CS Mackay-Bennett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
CS Mackay-Bennett
O Cable Ship Mackay Bennett
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Construção John Elder and Co., Glasgow (Escócia, Reino Unido)
Viagem inaugural 18 de setembro de 1884[1]
Porto de registo Londres, Reino Unido
Armador(es) Commercial Cable Company
Período de serviço 1884 - 1922
Estado Afundado durante a Segunda Guerra Mundial, e desmantelado em 1965.
Características gerais
Deslocamento 2000 toneladas [2]
Largura 25em
Comprimento 79 m[3]
Pontal 12,2 m[3]
Calado 6,6 m[3]

O CS (Cable Ship) Mackay-Bennett foi um navio britânico encarregado de reparar cabos submarinos, pertencente à Commercial Cable Company. Teve uma longa trajetória no conserto de cabos no Atlântico Norte.

Mesmo tendo como base a cidade de Halifax, no Canadá era utilizado com frequência para operações na Europa, quando sua base era então a cidade de Plymouth na Inglaterra.

É famoso por ter sido contratado em 1912 para resgatar os corpos das vitimas do Titanic.

História[editar | editar código-fonte]

O Mackay-Bennett foi construído em Glasgow, na Escócia em 1884 para a Commercial Cable Company e foi batizado com os sobrenomes dos fundadores da empresa: John William Mackay e James Gordon Bennett. Foi colocado em serviço nesse mesmo ano e foi utilizado para a instalação e consertos de cabos submarinos durante vários anos.

Em abril de 1912, a White Star Line contratou seus serviços para recuperar os corpos das vítimas do naufrágio do Titanic, pagando 550 dólares por dia.[3] O barco, sob o comando do capitão Frederick Harold Larnder, zarpou com uma equipe de embalsamadores a bordo (dirigida por John R. Snow Jr.),[3] e com grande estoque de gelo, mortalhas e caixões.

O Mackay-Bennett começou as buscas em 17 de abril de 1912 e em 13 dias resgatou 306 cadáveres, incluindo o do multimilionário John Jacob Astor[4] e o corpo de Wallace Hartley, diretor da orquesta do Titanic.[5] Mais tarde, foi auxiliado nas buscas pelos navios Minia, Montmagny e Algerine. Dos 306 corpos recuperados pelo Mackay-Bennett, 116 foram devolvidos ao mar por causa de seu estado de descomposição avançado.[4] Na manhã de 30 de abril de 1912, o Mackay-Bennett chegou ao porto de Halifax com 190 corpos a bordo.[3]

Depois de encerrar a busca pelos corpos, o barco seguiu com suas funções de barco de instalação e reparo de cabos submarinos. O autor canadense Thomas Head Raddall serviu por um tempo como operador de rádio a bordo do Mackay-Bennett,[6] e algumas de suas novelas estão baseadas em sua experiência a bordo.

O Mackay-Bennett foi retirado de serviço em 1922 e depois de ser parcialmente desmontado foi utilizado como armazem flutuante no porto de Plymouth, Inglaterra.[1] Durante a Segunda Guerra Mundial foi bombardeado e afundado pelos alemães durante a Blitz. Mais tarde foi consertado e seu casco foi finalmente desmantelado em Gante, na Bélgica em 1965.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c MacKay-Bennett (1884). Maritimequest.com.
  2. History of the Atlantic Cable & Submarine Telegraphy - Commercial Cable Company 1886 (em inglês). Atlantic Cable.com.
  3. a b c d e f Mackay-Bennett (em inglês). Encyclopedia Titanica.org.
  4. a b La recherche des victimes (em francês). Titanic.pagesperso-orange.fr.
  5. Mr Wallace Henry Hartley. Encyclopedia Titanica.org.
  6. Thomas Head Raddall fonds (em inglês). Library.dal.ca.