Canal da Nicarágua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Traçados propostos para o Canal da Nicarágua

O Canal da Nicarágua (espanhol: Canal de Nicaragua), formalmente o Canal da Nicarágua e Projeto de Desenvolvimento (também conhecido como Grande Canal da Nicarágua, ou Grande Canal Interoceânico foi uma rota de navegação proposta através da Nicarágua para conectar o Mar do Caribe (e, portanto, o Oceano Atlântico) com o Oceano Pacífico. Os cientistas estavam preocupados com o impacto ambiental do projeto, já que o Lago Nicarágua é o principal reservatório de água doce da América Central enquanto a viabilidade do projeto foi questionada por engenheiros e especialistas em navegação.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

Cartum de 1895 defendendo a ação dos EUA para a construção do Canal da Nicarágua.

A construção de um canal usando o Rio San Juan como via de acesso ao Lago Nicarágua foi proposta pela primeira vez no início da era colonial. Os Estados Unidos abandonaram os planos de construir uma hidrovia na Nicarágua no início do século 20, depois que compraram as participações francesas no Canal do Panamá.

Em junho de 2013, a Assembleia Nacional da Nicarágua aprovou um projeto de lei para conceder 50 anos de concessão para financiar e gerenciar o projeto para o Canal da Nicarágua Investment Development HK (HKND) chefiada por Wang Jing, um homem de negócios chinês.[3][4][5] A concessão poderia ter sido prorrogada por mais 50 anos após a entrada em operação da hidrovia.[6]

Em 2015, relatos da mídia sugeriram que o projeto seria adiado e possivelmente cancelado porque a riqueza pessoal de Wang diminuiu muito como resultado do crash do mercado de ações chinês em 2015-16.[1][7] "Grandes obras", como dragagem, deveriam ocorrer após o acabamento de um cais do Oceano Pacífico, cuja construção estava planejada para começar no final de 2016.[1] O governo da Nicarágua não apresentou informações confiáveis ​​sobre se ou não o projeto pode ser financiado, levantando-se dúvidas sobre se seria concluído.[8][9] O Grupo HKND afirmou que o financiamento viria de dívidas e vendas de ações e uma potencial oferta pública inicial (IPO).[1]

Em maio de 2017, nenhuma ação concreta havia sido tomada para construir o canal e mais dúvidas foram expressas sobre seu financiamento.[10]  Em fevereiro de 2018, os analistas consideraram amplamente o projeto como extinto,[11] embora o chefe do projeto insistisse que o trabalho estava em andamento[12] e o HKND reteve os direitos legais de concessão para o canal, bem como projetos laterais.[13] Apesar do desaparecimento do HKND, o governo da Nicarágua indica que prosseguirá com as desapropriações de 908 km2 em terras secas em qualquer lugar da Nicarágua, de acordo com a Lei 840 do Canal de expropriação de terras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Further reading[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Canal da Nicarágua
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.