Capacidade de carga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A capacidade de carga de uma espécie biológica num ambiente é o tamanho populacional máximo que o meio pode sustentar indefinidamente, ao considerar alimento, habitat, água e outras necessidades disponíveis no ambiente. Na biologia populacional, a capacidade de carga é definida como a carga máxima do ambiente,[1] que é diferente do conceito de equilíbrio populacional. Seu efeito sobre a dinâmica populacional pode ser aproximado de um modelo logístico, embora esta simplificação ignore a possibilidade de superação que sistemas reais podem apresentar.

Para a população humana, as variáveis ​​mais complexas, como saneamento e assistência médica, são muitas vezes consideradas como parte do estabelecimento necessário. Com o aumento da densidade populacional, a taxa de natalidade muitas vezes diminui, enquanto a taxa de mortalidade normalmente aumenta. A diferença entre as taxas de natalidade e mortalidade é o "crescimento natural".

A capacidade de carga é o número de indivíduos que um ambiente pode suportar, sem impactos negativos significativos para o organismo e o seu ambiente. Abaixo da capacidade de carga, populações normalmente aumentam, enquanto acima, elas geralmente diminuem. Um fator que mantém o tamanho da população no estado de equilíbrio é conhecido como fator regulador. O tamanho da população diminui acima de capacidade de carga devido a uma série de fatores, dependendo da espécie, mas pode incluir espaço, abastecimento alimentar, ou luz solar insuficientes.

A capacidade de um ambiente pode variar para diferentes espécies e pode mudar ao longo do tempo devido a uma variedade de fatores, incluindo: a disponibilidade de alimentos, o abastecimento de água e as condições ambientais e de espaço vital. As origens do termo "capacidade de carga" são incertas, sendo que há pesquisadores que afirmam que ele era usado "no contexto do transporte marítimo internacional"[2] ou que ele foi usado pela primeira vez durante experimentos de laboratório com microrganismo no século XIX.[3] Uma revisão recente encontra o primeiro uso do termo em um relatório de 1845 do Secretário de Estado dos EUA para o Senado.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hui, C (2006). «Carrying capacity, population equilibrium, and environment's maximal load». Ecological Modelling [S.l.: s.n.] 192: 317–320. doi:10.1016/j.ecolmodel.2005.07.001. 
  2. a b Sayre, N. F. (2008). «The Genesis, History, and Limits of Carrying Capacity». Annals of the Association of American Geographers [S.l.: s.n.] 98: 120–134. doi:10.1080/00045600701734356. 
  3. Zimmerer, K.S., "Human Geography and the "New Ecology": The Prospect of Promise and Integration", Annals of the Assoc. of American Geo., 84(1), 108–125, (1994)
Ícone de esboço Este artigo sobre ambiente é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.