Células ciliadas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como os sons fazem seu caminho da fonte para o cérebro

As células ciliadas são os receptores sensoriais do sistema auditivo e do sistema vestibular de todos os vertebrados e no órgão da linha lateral dos peixes. São destinadas à transformação das ondas sonoras em impulsos nervosos e, é através da mecanotransdução que detectam movimento em seu ambiente.[1] As células ciliadas são células neuroepiteliais, com o polo apical responsável pela mecanotransdução e o polo basal pela liberação de neurotransmissores.[2]

Nos mamíferos, as células ciliadas auditivas estão localizadas dentro do Órgão de Corti, numa fina membrana basilar, presente na cóclea (orelha interna). Seu nome surge por conta dos tufos de estereocílios, conhecidos por feixes de cabelo que se projetam da superfície apical da célula para o ducto coclear, preenchido por fluídos. As células ciliadas cocleares dos mamíferos são de dois tipos anatomicamente e funcionalmente diferentes, conhecidas como células ciliadas externas e internas. Lesões a essas células resultam na diminuição da sensibilidade auditiva e, como as células ciliadas (orelha interna) não podem se regenerar, esse dano se torna irreversível.[3] No entanto, outros organismos, como o peixe-zebra e as aves têm células ciliadas que podem se regenerar.[4][5]

As células ciliadas externas amplificam mecanicamente o som de baixa intensidade que entra na cóclea.[6][7] Essa amplificação pode ser sustentada pelo movimento de seus feixes de cílios, ou por uma motilidade eletricamente impulsionada de seus corpos celulares. É afetado pelo mecanismo de fechamento dos canais iônicos sensoriais mecânicos nas pontas dos feixes de cílios.  

As células ciliadas internas, são receptoras e codificadoras que transformam as vibrações sonoras nos fluídos da cóclea em sinais elétricos, então transmitem a informação codificada pelo nervo auditivo ao tronco cerebral auditivo e ao córtex auditivo.[8]

Características das células ciliadas[8][editar | editar código-fonte]

Interna Externa
Em torno de 3.500 células piriformes 12.000 a 15.000 células cilindricas
Cílios com ordenação linear Cílios com disposição em "v" ou "w"
Apenas uma fileira Com três fileiras
Cílios não alcançam a membrana tectória Cílios são inseridos na membrana tectória
Relacionadas a sons intensos Relacionadas a sons menos intensos
Cílios sustentados pelas células falângicas internas Cílios fixados à lâmina basilar
Não possuem espaços livres em volta Há presença de espaços entre as células
Sistema transdutor sensorial Sistema amplificador coclear

Células ciliadas internas: do som ao sinal nervoso[editar | editar código-fonte]

Seção através do órgão de Corti, mostrando células ciliadas internas e externas

A deflexão dos estereocílios das células ciliadas abre canais de íons mecanicamente bloqueados que permitem que quaisquer íons pequenos com carga positiva (principalmente potássio e cálcio ) entrem na célula.[9] Ao contrário de muitas outras células eletricamente ativas, a própria célula ciliada não dispara um potencial de ação. Em vez disso, o influxo de íons positivos da endolinfa na escala média despolariza a célula, resultando em um potencial receptor. Esse potencial receptor abre canais de cálcio dependentes de voltagem. Os íons de cálcio entram na célula e desencadeiam a liberação de neurotransmissores na extremidade basal da célula. Os neurotransmissores se difundem no espaço estreito entre a célula ciliada e um terminal nervoso, onde se conectam aos receptores desencadeando potenciais de ação no nervo. Dessa forma, o sinal do som (mecânico) é convertido em um sinal elétrico nervoso. A repolarização das células ciliadas é feita de maneira especial. A perilinfa na escala timpânica tem uma concentração muito baixa de íons positivos. O gradiente eletroquímico faz com que os íons positivos fluam dos canais para a perilinfa.

As células ciliadas constantemente vazam Ca 2+ (cálcio). Esse vazamento causa uma liberação tônica de neurotransmissor para as sinapses. Acredita-se que essa liberação tônica é o que permite as células ciliadas reagirem tão rapidamente em resposta a estímulos mecânicos. A rapidez da resposta das células ciliadas também pode ser pelo fato de conseguirem aumentar a quantidade de liberação de neurotransmissores em resposta a mudanças de apenas 100 μV no potencial de membrana.[10]

Células ciliadas externas: pré amplificadores acústicos[editar | editar código-fonte]

Nas células ciliadas externas de mamíferos, o potencial receptor variável é transformado em vibrações ativas do corpo celular. Essa resposta mecânica aos sinais elétricos é denominada eletromotilidade somática;[11] conduz variações no comprimento da célula, sincronizadas com o sinal sonoro recebido, e fornece a amplificação mecânica por feedback à onda viajante.[12]

As células ciliadas externas são encontradas apenas em mamíferos. Embora a sensibilidade auditiva dos mamíferos seja semelhante à de outras classes de vertebrados, sem o funcionamento das células ciliadas externas, a sensibilidade diminui em aproximadamente 50 dB.[13] As células ciliadas externas conseguem estender o alcance da audição para cerca de 200 kHz em alguns mamíferos marinhos.[14] Elas também aprimoraram a seletividade de frequência (discriminação de frequência), o que é importante e benéfico para os seres humanos, pois permitiu desenvolver habilidades de comunicação, como a fala e música sofisticadas. As células ciliadas externas são funcionais mesmo depois que as reservas celulares de ATP se esgotam.[11]

O efeito desse sistema é amplificar de maneira não linear os sons silenciosos mais do que os sons grandes, com o intuito de que uma ampla escala de pressões sonoras possa ser reduzida a um intervalo muito menor de deslocamentos ciliares.[15] Essa habilidade de amplificação é chamada de amplificador coclear.

A biologia molecular das células ciliadas tem visto um progresso considerável nos últimos anos, com a identificação da proteína motora (prestin) que está ligada à eletromotilidade somática nas células ciliadas externas. A função da proteína prestin demonstrou ser dependente da sinalização do canal de cloreto e está comprometida pelo tributil estanho, comum dos pesticidas marinhos. Como essa classe de poluentes se bioconcentra na cadeia alimentar, o efeito é manifestado nos principais predadores marinhos, como as orcas e as baleias dentadas.[16]

Adaptação do sinal das células ciliadas[editar | editar código-fonte]

O influxo de íons de cálcio desempenha um papel importante para que as células ciliadas se adaptem à amplificação do sinal. Isso permite que os seres humanos ignorem os sons constantes que não são mais novos e, nos possibilita ser agudos com outras mudanças no ambiente. O principal mecanismo de adaptação vem de uma proteína motora miosina-1c que permite adaptação lenta, proporciona tensão para sensibilizar os canais de transdução e também participa de aparelhos de transdução de sinal.[17][18] Pesquisas mais recentes mostram que a ligação da calmodulina à miosina-1c, sensível ao cálcio, poderia modular a interação do motor de adaptação com outros componentes do aparelho de transdução.[19][20]

Adaptação rápida: Durante a adaptação rápida, os íons de Ca2+ que entram em um estereocílio através de um canal MET aberto se ligam rapidamente a um local do canal ou próximo a ele, induzindo assim o fechamento. Quando os canais se fecham, a tensão aumenta no link da ponta, puxando feixe na direção oposta.[17] A adaptação rápida é mais proeminente na detecção sonora e auditiva das células ciliadas detectoras sonoras e auditivas, e não nas células vestibulares.

Adaptação lenta: A adaptação lenta ocorre quando a miosina-1c desliza para baixo do estereocílio em resposta à tensão elevada durante o deslocamento do feixe.[17] A diminuição da tensão, consequência do efeito que ocorre no link da ponta, permite que o feixe se mova mais distante na direção oposta. À medida que a tensão diminui, os canais se fecham, produzindo então o declínio na corrente de transdução. A adaptação lenta é mais proeminente nas células ciliadas vestibulares que detectam o movimento espacial, ao invés de acontecer nas células ciliadas cocleares, que detectam os sinais auditivos.[18]

Conexão neural[editar | editar código-fonte]

Os neurônios do nervo auditivo ou vestibulococlear (oitavo nervo craniano) inervam as células ciliadas cocleares e vestibulares.[21] Acredita-se que o neurotransmissor liberado pelas células ciliadas que estimula os neuritos terminais dos axônios periféricos dos neurônios aferentes (em direção ao cérebro) seja o glutamato. Na junção pré-sináptica, há um corpo ou fita densa pré-sináptica distinta. Este corpo denso é cercado por vesículas sinápticas e é esperado que auxilie na liberação rápida de neurotransmissores.

A inervação das fibras nervosas é muito mais densa para as células ciliadas internas do que para as células ciliadas externas. Cada célula ciliada interna é inervada por inúmeras fibras nervosas, enquanto uma única fibra nervosa inerva várias células ciliadas externas. As fibras nervosas das células ciliadas internas também são bastante mielinizadas, o que contrasta com as das células ciliadas externas não mielinizadas. A região da membrana basilar que fornece a entrada a uma determinada fibra nervosa aferente pode ser considerada como seu campo receptivo.

Projeções eferentes do cérebro para a cóclea também desempenham um papel essencial na percepção do som. As sinapses eferentes ocorrem nas células ciliadas externas e as aferentes sob as células ciliadas internas. O terminal pré-sináptico é preenchido por vesículas contendo acetilcolina e um neuropeptídeo, chamado de peptídeo relacionado ao gene da calcitonina. Os efeitos desses compostos variam, em algumas células ciliadas a acetilcolina hiperpolariza a célula, reduzindo a sensibilidade da cóclea.

Regeneração[editar | editar código-fonte]

Pesquisas sobre o recrescimento das células cocleares podem levar a tratamentos que regeneram a audição. Ao contrário dos pássaros e peixes, os seres humanos e outros mamíferos geralmente são incapazes de regenerar as células da orelha interna, responsáveis por converter o som em sinais neurais quando essas células são danificadas pela idade ou pela doença.[5][22] Os pesquisadores estão progredindo no campo da terapia gênica e com células-tronco que são capazes de permitir a regeneração das células danificadas. Como se constatou que as células ciliadas dos sistemas auditivo e vestibular em aves e peixes se regeneram, sua capacidade foi estudada extensivamente.[23] Além disso, as células ciliadas da linha lateral, que têm uma função de mecanotransdução, são capazes de recrescer em organismos, como o peixe-zebra.[24]

Pesquisadores identificaram um gene de mamífero que normalmente age como um interruptor molecular, capaz de bloquear o crescimento de células ciliadas da cóclea em adultos.[25] O gene Rb1 codifica a proteína retinoblastoma (Rb), que é um gene supressor de tumor. A Rb impede que as células se dividam, incentivando a sua saída do ciclo celular.[26][27] Não são somente as células ciliadas in vitro que se regeneram quando o gene Rb1 é excluído, como os camundongos criados para perder o gene, desenvolveram mais células ciliadas do que os camundongos que possuíam o gene. Além disso, foi estudado que a proteína sônica hedgehog bloqueia a atividade da proteína retinoblastoma, induzindo assim a reentrada no ciclo celular e a regeneração de novas células.[28]

O inibidor do ciclo celular p27kip1 (CDKN1B) também foi encontrado com a habilidade de incentivar o recrescimento das células ciliadas em camundongos após a eliminação genética ou após derrubar com o siRNA visando a p27.[29][30] Pesquisas sobre a regeneração de células ciliadas nos permitem ter mais propriedade sobre o assunto e nos aproxima do tratamento clínico para perda auditiva humana causada por lesão ou morte de células ciliadas.

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Nadol (1993). «Hearing loss». New England Journal of Medicine. 329: 1092–1102. PMID 8371732. doi:10.1056/nejm199310073291507 
  2. Ashmore. «Cochlear Outer Hair Cell Motility». Physiological Reviews (em inglês). 88: 173–210. ISSN 0031-9333. PMID 18195086. doi:10.1152/physrev.00044.2006  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  3. Nadol (1993). «Hearing loss». New England Journal of Medicine. 329: 1092–1102. PMID 8371732. doi:10.1056/nejm199310073291507 
  4. Lush (2013). «Sensory hair cell regeneration in the zebrafish lateral line». Developmental Dynamics. 243: 1187–1202. PMC 4177345Acessível livremente. PMID 25045019. doi:10.1002/dvdy.24167 
  5. a b Cotanche (1994). «Hair cell regeneration in the bird cochlea following noise damage or ototoxic drug damage». Anatomy and Embryology. 189: 1–18. PMID 8192233. doi:10.1007/bf00193125 
  6. Ashmore (1987). «A fast motile response in guinea-pig outer hair cells: the cellular basis of the cochlear amplifier». The Journal of Physiology (em inglês). 388: 323–347. ISSN 1469-7793. PMC 1192551Acessível livremente. PMID 3656195. doi:10.1113/jphysiol.1987.sp016617  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  7. Ashmore. «Cochlear Outer Hair Cell Motility». Physiological Reviews (em inglês). 88: 173–210. ISSN 0031-9333. PMID 18195086. doi:10.1152/physrev.00044.2006  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  8. a b BONALDI, Lais Vieira. Estrutura e Função do Sistema Auditivo Periférico. In: BOÉCHAT, Edilene Marchini (org.). Tratado de Audiologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015. p. 32 - 40.
  9. Müller. «Cadherins and mechanotransduction by hair cells». Current Opinion in Cell Biology. 20: 557–566. PMC 2692626Acessível livremente. PMID 18619539. doi:10.1016/j.ceb.2008.06.004 
  10. Chan DK, Hudspeth AJ. «Ca2+ current-driven nonlinear amplification by the mammalian cochlea in vitro». Nature Neuroscience. 8: 149–155. PMC 2151387Acessível livremente. PMID 15643426. doi:10.1038/nn1385 
  11. a b Brownell WE, Bader CR, Bertrand D, de Ribaupierre Y. «Evoked mechanical responses of isolated cochlear outer hair cells». Science. 227: 194–196. Bibcode:1985Sci...227..194B. PMID 3966153. doi:10.1126/science.3966153 
  12. A movie clip showing an isolated outer hair cell moving in response to electrical stimulation can be seen here (physiol.ox.ac.uk). Arquivado em 2012-03-07 no Wayback Machine.
  13. Ashmore. «Cochlear Outer Hair Cell Motility». Physiological Reviews (em inglês). 88: 173–210. ISSN 0031-9333. PMID 18195086. doi:10.1152/physrev.00044.2006  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  14. «Marine Mammal Sensory Systems». Biology of Marine Mammals. Smithsonian Institution Press. [S.l.: s.n.] 1999 
  15. Hudspeth AJ. «Making an effort to listen: mechanical amplification in the ear». Neuron. 59: 530–45. PMC 2724262Acessível livremente. PMID 18760690. doi:10.1016/j.neuron.2008.07.012 
  16. «Control of mammalian cochlear amplification by chloride anions». Journal of Neuroscience. 26: 3992–8. PMC 6673883Acessível livremente. PMID 16611815. doi:10.1523/JNEUROSCI.4548-05.2006 
  17. a b c «Myosin-1c, the hair cell's adaptation motor». Annual Review of Physiology. 66: 521–45. 2004. PMID 14977412. doi:10.1146/annurev.physiol.66.032102.112842 
  18. a b «Sensory transduction and adaptation in inner and outer hair cells of the mouse auditory system». Journal of Neurophysiology. 98: 3360–9. 2007. PMC 2647849Acessível livremente. PMID 17942617. doi:10.1152/jn.00914.2007 
  19. «Myosin-1c interacts with hair-cell receptors through its calmodulin-binding IQ domains». The Journal of Neuroscience. 22: 2487–95. 2002. PMC 6758312Acessível livremente. PMID 11923413. doi:10.1523/JNEUROSCI.22-07-02487.2002 
  20. Housley. «Ionic currents of outer hair cells isolated from the guinea-pig cochlea». The Journal of Physiology (em inglês). 448: 73–98. ISSN 1469-7793. PMC 1176188Acessível livremente. PMID 1593487. doi:10.1113/jphysiol.1992.sp019030  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  21. «Cranial Nerve VIII. Vestibulocochlear Nerve». Loyola University Chicago 
  22. Edge AS, Chen ZY (2008). «Hair cell regeneration». Current Opinion in Neurobiology. 18: 377–82. PMC 5653255Acessível livremente. PMID 18929656. doi:10.1016/j.conb.2008.10.001 
  23. Lombarte A, Yan HY, Popper AN, Chang JS, Platt C. «Damage and regeneration of hair cell ciliary bundles in a fish ear following treatment with gentamicin». Hear. Res. 64: 166–74. PMID 8432687. doi:10.1016/0378-5955(93)90002-i 
  24. Whitfield (2002). «Zebrafish as a model for hearing and deafness». Journal of Neurobiology. 53: 157–171. PMID 12382273. doi:10.1002/neu.10123 
  25. Henderson M. «Gene that may no longer turn a deaf ear to old age». Times Online 
  26. Sage (2005). «Essential role of retinoblastoma protein in mammalian hair cell development and hearing». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 103: 7345–7350. Bibcode:2006PNAS..103.7345S. PMC 1450112Acessível livremente. PMID 16648263. doi:10.1073/pnas.0510631103 
  27. Raphael Y, Martin DM. «Deafness: lack of regulation encourages hair cell growth». Gene Ther. 12: 1021–2. PMID 19202631. doi:10.1038/sj.gt.3302523 
  28. Lu (2013). «Sonic hedgehog initiates cochlear hair cell regeneration through downregulation of retinoblastoma protein». Biochemical and Biophysical Research Communications. 430: 700–705. PMC 3579567Acessível livremente. PMID 23211596. doi:10.1016/j.bbrc.2012.11.088 
  29. Löwenheim H, Furness DN, Kil J, Zinn C, Gültig K, Fero ML, Frost D, Gummer AW, Roberts JM, Rubel EW, Hackney CM, Zenner HP. «Gene disruption of p27(Kip1) allows cell proliferation in the postnatal and adult organ of corti». Proc Natl Acad Sci U S A. 96: 4084–8. Bibcode:1999PNAS...96.4084L. PMC 22424Acessível livremente. PMID 10097167. doi:10.1073/pnas.96.7.4084  (fonte primária)
  30. Ono K, Nakagawa T, Kojima K, Matsumoto M, Kawauchi T, Hoshino M, Ito J. «Silencing p27 reverses post-mitotic state of supporting cells in neonatal mouse cochleae» (PDF). Mol Cell Neurosci. 42: 391–8. PMID 19733668. doi:10.1016/j.mcn.2009.08.011  (fonte primária)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]