Castelo de Alamute

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ruínas da fortaleza de Alamute
Vista do Castelo de Alamut, a sede da ordem dos Assassinos em Qazvin, Irã.
Vista do Castelo de Alamut, a sede da ordem dos Assassinos em Qazvin, Irã.

Alamute[1] (em persa: الموت; romaniz.:Alamut; "ninho da águia") foi uma fortaleza situada na cordilheira Elbruz, ao sul do mar Cáspio no Irão. De acordo com Handalá Mustaufi a primeira fortaleza foi construída em 840, a uma altitude de 2 100 metros. A fortaleza foi construída de tal forma que só houvesse um meio artificial transitável para chegar a ela, que seria em torno do penhasco, o que dificultaria uma suposta invasão. Em 1090, a fortaleza foi conquistada pela Ordem dos Assassinos, uma poderosa seita criada por Haçane Saba conhecidos ao Oeste como Assassinos.[2]

Em 1090 d.C., o Castelo de Alamut, uma fortaleza de montanha no atual Irã, passou para a posse de Hassan-i Sabbah, um campeão da causa Nizari Ismaili. Até 1256, Alamut funcionou como a sede do estado Nizari Ismaili, que incluía uma série de fortalezas estratégicas espalhadas por toda a Pérsia e Síria, com cada fortaleza cercada por faixas de território hostil.

Alamut, que é a mais famosa dessas fortalezas, era considerada inexpugnável a qualquer ataque militar e era famosa por seus jardins celestiais,[2] biblioteca e laboratórios onde filósofos, cientistas e teólogos podiam debater em liberdade intelectual.

A fortaleza sobreviveu a adversários, incluindo os impérios seljúcida e khwarezmian. Em 1256, Rukn al-Din Khurshah entregou a fortaleza aos invasores mongóis, que a desmantelaram e destruíram suas famosas bibliotecas. Embora comumente se suponha que a conquista mongol obliterou a presença ismaelita de Nizari em Alamut, a fortaleza foi recapturada em 1275 pelas forças de Nizari, demonstrando que, embora a destruição e os danos aos ismaelitas naquela região fossem extensos, não foi a aniquilação completa tentada pelos mongóis. No entanto, o castelo foi apreendido mais uma vez e caiu sob o domínio de Hulagu Khanfilho mais velho de 1282. Depois, o castelo passou a ter significado apenas regional, passando pelas mãos de vários poderes locais.[3]

Hoje, está em ruínas, mas devido ao seu significado histórico, está sendo desenvolvido pelo governo iraniano como destino turístico.

Governantes de Alamute[editar | editar código-fonte]

Abaixo, lista dos oito governantes que já comandaram a fortaleza:

Dais
Imames

Referências

  1. Nimer, Miguel; Calil, Carlos Augusto (2005). Influências orientais na língua portuguesa: os vocábulos árabes, arabizados, persas e turcos : etimologia, aplicações analíticas. São Paulo: Edusp. p. 608 
  2. a b Revista História Viva. Editora Duetto (São Paulo). "Bin Sabbah, o homem que inspirou Bin Laden"
  3. Daftary, Farhad (1998). The Ismailis. Cambridge, UK: Cambridge University Press. ISBN 0-521-42974-9
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Castelo de Alamute