Cápsula bacteriana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A camada externa vermelha neste diagrama representa a cápsula bacteriana, que é distinta da parede celular. Essa é uma bactéria Gram-positiva. Pode-se observar a membrana plasmática (em laranja) e uma fina camada de peptideoglicano na parede celular (em roxo).

A cápsula bacteriana é uma estrutura grande presente em algumas células procariotas. É uma camada rígida com bordas bem definidas, formada por uma série de polímeros orgânicos. Ela se deposita no exterior da parede celular bacteriana. Geralmente contém glicoproteínas e um grande número de polissacáridos diferentes, incluindo poliálcoois e aminoaçúcares.[1]


Composição[editar | editar código-fonte]

Diagrama de estruturas extracelulares bacterianas: 1-cápsula, 2-camada mucosa ou glicocálix, 3-biopelícula.

A cápsula bacteriana é em sua maioria composta por polissacarídeos,[2] mas pode conter também outros materiais como polipeptídeos (ex. Ácido D Glutâmico no Bacillus anthracis). Como a maioria das cápsulas é muito próxima das estruturas celulares, elas são difíceis de corar utilizando métodos padrões; a maioria desses corantes não adere à cápsula. Para se observar uma cápsula ao microscópio, a bactéria e seu fundo são corados mais fortemente que a cápsula, que permanece pálida e aparece como um anel ou halo em volta da célula. [3]

Função[editar | editar código-fonte]

A cápsula bacteriana é considerada um fator de virulência pois aumenta a habilidade de uma bactéria causar doença. A cápsula protege a célula bacteriana contra a fagocitose por células eucarióticas como os macrófagos.[4] Um anticorpo específico para a cápsula pode ser necessário para que a fagocitose ocorra. A cápsula também contém água, o que protege a bactéria da desidratação. Confere também proteção contra o ataque de bacteriófagos e a maioria dos materiais hidrofóbicos, como detergentes, e ajuda na adesão da bactéria às células do hospedeiro.


Diversidade[editar | editar código-fonte]

A cápsula bacteriana é mais comumente encontrada em bactérias Gram-negativas:

Contudo, algumas bactérias Gram-positivas também podem possuir cápsula:

A levedura Cryptococcus neoformans, apesar de não ser uma bactéria, possui uma cápsula similar.[9]

Cápsulas muito pequenas cuja visualização não é possível num microscópio comum são chamadas de microcápsulas. Como exemplo temos a Proteína M do Streptococcus pyogenes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. P. Tauro, K.K. Kapoor, K. S. (1986) An Introduction to Microbiology, New Age Publishers, ISBN 0852268785.
  2. bacterial capsule em Dorland's Medical Dictionary
  3. Encyclopedia Britannica [Capsules and Slime Layers]. 
  4. Daffé, M.; Etienne, G. (1999). "The capsule of Mycobacterium tuberculosis and its implications for pathogenicity". Tubercle and Lung Disease [S.l.: s.n.] 79 (3): 153–69. doi:10.1054/tuld.1998.0200. PMID 10656114. 
  5. "Meningococcal meningitis". Textbookofbacteriology.net. Consult. 2014-01-22. 
  6. Yoshida, K; Matsumoto, T; Tateda, K; Uchida, K; Tsujimoto, S; Yamaguchi, K (November 2000). "Role of bacterial capsule in local and systemic inflammatory responses of mice during pulmonary infection with Klebsiella pneumoniae". J. Med. Microbiol. [S.l.: s.n.] 49 (11): 1003–10. PMID 11073154. 
  7. Schouls, Leo; Van Der Heide, Han; Witteveen, Sandra; Zomer, Bert; Van Der Ende, Arie; Burger, Marina; Schot, Corrie (2008). "Two variants among Haemophilus influenzae serotype b strains with distinct bcs4, hcsA and hcsB genes display differences in expression of the polysaccharide capsule". BMC Microbiol. [S.l.: s.n.] 8 (1): 35. doi:10.1186/1471-2180-8-35. PMC 2267795. PMID 18298818. 
  8. Deretic, V; Dikshit, R; Konyecsni, WM; Chakrabarty, AM; Misra, TK (1989). "The algR gene, which regulates mucoidy in Pseudomonas aeruginosa, belongs to a class of environmentally responsive genes". Journal of Bacteriology [S.l.: s.n.] 171 (3): 1278–1283. PMC 209741. PMID 2493441. 
  9. Gates, Marcellene A.; Thorkildson, Peter; Kozel, Thomas R. (April 1390). "Molecular architecture of the Cryptococcus neoformans capsule". Mol. Microbiol. [S.l.: s.n.] 52 (1): 13–24. doi:10.1111/j.1365-2958.2003.03957.x. PMID 15049807.