Capela Pombo (Belém)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Fachada da capela em 2009.

A Capela do Senhor dos Passos também conhecida como Capela Pombo está situada na cidade de Belém, estado do Pará

Foi mandada construir no final do século XVIII, mais precisamente em 1790, pelo proprietário de engenho Cel. Ambrósio Henriques, chefe de numerosa e importante família que, ao construir sua residência em Belém, dotou-a de tal capela, onde ele, seus parentes, amigos e escravos assistiam à Missa e a outras cerimônias religiosas (POMBO, 1965).

A residência e a capela ficam situadas na Travessa Campos Sales, anteriormente denominada Travessa do Passinho, no perímetro compreendido entre as Ruas Manoel Barata e 13 de Maio, no atual Bairro do Comércio, em Belém.

Em 1784, Alexandre Rodrigues Ferreira cita, em seus relatos, a capela do Capitão Ambrósio como um dos oratórios públicos da cidade.

Para o arquiteto e pesquisador Donato Mello Junior é de Antônio José Landi a autoria do projeto da capela em razão da semelhança de traços com outras obras landianas, não tendo sido, entretanto, até a presente data, localizado seu projeto original.

Compartilha também dessa ideia Mendonça (2003), "uma pequena capela privada, anexa a um sobrado, conhecida como capela Pombo, foi certamente projectada por Antônio José Landi".

A capela possui fachada branca e grande suavidade em suas formas e linhas tardo-barrocas. A porta, central à fachada, é encimada por um frontão triangular. Sobre a porta, há uma janela com sacada e balaústres. No alto, junto ao coroamento superior há dois vasos. Há relatos da existência de uma torre com sino no alto da capela, que foi retirada por ter sido danificada por faíscas elétricas.

Ainda segundo Mendonça (2003): Na parede onde se encosta o altar, onde, tal como na capela dos Governadores se rasgam as duas portas de comunicação com a sacristia, encontramos um retábulo em massa cobrindo toda a parede, organizado em três panos...; enquadrando o nicho central encontramos pilastras que parecem retiradas dos desenhos de cenografia dos Bibiena...

A capela é dotada de um coro de onde a família e amigos assistiam às cerimônias, já que a parte térrea era ocupada pelos escravos. Foi, provavelmente, uma das últimas obras projetada e concluída por Landi.

Segundo Coimbra (2003), foi tradição muitos engenheiros oriundos da Escola de Engenharia do Pará, localizada às proximidades, recorrerem ao Senhor dos Passos para realizar suas provas, colocando moedas por baixo de sua porta quase sempre fechada.

Ao longo do tempo, a capela mudou de dono várias vezes, ainda entre membros da família Pombo, tendo ocorrido momentos em que esteve nas mãos de outra família, os Corrêa de Guamá, período esse, marcado pelo abandono da edificação e pela perda de documentos relativos aos Pombo. Só em 1973, a capela voltou às mãos da família de origem, ano em que sofreu um processo de restauração, que preservou grande parte das características originais como o piso, o forro e o telhado este dois últimos que foram substituídos por novos iguais aos originais. As imagens originais foram, em parte, destruídas pela ação dos cupins. Algumas peças se encontram em poder da família e, recentemente, a imagem do Senhor Morto, foi localizada, após anos de desaparecida e, reintegrada ao patrimônio do estado do Pará.

A capela não é tombada individualmente e o sobrado foi descaracterizado. O conjunto está situado no Centro Histórico de Belém, tombado por lei municipal.

Referências Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

BELÉM do Grão-Pará e suas ruas. Disponível em: http://www.hcgallery.com.br/cidade4.htm.

BELÉM - Aspectos históricos e cultura. Disponível em: http://www.sepof.pa.gov.br/belem.cfm

CAPELOSSI FILHO, Sávio; SEYNAEVE, Raymond. J. M. Guia Histórico e Turístico da Cidade de Belém. Belém: CEJUP, 1992.

COIMBRA, Oswaldo. Engenharia Militar Européia na Amazônia do século XVIII: As Três Décadas de Landi do Gram-Pará. Belém: Prefeitura Municipal de Belém, 2003, 190 p.

FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. Memórias dos tempos de Landi: arte colonial e história republicana na Amazônia, 1888-1919. In: SEMINÁRIO LANDI E O SÉCULO XVIII NA AMAZÔNIA, 2003, Belém. Anais eletrônicos ... Belém: UFPA, 2003. Disponível em: http://www.ufpa.br/landi/anais.htm.

LOPES, Ana Cristina Braga. Arquitetura em Belém no século XVIII: As obras de Antonio Landi. 1998. 139 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Arquitetura, Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. São Carlos, 1998.

MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho.opdsAntónio José Landi (Bolonha 1713 / Belém 1791) e a transmissão de modelos artísticos da Europa para o Brasil. In: SEMINÁRIO LANDI E O SÉCULO XVIII NA AMAZÔNIA, 2003, Belém. Anais eletrônicos ... Belém: UFPA, 2003. Disponível em: http://www.ufpa.br/landi/anais.htm.

POMBO, José de Miranda. A Capela do Senhor dos Passos. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, Belém, v. 13, p. 111-112, 1965.

TEIXEIRA, Luciana Martins de Barros. Revitalização da Capela do Senhor dos Passos, “A Capela Pombo”. 1998. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Curso de Arquitetura, UNAMA, Belém, 1998.

TOCANTINS, Leandro. Santa Maria de Belém do Grão Pará. Belo Horizonte: Itatiaia, 1987.

TRINDADE, Elna Andersen; FARIA, Maria Beatriz Maneschy. Circuito Landi: um roteiro pela arquitetura setecentista na Amazônia. Belém, p. 46 e 47, 2006. Disponível em http://www.forumlandi.com.br/circuito/manualguia.pdf.