Biblioteca Ambrosiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Biblioteca Ambrosiana
Tipo biblioteca, biblioteca pública
Inauguração 1602 (415 anos)
Website oficial
Geografia
Coordenadas 45° 27' 47" N 9° 11' 7" E
Cidade Zone 1 Centro storico of Milan
País Itália

A Biblioteca Ambrosiana é uma biblioteca histórica em Milão, que também abriga a Pinacoteca Ambrosiana, uma galeria de arte. Seu nome vem de Ambrósio, o santo padroeiro de Milão.

História[editar | editar código-fonte]

Federico Borromeo, cardeal arcebispo de Milão, durante as estadias em Roma, entre 1585 e 1595, e de 1597 a 1601, maturou a ideia de uma instituição cultural de alto nível artístico, literário e científico, para um "serviço universal" à glória de Deus e para a promoção integral dos valores humanísticos. Voltando a Milão, enviou emissários para colher manuscritos e estampas de todas as partes do Mundo, entregando-os a construção da Ambrosiana, confiando a construção em Lelio Buzzi e Francesco Maria Richini, em 1603, e em 1611 a Fabio Mangone, que adicionou ao prédio da Biblioteca mais dois salões para a academia e as coleções de arte.

Em 15 de outubro de 1816, o poeta romântico Lord Byron visitou a biblioteca. Ele ficou deslumbrado com as cartas entre Lucrezia Borgia e Pietro Bembo ("As cartas de amor mais bonitas do mundo") e afirmou ter conseguido roubar uma fivela de cabelo ("o mais bonito imaginável") em exibição. [1]

Entre 1826 e 1836, Giacomo Moraglia, na área da igreja pré-existente de S. Maria della Rosa, percebeu o pátio neoclássico e derrubou a entrada do lado norte, incorporando o salão renascentista da Confraternita del Pio Istituto, de Santa Corona. Em 1923, o pátio neoclássico se transformou na sala de leitura presente e, em 1928, foi anexado a Ambrosiana o edifício pertencente aos Oblatos fundado por San Carlo Borromeo, com a igreja de Santa Maria Madalena no Santo Sepulcro de origem milenar, antecedente as primeiras cruzadas. Após os bombardeios de 1943, em meio a segunda guerra mundial, o trabalho de restauração foi confiado a Luigi Caccia Dominioni. De 1990 a 1997, foram realizadas obras de restauração e remodelação, modernização completa de quase todos os ambientes, graças à contribuição do banco Cariplo, então chamado de Intesa-Bci. [2]

Instituição[editar | editar código-fonte]

O Cardeal Federico Borromeo confiou em 1604 a atividade científica e cultural da Ambrosiana a um colegiado de médicos presidido por um prefeito que, de acordo com as normas promulgadas em 1998 pelo arcebispo de Milão, Carlo Maria Martini, é nomeado pelo Arcebispo. O Colégio dos Médicos e a Biblioteca Ambrosiana foram apoiados pelas regras sábias estabelecidas pelo fundador, que assegurou a continuidade ao estabelecer uma Congregação Conservadora e fornecer recursos adequados. Os médicos foram originalmente previstos para um total de doze eclesiásticos, ao lado de quatro médicos leigos. Os motores de pesquisa, ensino e estudo deveriam ser membros de três colegiados que deveriam ter ação coordenada: Médicos, Professores e Alunos. Foi assim que a missão e a identidade da Ambrosiana foram traçadas como um centro de excelência literário, científico e artístico em um contexto interdisciplinar e universitário, de acordo com a singularidade singular ainda em uso. Desde 2008, a Fundação Cardeal Federico Borromeo foi criada para prestar apoio financeiro às atividades culturais sempre ampliadas e expandidas da Ambrosiana. [3]

A biblioteca[editar | editar código-fonte]

Com a abertura ao público da Biblioteca Ambrosiana, em 8 de dezembro de 1609, nascia aquela em 1623, Galileu Galilei escreveu ao cardeal Federico definindo "[...] a biblioteca heróica e imortal". A herança original incluiu cerca de 30.000 impressões e 8.000 manuscritos, comprados em todo o mundo, de terras distantes da Arábia, China, Rússia, Índia e Japão, entre os mais preciosos da história da cultura e da ciência ocidental e oriental. Podemos lembrar entre eles o Ilias picta do século V, já pertencente a Gian Vincenzo Pinelli, o Virgílio, de Francesco Petrarca, a miniatura de Kitāb al-Hayawān ("O Livro dos Animais"), de al-Jāḥiẓ, o mapa chinês "萬 國 全 圖" de Giulio Aleni.

A fama da Ambrosiana atraiu outras doações excepcionais, como os códigos de Leonardo oferecidos por Galeazzo Arconati em 1637 e o maravilhoso Museu de Manfredo Settala. As doações continuaram ao longo dos séculos, permitindo, em 1909, a aquisição de 1600 códigos árabes do Fundo Caprotti, incluindo os mais recentes do indólogo Enrico Fasana, do Instituto Italiano-Chinês Vittorino Colombo e de outras instituições culturais italianas e estrangeiras. Desde 2009, foi iniciado no Salão Federico Ambasciana e na Sacristia Monumental de Bramante em Santa Maria delle Grazie, uma série de Exposições que - culminando em 2015, ano da Exposição Universal de 2015 em Milão - expandiu gradualmente a obra-prima do gênio de Leonardo da Vinci, com mais de 2000 de seus projetos coletados nas 1119 folhas do Código Atlântico. [4]

Pinacoteca[editar | editar código-fonte]

Federico Borromeo foi o primeiro defensor e posteriormente, patrono da Accademia di San Luca, projetada pelo Papa Gregório XIII em 1577 e inaugurado em Roma por Federico Zuccari em 1593. Em 1595, em Milão, já como arcebispo, planejou fundar uma Academia de Arte, igual as de Florença e Roma. Os professores do cardeal foram, entre outros, Giusto Lipsio, professor em Louvain, Ericio Puteano, professor das Escolas Palatinas de Milão e Brueghel e os irmãos Brill entre os artistas. Em 1618, Frederico doou à Ambrosiana sua coleção de pinturas e desenhos, constituindo assim o núcleo original da Pinacoteca, com obras de Rafael, Caravaggio, Leonardo da Vinci, Ticiano, Bernardinho Luini, entre outros. A fundação da Academia de Desenho, Pintura, Escultura e Arquitetura aconteceu em 25 de junho de 1620, com a nomeação de três mestres: Giovanni Battista Crespi, chamado de Cerano, Gian Andrea Biffi e Fabio Mangone, diretores respectivamente de pintura, escultura e pintura, e por fim, arquitetura; Os primeiros estudantes estavam no número de nove. Hoje, a Pinacoteca inclui 24 salas e admira cerca de 300 obras de arte dos melhores artistas italianos e europeus,[5] com um plano plurianual de exposições de obras no exterior. [6]

Academia[editar | editar código-fonte]

As pesquisas acadêmicas se tornaram mais intensas com a fundação, no ano de 1963, da Academia de San Carlo Borromeo, da parte do arcebispo cardeal Giovanni Battista Montini, que se tornaria o Papa Paulo VI. Em 1976, com o novo estatuto, o cardeal Giovanni Colombo confiava a direção ao monsenhor Carlo Marcora, médico da Biblioteca Ambrosiana. Após uma renovação do estatuto pelo cardeal Carlo Maria Martini em 1994, em 2003 acontece a fundação da Academia de Sant'Ambrogio, que faria uma fusão com a Academia de San Carlo Borromeo em 2008 pelo arcebispo de Milão, Dionigi Tettamanzi, que tornaria ambas uma só academia, com sete classes de estudos: borromaicos, ambrosianos, grego e latim, italianos, eslavos, do Oriente Próximo e do Extremo Oriente. As duas últimas classes incluem sete seções de Estudos árabes, armênios, judeus e siríacos e, no Leste Asiático, estudos sobre as diferentes culturas da região, especialmente chineses, japoneses e indianos. [7]


Referências

  1. Quattrocchi, Ed (Outubro de 2005). «Pietro Bembo: A Renaissance Courtier Who Had His Cake and Ate It Too» (PDF). Journal of the Caxton Club of Chicago. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  2. A. Paredi, Storia dell'Ambrosiana, Neri Pozza, 1981;; A. Paredi, A History of the Ambrosiana, University of Notre Dame Press, 1983; Storia dell'Ambrosiana, 4 volumi, Cariplo-Intesa Bci, Milano, 1996-2002; Mario Panizza, L'Ambrosiana…De Agostini, 2013; Mario Panizza, San Sepolcro [in stampa]
  3. Site da Fundação Cardeal Federico Borromeo (em italiano) http://www.leonardo-ambrosiana.it/
  4. Disegni di Leonardo dal Codice Atlantico - Drawings by Leonardo from the Codex Atlanticus [in continuazione]; T. 1, Fortezze, bastioni e cannoni – Fortresses, Bastions and Cannons, PIETRO C. MARANI con ANNA MALIPIERO edd., Veneranda Biblioteca Ambrosiana, Milano – Istituto Geografico De Agostini, Novara, 2009; T. 2, La biblioteca, il tempo e gli amici di Leonardo – Leonardo's Library, Times and Friends, EDOARDO VILLATA edd., Veneranda Biblioteca Ambrosiana, Milano – Istituto Geografico De Agostini, Novara, 2009; T. 3, L'architettura, le feste e gli apparati – Architecture, Festivities and Ephemeral Displays, PAOLO CORDERA ed., Veneranda Biblioteca Ambrosiana, Milano – Istituto Geografico De Agostini, Novara, 2010; T. 4, Leonardo, la politica e le allegorie – Leonardo, Politics and Allegories, MARCO VERSIERO ed., Veneranda Biblioteca Ambrosiana, Milano – Istituto Geografico De Agostini, Novara, 2010; T. 5, Le armi e le macchine da guerra: il De re militari di Leonardo. Disegni di Leonardo dal Codice Atlantico – Weapons and Machines of war: Leonardo's De re militari. Drawings by Leonardo from the Codex Atlanticus, MATTHEW LANDRUS ed., Veneranda Biblioteca Ambrosiana, Milano – Istituto Geografico De Agostini, Novara, 2010
  5. M. Navoni e A. Rocca, La Pinacoteca Ambrosiana. Catalogo, De Agostini, 2013, ita/eng
  6. Newsletter outubro/2012 (em italiano) http://www.ilnarratario.info/NL/Newsletter_Ambrosiana_ottobre_2012/
  7. Estatuto da Academia Ambrosiana (em italiano) http://www.ambrosiana.eu/cms/statuto-1688.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

«Site oficial da Biblioteca Ambrosiana (em italiano)» 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Biblioteca Ambrosiana