Rui Barbosa.

Referências

  1. SOUZA, 1885:109.
  2. Op. cit., p. 109.
  3. Op. cit., p. 250.
  4. "Forte do Morro da Viúva", s.d., p/b, 18,0 x 23,5cm. IHGB, Rio de Janeiro. Ver ainda "Entrada do Forte do Morro da Viúva" in Instituto Moreira Salles.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AGUIAR, Ulysses. "Crónica sobre o morro da Viúva". in Revista da Semana, Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 1934, ano XXXVI, nº 1.
  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368 p.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]