Biliverdina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Biliverdina é um pigmento que dá a cor esverdeada nas pisaduras.[1]

Processo de reciclagem[editar | editar código-fonte]

Os eritrócitos que são as células vermelhas do sangue HUMANO, possui a função de transportar oxigênio para os tecidos. Estas células no entanto possui um tempo de duração, que é de aproximadamente 4 meses, quando estas se tornam velhas e precisam ser reciclada. O processo de reciclagem das destas células sanguíneas, acontece principalmente na polpa do baço, maior órgão responsável por esta função. Entre os principais conteúdo dos eritrócitos, está a hemoglobina uma proteína formada duas cadeias de globina do tipo alfa e duas cadeias de globina do tipo beta, o ferro(Fe²) está ligado é o grupo heme. E um dos produtos da quebra(Catabolismo) da Hemoglobina ou Eritrócito é a Biliverdina, que possui coloração esverdeada, motivo pelo qual recebe este nome. No organismo humano cerca de 1 a 2 milhões de hemácias são destruídas por hora, gerando 6 gramas de hemoglobina para degradação e posterior formação de 300 miligramas de bilirrubina por dia. [2]

Catabolismo do Grupamento HEME[editar | editar código-fonte]

A heme oxigenase-1 (HO-1), uma enzima induzida sob diversas condições de estresse celular junto com o potente redutor NADPH, cataboliza o heme em monóxido de carbono (CO), biliverdina (convertida posteriormente a bilirrubina) e ferro livre.A deficiência dessa enzima resulta em inflamação crônica e morte prematura. O aumento da HO-1 e de seus produtos resulta em efeitos antiinflamatórios e antioxidantes. [3] Logo, através da enzima biliverdina redutase ocorre a formação de bilirrubina [2] Essa enzima adiciona um hidrogênio fornecido pelo NADPH reduzindo a dupla ligação entre os pirróis III e IV. a biliverdina é encontrada em maior quantidade na bile. No final do processo, O pigmento amarelo(Bilirrubina) formado será carreado até o fígado pela albumina, onde será posteriormente conjugado e excretado.

Referências

  1. João Rodrigues (16 de Junho de 2016). «Biliverdina». FCiências. Consultado em 5 de maio de 2017 
  2. a b «Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias — Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias da Universidade do Rio Grande do Sul». www.ufrgs.br. Consultado em 4 de maio de 2017 
  3. «Heme oxigenase-1 como um alvo terapêutico na sepse o papel da biliverdina». 1 de janeiro de 2007  |coautores= requer |autor= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]