Carlos Quiroga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Carlos Quiroga
Carlos Quiroga.
Nascimento 9 de Maio de 1961
Escairón (Galiza)
Género literário Romance, conto, Poesia, Ensaio
Movimento literário Pós-modernismo

José Carlos Quiroga Díaz, nascido em Escairón (O Saviñao) o 9 de Maio de 1961, é um escritor e linguista galego, irmão gémeo do também escritor Xabier Quiroga.

É professor de português e de literatura lusófona na Galiza.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Doutor em Filologia Galego-portuguesa, foi bolseiro de investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (1991-1992), do actual Instituto Camões (1992-1993), e da Universittà Italiana per Stranieri (1983). Antes de trabalhar na Universidade de Santiago de Compostela, onde é professor de literaturas lusófonas, foi o primeiro docente de português numa Escola Oficial de Idiomas da Galiza.[1]

Fundou e dirigiu a revista O Mono da Tinta, de 1987 a 1991. Durante vários anos foi director da revista de ciências sociais e humanidades Agália. Foi um dos fundadores do projecto editorial Letras de Cal. O Diário de Notícias português incluiu o seu livro Inxalá numa colecção de clássicos literários universais.[2]

Ademais de professor na USC,[3] é membro da direcção da Associação de Escritores em Língua Galega[4] e também da Associaçom Galega da Língua.

Estudou a presença de Fernando Pessoa na Galiza: Quem era, onde nasceu e como foi a vida do antepassado galego de Fernando Pessoa? Existem parentes atuais de Pessoa na Galiza…?[5]

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • G.O.N.G. -mais de vinte poemas globais e um prefácio esperançado (1999). Fundaçom Artábria
  • A Espera Crepuscular (2002). Quasi Edições/Laiovento
  • O Regresso a Arder (2005). Quasi Edições/AGAL

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Periferias (1999). Laiovento. Ganhador do Prémio Carvalho Calero de narrativa.
  • Inxalá (2006). Laiovento. Prémio Carvalho Calero de narrativa.[6]
  • Venezianas ((2007). Quasi Edições.
  • Império do Ar. Cavalgadas de Daniel em Ilha Brasil (2014). Confraria do Vento.
  • Peixe Babel (2016). Urco, 2016.

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • A imagem de Portugal na Galiza (2014). Através.[7]
  • Raízes de Pessoa na Galiza (2018). Através.

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Il Castello nello Stagno di Antela - O Castelo da Lagoa de Antela (2004).

Obras colectivas[editar | editar código-fonte]

  • XVIII Festival da Poesia do Condado (S. C. D. Condado, 2004).
  • O Crânio de Castelao (Através, 2013).
  • Desassossego (Mombak, 2014).
  • O Dia da Toalha na Galiza (Através, 2014).

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Prémio da Mostra de Teatro Infantil de Ferrolterra em 1988, por O Castelo da Lagoa.
  • Prémio Carvalho Calero de narrativa em 1998, por Periferias.
  • Prémio Carvalho Calero de narrativa em 2005, por Inxalá.

Referências e Notas